Pedagogias culturais em realizações de cineastas Mbyá-Guarani

Luiz Antônio Lima CACHOEIRA, Iara Tatiana BONIN

Resumo


RESUMO

O cinema indígena vem sendo conformado a partir de um amplo conjunto de narrativas fílmicas cuja realização resulta da ação direta de membros de distintas etnias indígenas brasileiras, com apoio de instituições voltadas para a produção audiovisual autoral. Muitas destas produções têm sido premiadas e exibidas no Brasil e no exterior, acompanhadas, algumas vezes, de sessões de debate com os próprios cineastas e realizadores. Considerando que o cinema indígena dinamiza estéticas singulares, marcadas pelas formas de pensar e de narrar de um povo indígena, no presente texto focalizam-se narrativas cinematográficas feitas por membros do povo Mbyá-Guarani no âmbito do projeto Vídeo nas Aldeias. O objetivo é analisar significados de territorialidade constituídos nos filmes “Desterro Guarani” e “Tava, a casa de pedra”, dos cineastas Mbyá-Guarani Patrícia Ferreira (Keretxu) e Ariel Duarte. 

Cinema indígena. Pedagogias Culturais. Relações Étnico-raciais. 


Cultural pedagogies in Mbyá-Guarani filmakers

ABSTRACT

The Indigenous cinema has been shaped after a wide set of film narratives coming from different Brazilian Indigenous ethnic groups’ action held by institutions aiming at authorial audiovisual production. Many of these productions were rewarded and exhibited abroad sometimes in debates with the very filmmakers and directors. Considering that the Indigenous cinema fosters singular aesthetics, marked by typical Indigenous ways of thinking and narrating, this work has focussed on cinema narratives by Mbyá-Guarani members in the project called Vídeo nas Aldeias (something like ‘Video in Indigenous Villages’). The objective is to analyse meanings of territoriality in ‘Desterro Guarani’ and ‘Tava, a casa de pedra’ by Mbyá-Guarani filmmakers Patrícia Ferreira (Keretxu) and Ariel Duarte. 

Indigenous cinema. Cultural pedagogies. Ethnic and racial relationships.


Pedagogia Culturale dei Cineasti Mbyá-Guarani

RIASSUNTO

Il cinema indigeno è stato plasmato da una vasta gamma di narrazioni cinematografiche la cui realizzazione deriva dall'azione diretta di membri di diversi gruppi etnici indigeni brasiliani, con il sostegno di istituzioni incentrate sulla produzione audiovisiva autoriale. Molte di queste produzioni sono state premiate e proiettate in Brasile e all'estero, a volte accompagnate da sessioni di dibattito con i registi e gli stessi registi. Considerando che il cinema indigeno dinamizza l'estetica singolare, segnata dai modi di pensare e narrare un popolo indigeno, questo testo si concentra su narrazioni cinematografiche realizzate da membri del popolo Mbyá-Guarani nell'ambito del progetto Video in the Villages. L'obiettivo è analizzare i significati di territorialità costituiti nei film "Desterro Guarani" e "Tava, la casa di pietra", dai cineasti Mbyá-Guarani Patrícia Ferreira (Keretxu) e Ariel Duarte.

Cinema indigeno. Pedagogie culturali. Relazioni etnico-razziali.


Pedagogías culturales en los logros de los cineastas Mbyá-Guaraní

RESUMEN

El cine indígena se ha formado a partir de una amplia gama de narraciones cinematográficas cuya realización es el resultado de la acción directa de miembros de diferentes grupos étnicos indígenas brasileños, con el apoyo de instituciones enfocadas en la producción audiovisual autoral. Muchas de estas producciones han sido premiadas y proyectadas en Brasil y en el extranjero, a veces acompañadas de sesiones de debate con los propios cineastas y directores. Teniendo en cuenta que el cine indígena dinamiza la estética singular, marcada por las formas de pensar y narrar a un pueblo indígena, este texto se centra en las narraciones cinematográficas realizadas por miembros del pueblo mbyá-guaraní dentro del alcance del proyecto Video nas Aldeias. El objetivo es analizar los significados de territorialidad constituidos en las películas "Desterro Guarani" y "Tava, a casa de pedra", de los cineastas Mbyá-Guarani Patrícia Ferreira (Keretxu) y Ariel Duarte.

Cine indígena. Pedagogías culturales. Relaciones étnico-raciales.





Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Juliano José de. Cineastas Indígenas, Documentário e Autoetnografia: Um Estudo do Projeto Vídeo nas Aldeias. 2015. 270 f. Tese (Doutorado) – Curso de Multimeios, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida. Nhembo’e ¡Enquanto o Encanto Permanece!: processos e práticas de escolarização nas aldeias Guarani. 2005. 273 f. Tese (Doutorado). Curso de Educação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

BRIGHENTI, Clovis Antonio. Estrangeiros na Própria Terra: Presença Guarani e Estados Nacionais. Chapecó/Florianópolis: Argos/EDUFSC, 2010.

CIMI. A violência contra os povos indígenas no Brasil – 2003-2005. Brasília: Conselho Indigenista Missionário, 2006.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

DOBAL, Susana Madeira; GONÇALVES, Josianne Diniz. Repensando o protagonismo: uma análise do filme "Karai Há’egui Kunhã Karai’ete - Os verdadeiros líderes espirituais" de Alberto Alvares. ECCOM, v. 9, n. 18, jul./dez. 2018.

GALLOIS, Dominique. Terras ocupadas? Territórios? Territorialidades? In: FANY, Ricardo. Terras indígenas e unidades de conservação da natureza – o desafio das sobreposições territoriais. São Paulo: ISA, 2004.

GALLOIS, Dominique; CARELLI, Vincent. Vídeo e diálogo cultural – experiência do projeto Vídeo nas aldeias. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 1, n. 2, p. 61-72, jul./set. 1995.

LADEIRA, Maria Inês. Os índios Guarani/Mbya e o complexo lagunar estuarino de Iguape-Paranoá. Publicações do centro de Trabalho Indigenista, 1994.

MELIÀ, Bartomeu. La novedad guaraní (viejas cuestiones y nuevas preguntas). Revista bibliográfica (1987-2008). Revista de Índias, vol LXIV, n. 230, 2004, p. 175-226.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Uma etnologia dos "índios misturados"? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 47-77, Apr. 1998. Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010493131998000100003&lng=en&nrm=iso. Acesso em 16/02/2019.

PISSOLATO, Elizabeth. Mobilidade, multilocalidade, organização social e cosmologia: a experiência de grupos Mbya Guarani no sudeste brasileiro. Tellus, ano 4, n. 6, p. 65-78, abr. 2004.

SOUZA, Luiz Antônio Catafesto de. Crianças Mbyá-Guarani: Práticas educativas & tecnologias de produção da pessoa. 2010. 137 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Educação, Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2010.

STEINBERG, Shirley. Produzindo múltiplos sentidos – pesquisa com bricolagem e pedagogia cultural. In: KIRCHOF, Edgar R.; WORTMANN, Maria Lúcia C.; COSTA, Marisa V. Estudos Culturais & Educação: contingências, articulações, aventuras, dispersões. Canoas: Ed ULBRA, 2015, p. 211-242.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os involuntários da Pátria. Elogio do subdesenvolvimento. Edições Chão da Feira (Caderno de Leituras / Série Intempestiva) n. 65, p. 109, maio de 2017. Disponível em: https://chaodafeira.com/catalogo/caderno-n-65-os-involuntarios-da-patria/.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v5i9.243596

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Luiz Antônio Lima CACHOEIRA, Iara Tatiana BONIN

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.