O Gênero Brega para Além da Ressonância Estrutural

Lydia Barros

Resumo


O presente artigo trata da produção de sentidos atrelada à escuta musical, explorando a idéia de que a partilha da experiência e do conhecimento mediada pelos gêneros é fragmentada e provisória. Nesse sentido, pretende ressaltar, através da análise do gênero brega, que o processo de filiação a gêneros musicais não está relacionado necessariamente à posição do sujeito na hierarquia social - ainda que isso possa se configurar como uma de suas regras -, mas que vindo essa expressão da periferia, sua diferença constitui-se simultaneamente em produto para consumo de massa e matéria-prima de múltiplas tramas narrativas.

Palavras-chave


gêneros musicais; produção de sentido; música brega

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos do estado. 9ª edição.São Paulo: Edições Graal, 2003.

ARAÚJO, Paulo César. Eu não sou cachorro não: música popular cafona e ditadura militar. Rio de Janeiro: Record, 1996.

ARAÚJO, Samuel. Brega, samba e trabalho acústico: variações em torno de uma contribuição teórica à etnomusicologia. Revista Opus, v. 6, disponível em www.anppom.com.br/opus. Belo Horizonte: ANPPOM, 1999.

BOURDIEU, Pierre. Distinction, a social critique of the judgement of taste. Cambridge, Massachusetts: Harvad University Press, 1984.

DIAS, Márcia Tosta. Os donos da voz. Indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo Editorial, 2000.

ECO, Umberto. A estrutura do mau gosto, In Apocalípticos e integrados. 5ª edição. São Paulo: Perspectiva, 1998.

EAGLETON, Terry. A ideologia da estética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

FABBRI, Franco. A Theory of musical genres: Two applications. In Popular music perspectives, papers from the First International Conference on Popular Music Research. David Hom e Philip Tagg, eds., IASPM, Göteborg & Exeter, 1982.

FISKE, John. Understanding popular culture. London e New York: Routlegde, Taylor & Francis Group,1998.

FOUCE, Hector. Géneros musicales, experiencia social y mundos de sentido. In Revista ECO-Pós, v. 9, nº 1, disponível em www.e-papers.com.br. Rio de Janeiro: E-Papers, 2006.

FRITH, Simon. Performing rites: on the value of popular music. EUA: Harvad University Press, 1996.

HALL, Stuart. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Bra´silia: Representação da UNESCO do Brasil, 2003.

JAMESON, Fredric. As marcas do visível. Rio de Janeiro: Edições Graal Ltda,

JANOTTI JR, Jeder. Música popular massiva e gêneros musicais: a produção e consumo da canção na mídia, v. 3, nº 7. São Paulo: ESPM, 2006.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos. O declínio do individualismo nas sociedades de massa. 3ª edição. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2002.

MIDDLETON, Richard. From me to you: popular music as message; Lost in music? Pleasure, value and ideology in popular music. In Studing popular music. EUA: Open University Press, 1990.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX, volume 1 Neurose. 9ª edição. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 1997.

NAPOLITANO, Marcos. A síncope das idéias. A questão da tradição na música popular brasileira. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2007.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira. 5ª edição. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. 7ª reimpressão.

Editora Brasiliense, 2006.

STEFANI, Gino. Para entender a música. Editora Globo: Rio de Janeiro, 1987.

TAGG, Philip. Introductory notes to semiotics of music. Versão virtual extraída em 11/07/2007 do site do autor: www.tagg.org. Versão 3, Liverpool, Inglaterra, 1999.

TROTTA, Felipe. Música popular e qualidade estética. Anais do III Enecult, Salvador, maio/2007.

VILA, Pablo. Identidades narrativas y musica. In Revista Transcultural de Música – TRANS, nº 2, disponível em www.sibetrans.com/trans (acesso em 17/05/2007), 1996.

WISNIK, José Miguel. O som e o sentido. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil