A noiva estava de vermelho: horror e sexualidade em A mulher que inventou o amor

Tiago José Lemos Monteiro

Resumo


A mulher que inventou o amor (1979) é um longa-metragem brasileiro dirigido por Jean Garrett, escrito por João Silvério Trevisan e fotografado por Carlos Reichenbach. O filme se apropria abertamente de alguns códigos estilísticos e narrativos vinculados a um imaginário de gênero (no caso, o horror e o melodrama), ao mesmo tempo em que se mostra disposto a tensionar estes mesmos elementos, reenquadrando-os sob uma perspectiva singular em relação às questões de gênero, sexualidade e representação. O ponto de partida da trama é, até certo ponto, alinhado à sub-vertente dos rape & revenge movies, tendência então em voga no âmbito do horror de exploração internacional. No filme, entretanto, o estupro sofrido pela personagem Doralice (Aldine Müller) serve de catalisador para uma vingança direcionada contra todos os homens (em sua maioria, representados como fracos, patéticos, egoístas ou aproveitadores) que atravessam seu caminho.


Palavras-chave


Boca do Lixo; Jean Garrett; “A mulher que inventou o amor”; horror; exploitation

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Nuno César Pereira. Boca do Lixo: cinema e classes populares. Tese (Doutorado em Multimeios) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

A MULHER que inventou o amor. Direção: Jean Garrett. Produção: Cassiano Esteves. Intérpretes: Aldine Müller; Zecarlos de Andrade; Rodolfo Arena; Lola Brah; Roberto Miranda; Oslei Delano e outros. Música: Aluísio Pontes. São Paulo: E.C. Distribuição e Importação Cinematográfica; Marte Filmes, 1980. Arquivo digital (100 min.), son., cor, disponível em . Acesso em 26 maio. 2019.

BERNARDET, Jean Claude. A pornochanchada contra a cultura “culta”. In: ______. Cinema brasileiro: propostas para uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. pp. 210-215.

BIATRELLI, Rogério. Carregando nas tintas. Jornal do Brasil. Caderno B, 21 out. 1980, p. 5.

CÁNEPA, Laura Loguércio. Medo de quê? - uma história do horror nos filmes brasileiros. Tese (Doutorado em Multimeios) - Instituto de Artes, UNICAMP. Campinas, 2008.

CÁNEPA, Laura Loguércio; MONTEIRO, Tiago José Lemos. “Você jamais esquecerá esse filme porque você é um dos personagens”: Noite em Chamas, os anos 1970 sob as lentes de Jean Garrett. Trabalho apresentado ao GT de Cultura das Mídias no XXVII Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, Belo Horizonte, PUC Minas, junho de 2018.

DENNISON, Stephanie. Sex and the Generals: reading Brazilian Pornochanchada as sexploitation. In: RUÉTALO, V.; TIERNEY, D. (org.). Latsploitation, Exploitation Cinemas, and Latin America. New York, London: Routledge, 2009. p. 230-244.

GODINHO, Denise; MOURA, Hugo. Coisas eróticas – a história jamais contada da primeira vez do cinema nacional. São Paulo: Panda Books, 2012.

HELLER-NICHOLAS, Alexandra. Rape-revenge films: a critical study. Jefferson, North Carolina: McFarland & Company, 2011.

LYRA, Bernardette; SANTANA, Gelson (orgs.). Cinema de bordas. São Paulo: Editora A lápis, 2006.

MARINHO, Larissa de Souza; MONTEIRO, Tiago José Lemos. Percalços de Jennifer(s): uma análise comparativa entre I spit on your grave e Revenge. Trabalho apresentado no IJ04 – Cinema, da Intercom Júnior – XIV Jornada de Iniciação Científica em Comunicação, no 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Joinville, UNIVILLE, 2018.

MÍCCOLIS, Leila. Lampião da esquina, n.31, dez.1980, p.16

MONTEIRO, Tiago José Lemos. Snuff à brasileira: marketing de exploração no cinema da Boca. In: MIGLIORIN, C. et al (org.). Anais de textos completos do XXI Encontro da SOCINE. São Paulo: SOCINE, 2018. p. 680-686.

MONTEIRO, Tiago José Lemos. Ghosts in the machine: supernatural dread vs. technology in the Brazilian erotic horror thriller Excitação (1976). In: GADOMSKA, K.; LOSKA, A.; SWOBODA, A (org.). The supernatural in literature and cinema. Katowice: Wydawnictwo Uniwersytetu Slaskiego, 2018. p. 225-237.

MONTEIRO, Tiago José Lemos. Horror e questões de gênero em A Mulher que Inventou o Amor (1980). In: PRYSTHON, Angela Freire et al (org). Anais de textos completos do XXII Encontro da SOCINE. São Paulo:SOCINE, 2019, p.1029-1034.

ORMOND, Andrea. A mulher que inventou o amor (1979). In: ______. Ensaios de cinema brasileiro: dos filmes mudos à pornochanchada. São José dos Pinhais, PR: Editora Estronho, 2016. p. 253-254.

PAIVA, Salviano Cavalcanti de. “A mulher que inventou o amor”. O Globo. Segundo Caderno, 21 out. 1980, p.33.

PEREIRA, Edmar. Surpresa. Jornal da Tarde, 17 nov. 1980, p.23

PIEDADE, Lúcio de Franciscis dos Reis. A cultura do lixo: horror, sexo e exploração no cinema. 2002. Dissertação (Mestrado em Multimeios) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas 2002.

RAMOS, José Mario Ortiz. Sexo, sangue e emoções masculinas. In: ______. Cinema, televisão e publicidade: cultura de massa e popular no Brasil nos anos 1970-1980. São Paulo: Annablume, 2004. p. 178-195.

SCHAEFER, Eric. Bold! Daring! Shocking! True! A History of Exploitation Films, 1919-1959. Durhan & London: Duke University Press, 1999.

SCONCE, Jeffrey (ed.). Sleaze artists: cinema at the margins of taste, style, and politics. Durham and London: Duke University Press, 2007.

TOHILL, Cathal; TOMBS, Pete. Immoral tales: European sex and horror movies 1956-1984. New York: St. Martin’s Griffin, 1995.




DOI: https://doi.org/10.34176/icone.v17i3.242265

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

ISSN 2175-215X

© 1996-2019 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil