O Dia em que Raquel Pacheco Saiu do Anominato: Bruna Surfistinha e a morte do autor

Cynthia de Lima Campos

Resumo


O artigo propõe uma análise do fenômeno de público O Doce Veneno do Escorpião, de autoria da ex-garota de programa, Bruna Surfistinha, cuja verdadeira identidade é Raquel Pacheco. Questionamos se seu trabalho poderia ser considerado uma obra vinculada ao conceito de autor, descrito por Foucault e Barthes, como aquele a quem se pode atribuir o que foi dito ou escrito e como o indivíduo percebido como o criador, a origem, que por meio de suas motivações inscreve intencionalmente dentro de uma obra. Defendemos o argumento de que o fenômeno pode ser explicado pelo fato da escritora constituir-se como o próprio significante de seu texto. Para tanto, recorremos aos conceitos de literatura, obra, texto, e autor, encontrados nos referidos autores, levando em consideração o veículo pelo qual essa voz se faz ouvir.

Palavras-chave


autor; literatura; morte do autor; bruna surfistinha; foucault; barthes

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil