STRATIGRAPHIC ASPECTS AND FACIES DESCRIPTION OF MIRANDIBA BASIN, NORTHEAST, BRASIL

Laís Cristina Leite Pereira, Luis Henrique Aguiar de Araujo, Gisely Maria da Silva, Mário Ferreira de Lima Filho

Resumo


A Bacia Mirandiba, localizada na porção central do estado de Pernambuco, representa uma das bacias interiores do Nordeste. Considerando a falta de estudos em geologia nesta área, esta pesquisa tem como objetivo documentar e descrever os principais aspectos sedimentológicos e faciológicos observados na Bacia de Mirandiba. A metodologia envolveu além da observação de imagens do Google Earth, a análise do Modelo Digital de Elevação (DEM), derivado do SRTM (Shuttle Radar Topography Mission), ambas com intuito de proporcionar uma melhor visualização da área e seleção dos melhores afloramentos. Quatro formações sedimentares foram identificadas neste estudo. A

Laís Cristina Leite Pereira et al.

Formação Tacaratu (Siluro-Devoniano) representa os sedimentos mais abundantes e antigos da bacia e é composta por fácies essencialmente arenosas. Como características principais estão a presença de bandas de deformação principalmente na borda da bacia, além da comum presença de níveis conglomeráticos. A Formação Inajá, localizada estratigraficamente acima da Formação Tacaratu, é marcada por fácies arenosas (compostas por arenitos vermelhos contendo, por vezes, nódulos limoníticos) e por uma fácies siltítica. A Formação Aliança é composta por duas facies: (i) folhelhos vermelhos a marrons, representando a fácies mais abundante e (ii) arenitos calcíferos, geralmente intercalados entre camadas da fácies anterior. A Formação Sergi, a qual apresenta a menor extensão, é dominantemente marcada por presença de fácies arenosa, no entanto, também são observadas fácies conglomerática e siltosa. Quatro associação de fácies (S1, S2, S3 and F1) foram descritas para caracterizar os dois principais sistemas deposicionais da Bacia Mirandiba. A associação de fácies S1, S2 e S3 caracterizam um sistema fluvial entrelaçado associado as formações Tacaratu, Inajá e Sergi, enquanto a associação F1 descreve um sistema deposicional lacustre caracterizado na Formação Aliança.


Palavras-chave


Bacia Mirandiba, Bacias interiores do Nordeste, estratigrafia, associação de fácies, Modelo Digital de Elevação

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, Robério & , Liano & Veríssimo, Silva & , Leanize & Oliveira, Teixeira & Júlio, Manoel & G Galvão, T & A C Feitosa, Fernando. 2010. Pesquisa Hidrogeológica em Bacias Sedimentares no Nordeste Brasileiro, 20 p.

Barbosa, O. 1964. Geologia de parte da região do médio São Francisco, Nordeste do Brasil. Petrópolis: PROSPEC, 69 p.

Barreto, P.M.C. 1968. Paleozoico da Bacia do Jatobá, Pernambuco. Boletim da Sociedade Brasileira de Geologia, v. 17, n. 1, p. 29-45.

Brasilino, R. G., Miranda, A. W. A., Morais, D. M. F. 2014. Carta Geológica da Folha Mirandiba SC.24-X -A-I. Estado de Pernambuco. Scale 1:100.000. Recife, CPRM, Programa Geologia do Brasil - PGB.

Braun, O.P.G. 1966. Estratigrafia dos sedimentos da parte interior da região Nordeste do Brasil (Bacias do Tucano-Jatobá, Mirandiba e Araripe). Divisão de Geologia e Mineralogia/Departamento Nacional de Produção Mineral (Boletim n°236), 75p.

Chang, H.K., Kowsmann. O., Figueiredo, A.M.F. 1988. New concepts on the development of East Brazilian marginal basins. Episodes, 11(3):194-202.

Conceição, J.C.J., P. V. Zalán, e S. Wolff. 1988. Mecanismo, evolução e cronologia do Rift Sul-Atlântico. Boletim de Geociênciencias da Petrobras, 2(2/4):255-265.

Costa, W.D., Santos, M.A.V., Lucas, A.A., Branco, R.L.C., Maranhão, C.M.L. 2006. Estudo Hidrogeológico da Bacia Sedimentar de São José do Belmonte e Diagnóstico das Condições Hidrogeológicas da Bacia Sedimentar de Fátima, Visando a Instalação de Sensores Telemétricos. Projeto Proágua Semiárido. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco. p. 113-145. Leite, J. F.; Pires S. DE T. M.; Rocha, D. E. G. A. da. 2001. Estudo Hidrogeológico da Bacia do JatobáPE. Série Hidrogeologia. Estudos e Projetos. v. 7. 55p.

Leite, J.F., Pires, S.T.M., Rocha, D.E.G.A. 2000. Estudo Hidrogeológico da Bacia de Fátima-PE. Relatório Interno CPRM, 99p.

Matos, R.M.D. de. 1992. The Northeast Brasilian Rift System: Tectonics, 11(4): 766-791.

Matos, R.M.D. 1999. History of the northeast Brazilian rift system: kinematic implications for the break-up between Brazil and West Africa. In The Oil and Gas Habitats of the South Atlantic (Eds. N.R. Cameron, R.H. Bate and V.S. Clure), Geological Society of London, Special Publication, 153, 55-73.

Medeiros, V.C. 2004. Evolução geodinâmica e condicionamento estrutural dos terrenos Piancó-Alto Brígida e Alto Pajeú, Domínio da Zona Transversal, NE do Brasil. PhD Thesis. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 200 p.

Miall, A.D. 1977. A review of the braided-rivers depositional environment.Earth Science Reviews, 13(1):1-62.

Miall, A.D. 1996. The geology of fluvial deposits: sedimentary facies, basin analysis and petroleum geology. Berlin, Springer, 582 p.

Pereira, P.A.; Almeida, J.A.C.; Barreto, A.M.F. 2012. Paleoecologia dos bivalves e braquiopodes da Formação Inajá (Devoniano), Bacia do Jatobá (PE), Brasil. Estudos Geológicos, v. 22, n. 1, p. 37-53.

Ponte, F.C.1971. Evolução paleogeológica do Brasil oriental e da África ocidental. Salvador. Bahia. PETROBRAS SEPES – SETUP/BA, 4º Curso de Projetos Especiais em Geologia - (CPEG IV), 73 p.

Ponte, F.C. & Ponte Filho, F.C. 1996a. Estrutura geológica e evolução tectônica da Bacia do Araripe. Recife: Departamento Nacional da Produção Mineral, 4º e 10º Distritos Regionais, Delegacias do Ministério das Minas e Energia em Pernambuco e Ceará, 68 p.

Ponte, F. C., Hashimoto, A. T., Dino, R. 1991. Geologia das bacias sedimentares mesozoicas do interior do Nordeste do Brasil. PETROBRAS/CENPES/DIVEX/SEBIPE.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.