O Rio de Janeiro do Imaginário de Hollywood como Instrumento de Propaganda Ideológica

Carlos A. de C. Moreno

Resumo


O imaginário pode ser inicialmente compreendido como a dinâmica das imagens, que são as representações que os seres humanos têm das coisas, a partir dos sentidos. Já a ideologia, embora também diga respeito ao processo de abstração, diferencia-se do imaginário por estar investida por uma concepção de mundo.

Palavras-chave


cinema; hollywood; rio de janeiro

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. Mitologias. São Paulo: Difel, 1980. 181 p.

CHOMSKY, Noam. Propaganda ideológica e controle do juízo público. Rio de Janeiro: Achiamé, 1999. 87 p.

FREIRE-MEDEIROS, Bianca. O Rio de Janeiro que Hollywood inventou. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. 74 p.

PINHO, J. B. Propaganda institucional: usos e funções da propaganda em relações públicas. São Paulo: Summus, 1990. 166 p.

SAFATLE, Vladimir. A política do real de Slavoj Zizek. In: ZIZEK, S. Bem-vindo ao deserto do real! São Paulo: Boitempo, 2003. p. 179-191

ZIZEK, Slavoj. O espectro da ideologia. In: ZIZEK, Slavoj. (Org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. p. 7-38.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil