Agência e interseccionalidade em quadra: inquietações sobre escolas e diferenças em Mato Grosso do Sul

Tiago DUQUE, Esmael Alves de OLIVEIRA, Simone BECKER

Resumo


RESUMO

As inquietações aqui apresentadas foram suscitadas a partir de duas pesquisas em contextos e temporalidades distintas e que atravessam a trajetória dos autores no Mato Grosso do Sul. A primeira deu-se em decorrência dos diálogos travados por um dos autores com jovens efeminadas (gays, travestis, transexuais) na cidade de Corumbá-MS, na fronteira com a Bolívia. A segunda, foi resultado do diálogo de dois dos autores com jovens indígenas Kaiowá da Terra Indígena (TI) de Panambizinho, localizada a aproximadamente 20km de Dourados-MS, no distrito de Panambi. Por meio de uma perspectiva interdisciplinar, sustentada numa análise qualitativa, intenta-se refletir sobre os dilemas e possibilidades que cercam a relação entre minorias e a escola na contemporaneidade a partir de um ponto de vista interseccional. Como resultado, a compreensão de que se a escola continua em vários momentos a se produzir como um espaço de docilização de corpos e subjetividades, de outro, a constante capacidade de negociação e agenciamento dos sujeitos que a enredam.

Escola. Marcadores sociais. Minorias. Agenciamentos.

 

Agency and intersectionality in court: concerns about schools and differences in Mato Grosso do Sul

ABSTRACT

The concerns presented here were raised from two researches in different contexts and temporalities that cross the trajectory of the authors in Mato Grosso do Sul. The first occurred as a result of the dialogues carried out by one of the authors with effeminate young people (gays, transvestites), transsexuals) in the city of Corumbá-MS, on the border with Bolivia. The second was the result of the dialogue between two of the authors with young Kaiowá indigenous people from the Indigenous Land (TI) of Panambizinho, located approximately 20km from Dourados-MS, in the Panambi district. Through an interdisciplinary, sustained perspective in a qualitative analysis, we intend to reflect on the dilemmas and possibilities that surround the relationship between minorities and the school in contemporary times from an intersectional point of view. As a result, the understanding that if the school continues at various times to produce itself as a space for the docilization of bodies and subjectivities, on the other, the constant capacity for negotiation and agency of the subjects who enmesh it.

School. Social markers. Minorities. Agency.

 

Agencia e interseccionalidad en la corte: preocupaciones por las escuelas y diferencias en Mato Grosso do Sul

RESUMEN

Las inquietudes presentadas aquí han sido planteadas por dos investigaciones en diferentes contextos y temporalidades que cruzan la trayectoria de los autores en Mato Grosso do Sul, travestis, transexuales) en la ciudad de Corumbá-MS, en la frontera con Bolivia. El segundo fue el resultado del diálogo entre dos autores con el joven indígena Kaiowá de la Tierra Indígena (TI) de Panambizinho, ubicado a unos 20 km de Dourados-MS, en el distrito de Panambi. Mediante una perspectiva interdisciplinaria, respaldada por un análisis cualitativo, pretendemos reflexionar sobre los dilemas y las posibilidades que rodean la relación entre las minorías y la escuela en los tiempos contemporáneos desde un punto de vista interseccional. En consecuencia, el entendimiento de que si la escuela continúa produciéndose en varias ocasiones como un espacio para la docilización de cuerpos y subjetividades, por otro lado, la constante capacidad de negociación y agencia de los sujetos que la involucran.

Escuela. Indicadores sociales. Minorías. Agencia.

 

Agenzia e intersezionalità in tribunale: preoccupazioni per le scuole e differenze nel Mato Grosso do Sul

SINTESE

Le preoccupazioni qui presentate sono state sollevate da due ricerche in contesti e temporalità diversi che attraversano la traiettoria degli autori nel Mato Grosso do Sul. , travestiti, transessuali) nella città di Corumbá-MS, al confine con la Bolivia. Il secondo è stato il risultato del dialogo tra due autori con i giovani indigeni Kaiowá della Terra indigena (TI) di Panambizinho, situato a circa 20 km da Dourados-MS, nel distretto di Panambi. Attraverso una prospettiva interdisciplinare, supportata da un'analisi qualitativa, intendiamo riflettere sui dilemmi e sulle possibilità che circondano la relazione tra le minoranze e la scuola nei tempi contemporanei da un punto di vista intersezionale. Di conseguenza, la comprensione che se la scuola continua in varie occasioni a prodursi come spazio per la docilizzazione di corpi e soggettività, dall'altra la costante capacità di negoziazione e di agenzia delle materie che la coinvolgono.

Cuola. Indicatori sociali. Minoranze. Agenzia.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Rogério de; BECKER, Simone. E a chaminé? Relatos etnográficos sobre políticas públicas e a terra indígena (TI) de Panambizinho. Espaço Ameríndio (UFRGS), v. 7, p. 172-204, 2013.

BECKER, Simone; OLIVEIRA, Esmael Alves de; CAMPOS, Marcelo da Silveira. “Onde fala a bala, cala a fala”. Disponível em: http://brasildebate.com.br/guarani-kaiowa-onde-fala-a-bala-cala-a-fala/. Acesso em: jul. 2016.

BECKER, Simone; OLIVEIRA, Esmael Alves de; MARTINS, Cátia Paranhos. “Onde fala a bala, cala a fala”: resistências às políticas da bancada da bala, do Boi e da Bíblia em MS. Disponível em: http://encenasaudemental.net/post-destaque/onde-fala-a-bala-cala-a-fala-resistencias-as-politicas-da-bancada-da-bala-do-boi-e-da-biblia-em-ms/. Acesso em: jul. 2016.

BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas, volume 1. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

BENJAMIN, Walter. O narrador. In: BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 2. ed. v. 1. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BONDIA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, abr. 2002. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2020.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, 26, p. 329-376, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2020.

BUTLER, Judith. A vida psíquica do poder: Teorias da sujeição. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

BUTLER, Judith. Conversando sobre psicanálise: entrevista com Judith Butler. Entrevista concedida a Patrícia Porchat Pereira da Silva Kunudsen. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.18, n.1, p. 161-170, 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2020.

BUTLER, Judith. Condição humana contra “natureza”. Diálogo com Adriana Cavarero. Revista Estudos Feministas. vol.15, n.3, p. 650-662, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2020.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero, Estudos feministas, 1, p.171-189, 2002. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf>. Acesso em: 26 fev. 2020.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Cultura com aspas. São Paulo: Cosac& Naify, 2009.

DELEUZE, Gilles; GUATARRI, Félix. Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia. V. I. São Paulo: Ed. 34, 1995.

DUQUE, T. “Lá não tem gay”: fronteira e relações de vizinhança envolvendo gêneros dissidentes e sexualidades disparatadas em Corumbá (MS). MNEME, v. 18, p. 111-124, 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2020.

FERNANDES, Sanderson Fardim. As trajetórias de "jovens trans" na fronteira Brasil/Bolívia: (in)visibilidade nas escolas públicas de Corumbá (MS). Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2018.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: A vontade de saber. Rio de Janeiro, Edições Graal, 2007.

FOUCAULT, Michel. Aula de 17 de março. In: FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu (org.) Identidade e diferença – a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 103-133.

MACHADO, José Pedro. Dicionário etimológico da língua portuguesa. s/l: Editorial Confluência, 1967.

MILAN, Ezequias Freire. Dos “professores de verdade” às “crianças laudadas” do “condomínio que ninguém entra”: Etnografia em espaços reprodutores de práticas necropolíticas e de (re)existência em Dourados/MS. Dissertação (Mestrado em ANTROPOLOGIA) - Universidade Federal da Grande Dourados, 2019.

MISKOLCI, Richard. Desejos digitais: uma análise sociológica da busca por parceiros on-line. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

NEVES, Alexandre Aldo; FERRAZ, Claudio Benito O. Cinema no Pantanal: construindo uma paisagem a partir das imagens. In: MORETTI, Edvaldo Cesar; BANDUCCI JUNIOR, Alvaro. (Orgs). Pantanal: territorialidades, culturas e diversidade. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2012. p. 173-199.

OCTAVIO, Ianni. A questão nacional na América Latina. Estudos Avançados, vol. 2, n 2, São Paulo, p. 5-40, 1988. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2020.

OLIVEIRA, Marco Aurélio Machado de; CAMPOS, Davi Lopes. Migrantes e fronteira: lógicas subversivas, vidas referidas. In: PEREIRA, Jacira Helena do Valle; OLIVEIRA, Marco Aurélio Machado de (orgs.). Migração e integração: resultados de pesquisa em Mato Grosso do Sul. Dourados: Editora UFGD, 2012. p. 17-37.

OLIVEIRA, Esmael Alves de; MARTINS, Catia Paranhos. Sobre Práticas de Medicalização e “Loucura”: Algumas Reflexões In(disciplinadas). Revista Psicologia e Saúde, v. 12, p. 101-113, 2020.

ORTNER, Sherry. Poder e Projetos: reflexões sobre a agência. GROSSI, Miriam et al. (Org.). Conferências e Diálogos: saberes e práticas antropológicas. Brasília: ABA/ Nova Letra, 2007. p. 45-80.

PASSAMANI, Guilherme Rodrigues. Batalha de Confete: envelhecimento, condutas homossexuais e regime de visibilidade no Pantanal-MS. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens, 2018.

PELBART, Peter Pal. Políticas da vida, produção do comum e a vida em jogo... Saúde Soc. São Paulo, v.24, supl.1, p.19-26, 2015.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura. vol.11, n. 2, p. 263-274, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2020.

PRECIADO, Paul. La isquierda bajo la piel: um prólogo para Suely Rolnik. In: ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: Notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n1 Edições, 2018.

ROSE, Nikolas. A governamentalidade e a história da escola moderna: outras conexões investigativas. Educação & Realidade, n. 34, v. 2, p 97-117. 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2020.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v6i10.244904

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Tiago DUQUE, Esmael Alves de OLIVEIRA, Simone BECKER

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.