(Des)política para corpos-política na arte, na cultura e na educação

Marcos Antônio Bessa OLIVEIRA

Resumo


RESUMO

Arte, Educação, Política compõem uma tríade compreendida historicamente no Ocidente como interdependentes. Entretanto, arte, educação e políticas ocidentais não estão compreendidas para corpos aquém dos padrões de raça, gênero e classe edificados pelo pensamento que arquitetou o projeto moderno europeu levado à expansão em todo mundo no século XVI. Igualmente, histórico e contemporaneamente, políticas têm definido, no caso do Brasil em níveis federal, estaduais e municipais, atuações e ações de corpos e sobre os corpos na arte, na educação e na própria política. Considerando a histórica indissociação entre a tríade arte, educação e política, mas também a atual e fascista dissociação das políticas em relação aos corpos que atuam nas artes e na educação em contexto brasileiro contemporâneo, este artigo discuti, por uma perspectiva descolonial de abordagem bi(os)bliográfica, a falta de arte em política, educação em política e corpos em política que consideram as diferenças culturais e coloniais porque não contemplam o padrão de arte, educação, corpo e política modernos. 

Arte. Educação. Política.

 

(Dis) politics for political bodies in art, culture and education 

ABSTRACT 

Art, Education, Politics make up a triad historically understood in the West as interdependent. However, Western art, education and politics are not understood for bodies below the standards of race, gender and class built by thought that architected the modern European project led to expansion around the world in the sixteenth century. Similarly, historically and contemporatically, policies have defined, in the case of Brazil at federal, state and municipal levels, actions and actions of bodies and on bodies in art, education and politics itself. Considering the historical indissociation between the triad art, education and politics, but also the current and fascist dissociation of policies in relation to the bodies that work in the arts and education in a contemporary Brazilian context, this article discussed, for a decolonial perspective of bi(os)bliographical approach, lack of art in politics, education in politics and bodies in politics that consider cultural and colonial differences because they do not contemplate the standard of modern art, education, body and politics.

Art. Education. Politics.

 

(Des) política para cuerpos-políticos en arte, cultura y educación

RESUMEN

Arte, educación, política producen un trío históricamente entendido en el Occidente como interdependientes. Pero, el arte, la educación y las políticas occidentales no están incluidas para cuerpos con padrones inferiores a las normas de raza, género y clase construidas por el pensamiento que he producido el proyecto moderno europeo expandido en todo el mundo desde el siglo XVI. Asimismo, se han definido políticas históricas y contemporáneas, en el caso de Brasil, a nivel federal, estatal y municipal, actividades y acciones de cuerpos y sobre los cuerpos en el arte, en la educación y en la política. Considerando la indisociación histórica entre el trío arte, educación y política, pero también la actual y fascista desagregación de las políticas con relación a los cuerpos que actúan en las artes en la educación en el contexto brasileño contemporáneo, este artículo discutió, bajo un enfoque descolonial de abordaje bi(os)bliográfica, la ausencia de arte en política, educación en política y cuerpos en política que consideran las diferencias culturales y coloniales, porque no contemplan el estándar del arte, educación, cuerpo y política modernos.

Arte. Educación. Política.


(Des) politica per gli organi politici nell'arte, nella cultura e nell'educazione

SINTESE

Arte, educazione, politica producono un trio storicamente inteso in Occidente come interdipendente. Ma l'arte occidentale, l'istruzione e la politica non sono incluse per gli organismi con standard inferiori agli standard di razza, genere e classe costruiti dal pensiero che ho prodotto il moderno progetto europeo ampliato in tutto il mondo dal XVI secolo. Allo stesso modo, le politiche storiche e contemporanee sono state definite, nel caso del Brasile, a livello federale, statale e municipale, attività e azioni di corpi e di corpi nell'arte, nell'istruzione e nella politica. Considerando la dissociazione storica tra arte, istruzione e trio politico, ma anche l'attuale e fascista disaggregazione delle politiche in relazione agli organismi che agiscono nelle arti nell'educazione nel contesto brasiliano contemporaneo, questo articolo discute, sotto un approccio decoloniale approccio bi-os, assenza di arte in politica, educazione in politica e corpi politici che considerano le differenze culturali e coloniali, perché non contemplano lo standard dell'arte moderna, dell'educazione, del corpo e della politica.

Arte. Istruzione. Politica.



Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Manoel de. Arranjos para assobio. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1998. BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. In: MEC. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 27 ago. 2017.

BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio. As fronteiras que es m as produções culturais da exterioridade. In: ANAIS – 13º CICLO DE INVESTIGAÇÕES EM ARTES VISUAIS – PPGAV/CEART/UDESC, 2018, p. 74-83. Disponível em: https://www.udesc.br/arquivos/ceart/id_cpmenu/7750/ANAIS_ciclo_ppgav_udesc_20 18_FINAL_1562789061679_7750.pdf. Acesso em: 29 jul. 2019.

BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio. Biogeografias artísticas como exterioridade dos fazeres – corpos latinos fronteiriços. In: Cadernos de Estudos Culturais: Exterioridade dos Saberes: NECC 10 ANOS, v. 2, n. 20, 2018a. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/cadec/article/view/7772. Acesso em: 02 jul. 2019.

BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio. Ensino de Artes X Estudos Culturais: para além dos muros da escola. São Carlos, SP: Pedro & João Editores, 2010.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituição.htm. Acesso em: 09 set. 2019.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB – Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 09 ago. 2019.

DERRIDA, Jacques. Políticas da amizade. Tradução Fernanda Bernardo. Porto: Campo das Letras – Editores S.A., 2003.

FARIA, J. R.; BESSA-OLIVEIRA, M. A. Meu/nosso corpo estranho, o que temos é dele/nele que somos. Filosofia e Educação, v. 11, n. 1, p. 5-35, 9 set. 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8655077. Acesso em: 28 out. 2019.

MIGNOLO, Walter D.. “Prefacio”. In: PALERMO, Zulma. Para una pedagogia decolonial. 1 ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2014a. (El desprendimento / Walter Mignolo), p. 7-9.

MIGNOLO, Walter D.. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. In: Cadernos de Letras da UFF: Dossiê: Literatura, língua e identidade, n.34, 2008, p. 287-324. Disponível em: www.uff.br/ cadernosdeletrasuff/34/traducao.pdf. Acesso em: 08 jul. 2018.

MIGNOLO, Walter D.. La idea de América Latina: La herida colonial y la opción decolonial. Traducción de Silvia Jawerbaum y Julieta Barba. Primera edición: mayo de 2007, Barcelona- Espanâ: Editorial Gedisa, S.A, 2007.

MIGNOLO, Walter. Desafios decoloniais hoje. Trad. de Marcos de Jesus Oliveira. Epistemologias do Sul: Pensamento Social e Político em/desde/para América Latina, Caribe, África e Ásia, v.1, n. 1, Foz do Iguaçu/PR: Universidade Federal da Integração Latino-Americana, p. 12-32. 2017. Disponível em: https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/view/772/645. Acesso em: 27 mar. 2018.

ORTEGA, Francisco. Para uma política da amizade. Arendt, Derrida, Foucault. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

PALERMO, Zulma. Para una pedagogia decolonial. 1 ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2014. (El desprendimento / Walter Mignolo).

PALERMO, Zulma; QUINTERO, Pablo. “La matriz colonial de poder en diálogo”. In: PALERMO, Zulma. Para una pedagogia decolonial. 1 ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2014a. (El desprendimento / Walter Mignolo), p. 21-57.

QUIJANO, Aníbal. “Colonialidad y modemidad/racionalidad”. In: Perú Indígena, 13, 29, 1992, p. 1-20. Disponível em: https://www.lavaca.org/wpcontent/uploads/2016/04/quijano.pdf. Acesso em: 08 de jul. 2018.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v6i10.244891

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Marcos Antônio Bessa OLIVEIRA

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.