O futuro dos cursos de direitos: entre a incerteza e a perplexidade

Lana Lisiêr de Lima Palmeira, Edna Cristina de Prado, Carla Priscilla Barbosa Santos Cordeiro

Resumo


Este artigo objetiva discutir a estrutura e organização dos cursos jurídicos sobre o prisma das diretrizes curriculares para o curso de Direito, inseridas na Resolução CNE/CES nº 9/2004. A partir de um estudo histórico sobre o nascimento e formação dos cursos jurídicos no Brasil, pretende-se compreender a evolução do currículo jurídico ao longo dos anos. Em seguida, pretende-se analisar as atuais diretrizes vigentes para o ensino jurídico, compreendendo suas ideias centrais e seus objetivos. Por fim, pretende-se analisar a proposta para as novas diretrizes curriculares para o curso de Direito, verificando-se de que forma as mudanças pretendidas poderão afetar a qualidade do ensino jurídico. Ensino jurídico. diretrizes curriculares. Resolução CNE/CES nº 9/2004.

Texto completo:

PDF

Referências


ADEODATO, J. M. L.. Bases para uma metodologia da pesquisa em Direito. Revista CEJ. Brasília, DF, v. 7, n. 1, p. 143-150, 1999. BAETA, Herman Assis. História da Ordem dos Advogados do Brasil. Brasília: OABEd, 2003, Vol. 1. BASTOS, A. W. Os cursos jurídicos e as Elites Políticas Brasileiras: ensaio sobre a criação dos cursos jurídicos. Brasília: Câmara dos Deputados,1978. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. LDB – Lei nº9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura.Decretonº 5.773/2006, de 09 de maio de 2006.Dispões sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Brasília: MEC, 2006. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resolução nº 09/2004, de 29 de setembro de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de graduação em direito e dá outras providências. Brasília: MEC, 2004. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resolução nº 02/2007, de 18 de junho de 2007. Dispõe sobre a carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial. Brasília: MEC, 2007. FAGUNDES, Paulo Roney Ávila. OAB ensino jurídico: o futuro da universidade e os cursos de direito – novos caminhos para a formação profissional. Brasil: OAB, 2006. FEITOSA NETO, Inácio José. O ensino jurídico brasileiro: uma análise dos discursos do MEC e da OAB. Recife: Ed. do autor, 2007. FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 2003. LÔBO, Paulo Luiz Neto. OAB ensino jurídico: parâmetros para elevação da qualidade e avaliação. Brasília: OAB, 1996. MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2008. MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa; SILVA, Tomaz Tadeu. Currículo, Cultura e Sociedade. São Paulo: Cortez, 1999. MURARO, C. C. A formação do professor de direito. Revista Âmbito Jurídico. Rio Grande, RS, v. 13, n. 73, fev. 2010. NASCIMENTO, Tarcizo Roberto do. O marco regulatório da educação jurídica brasileira e a redefinição do papel do interventor. Brasília: Tipográfica. 2016. PALMEIRA, Lana Lisiêr de Lima. O ensino jurídico em Alagoas: razões e sentidos de sua constante valorização.Maceió: EDUFAL. 2011. PRADO, Edna Cristina do; DIÓGENES, Elione Maria Nogueira (Orgs). Avaliação de políticas públicas: interface entre educação & gestão escolar. Maceió: Edufal, RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Pensando o ensino do direito no século XXI. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2002. VENÂNCIO FILHO, A. Das Arcadas Ao Bacharelismo. 2.ed. São Paulo: Perspectiva, 1982


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interritórios - ISSN: 2525-7668

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.