Polissemias do sensível: resistência e ethos na formação em saúde

Mônica ROCHA, Adriana Rosa C SANTOS, Catarina RESENDE

Resumo


RESUMO

O objetivo desse texto é explorar diálogos, efeitos e reverberações de acontecimentos que povoaram o 1º ENSENSI – Encontro Nacional sobre o Sensível nas graduações em saúde. Como ponto de partida, serão extraídas as linhas de forças convocatórias deste evento, que coincidem com a direção dos Laboratórios de sensibilidades e corporeidades, os quais as autoras integram. Considerar o sensível, em sua polissemia, como campo de força que opera na diferença dos modos operantes da formação acadêmica como um todo e, em particular, nos cursos da saúde, provoca uma reflexão sobre as noções de resistência e (re)existência. A partir de uma aposta ético-estético-política, será problematizado de que modo processos de ensino-aprendizagem instauram políticas cognitivas, regimes de sensibilidades, constituem corpos e subjetividades, inventam mundos.

Sensível. Formação. Resistência. Saúde. Ethos.


Polysemias of the sensitive: resistance and ethos in undergraduate Health courses

ABSTRACT

The purpose of this text is explore dialogues, effects and reverberations of events happened in the 1st ENSENSI - National Meeting on Sensitive in health graduations. As a starting point, the lines of forces of this event will be drawn, coinciding with the direction of the Laboratories of Sensibilities and Corporeities, of which the authors are part. To consider the sensitive, in its polysemy, as a field of force that operates in the difference of the operant modes of the academic formation and, in particular, in the courses of health, provokes a reflection on the notions of resistance and (re) existence. From an ethicoaesthetic-political bet, it will be problematized how teaching-learning processes establish cognitive policies, sensitivities regimes, constitute bodies and subjectivities, invent worlds.

Sensitive. Training. Endurance. Health. Ethos.


Multiplicitá dei sensibili: resistenza ed etica nell'educazione per la salute

RIASSUNTO

lo scopo di questo testo è quello di esplorare dialoghi, effetti e riverberi di eventi che hanno popolato il 1 ° ENSENSI - Incontro nazionale sui gradi della salute. Come punto di partenza, tracceremo le linee di forza di questo evento, che coincide con la direzione dei Laboratori di Sensibilità e Corporalità, che gli autori integrano. Considerare il sensibile, nella sua polisemia, come un campo di forza che opera nella differenza dei modi operativi della formazione accademica nel suo insieme e, in particolare, nei corsi di salute, provoca una riflessione sulle nozioni di resistenza e (ri) esistenza. Da una scommessa eticoestetica-politica, verrà messo in dubbio come i processi di insegnamentoapprendimento stabiliscono politiche cognitive, regimi di sensibilità, costituiscano corpi e soggettività, inventino mondi.

Sensibile. Allenamento. Resistenza. Salute. Ethos.


Polisemias sensibles: resistencia y ethos en la educación sanitária

RESUMEN

El propósito de este texto es explorar diálogos, efectos y reverberaciones de eventos que poblaron la 1ª ENSENSI - Reunión Nacional sobre las Graduaciones de Sensibles en Salud. Como punto de partida, trazaremos las líneas de fuerzas que requieren este evento, que coinciden con la dirección de los Laboratorios de Sensibilidad y Corporeidad, que integran los autores. Considerar lo sensible, en su polisemia, como un campo de fuerza que opera en la diferencia de los modos operantes de la formación académica en su conjunto y, en particular, en los cursos de salud, provoca una reflexión sobre las nociones de resistencia y (re) existencia. A partir de una apuesta éticoestética-política, se cuestionará cómo los procesos de enseñanza-aprendizaje establecen políticas cognitivas, regímenes de sensibilidades, constituyen cuerpos y subjetividades, inventan mundos.

Sensible. Formación. Resistencia. Salud. Ethos.


Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, L. A. A cidade dos sábios: reflexões sobre a dinâmica social nas grandes cidades. São Paulo: Summus, 1999.BERARDI, F. Entrevista com Franco Berardi (Bifo), publicada em 29/01/2011, no

periódico espanhol Público. Tradução do blog Boca do Mangue. Disponível em:

https://bocadomangue.wordpress.com/2011/01/30/%e2%80%9ca-sensibilidade-e-hojeo-campo-de-batalha-politico%e2%80%9d/. Acesso em: 03 jun. 2018.

DELEUZE, G. Abecedário. (1988-1989). Disponível em:

https://www.google.com.br/url?sa=t&source=web&rct=j&url=http://escolanomade.org/w

p-content/downloads/deleuze-oabecedario.pdf&ved=2ahUKEwj5h5iFjofeAhUEUJAKHZeRB2sQFjAAegQIAxAB&usg=

AOvVaw3sUuGQish5-xT3HdCjZYVf. Acesso em: 31 agos. 2018.

DELEUZE, G. Diálogos. São Paulo: Editora Escuta, 1998.

DELIGNY, F. O aracniano e outros textos. São Paulo: n-1 Edições, 2015.

FOUCAULT, M. A Ética do Cuidado de Si como Prática da Liberdade (1984a). In:

MOTTA, M. B. da (org.) Ética, Sexualidade, Política: Michel Foucault. Rio de

Janeiro: Forense Universitária, 2004. Coleção Ditos & Escritos, v. V.

DELIGNY, F. Uma Estética da Existência (1984b). In: MOTTA, M. B. da (org.) Ética,

Sexualidade, Política: Michel Foucault. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

Coleção Ditos & Escritos, v. V.

GUATTARI, F. Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo:

Brasiliense, 1987.

PELBART, P. P. VIDA CAPITAL: ensaio de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO

experimental org.; Ed. 34, 2009(a). 2ª Ed.

RANCIÈRE, J. O inconsciente estético. São Paulo: EXO experimental org.; Ed. 34,

(b).




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v5i9.243599

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Mônica ROCHA, Adriana Rosa C SANTOS, Catarina RESENDE

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.