Dilemas sobre futuro e escola: narrativas etnográficas de jovens estudantes

Luís Paulo Cruz BORGES

Resumo


RESUMO

A relação dos jovens estudantes do Ensino Médio com o futuro e a escola é objeto de estudo do presente artigo. Pauta-se na abordagem etnográfica, situada na fronteira entre a antropologia e a educação. Foram utilizados o caderno de campo, notas etnográficas, entrevistas, fotografias, observação participante e produções textuais como formas de apreender um recorte da realidade social. Articulam-se categorias como conhecimento escolar e juventudes privilegiando uma abordagem pós-crítica e pós-colonial para pensar o futuro e seus sujeitos. Opera-se numa lógica de que há uma polifonia nas vozes discentes que podem ser escutadas, como forma de uma produção curricular, pensando os dissensos como caminhos possíveis, a partir da ideia de juventudes em trânsito, abordando a relação dos jovens com seus processos educacionais tendo como horizonte o futuro. Este artigo apresenta a ideia do futuro como uma categoria etnográfica, sendo esta uma dimensão criadora dos modos de subjetivação e diferença.

Futuro/escola. Etnografia. Jovens.

 


Dilemmas about future and school: ethnographic narratives of young students

ABSTRACT

The relationship of young high school students with the future and the school is the object of study of this article. It is based on the ethnographic approach, situated on the border between anthropology and education. Thus, the field notebook, ethnographic notes, interviews, photographs, participant observation and textual productions were used as ways of apprehending a cut of social reality. Categories such as school knowledge and youths are articulated, favoring a post-critical and post-colonial approach to thinking about the future and its subjects. It operates on the logic that there is a polyphony in student voices that can be heard as a form of curriculum production thinking dissent as possible paths from the idea of youths in transit addressing the relationship of young people with their educational processes with the horizon future. This article presents the idea of the future as an ethnographic category and this is a creative dimension of the modes of subjectivation and difference. 

Future/school. Ethnography. Young.

 


Dilemas sobre el futuro y la escuela: narraciones etnográficas de jóvenes estudiantes

RESUMEN

La relación de los jóvenes estudiantes de secundaria con el futuro y la escuela es el tema de este artículo. Se guía por el enfoque etnográfico, situado en la frontera entre antropología y educación. El cuaderno de campo, las notas etnográficas, las entrevistas, las fotografías, la observación participante y las producciones textuales se utilizaron como formas de comprender un resumen de la realidad social. Categorías como el conocimiento escolar y la juventud están articuladas, privilegiando un enfoque postcrítico y postcolonial para pensar sobre el futuro y sus temas. Funciona con la lógica de que existe una polifonía en las voces de los estudiantes que se puede escuchar, como una forma de producción curricular, pensando en la disidencia como posibles caminos, desde la idea de los jóvenes en tránsito, abordando la relación de los jóvenes con sus procesos educativos. mirando hacia el futuro Este artículo presenta la idea del futuro como una categoría etnográfica, que es una dimensión creativa de los modos de subjetividad y diferencia.

Futuro / escuela. Etnografía. Gente joven.

 


Dilemmi sul futuro e sulla scuola: narrazioni etnografiche di giovani studenti

SINTESE

La relazione dei giovani studenti delle scuole superiori con il futuro e la scuola è l'oggetto di questo articolo. È guidato dall'approccio etnografico, situato al confine tra antropologia ed educazione. Il quaderno di campo, le note etnografiche, le interviste, le fotografie, l'osservazione dei partecipanti e le produzioni testuali sono stati usati come modi per comprendere uno schema della realtà sociale. Categorie come la conoscenza scolastica e la gioventù sono articolate, privilegiando un approccio post-critico e post-coloniale a pensare al futuro e alle sue materie. Funziona secondo una logica secondo cui esiste una polifonia nelle voci degli studenti che può essere ascoltata, come una forma di produzione curricolare, pensando al dissenso come possibili percorsi, dall'idea dei giovani in transito, affrontando il rapporto dei giovani con i loro processi educativi guardando al futuro. Questo articolo presenta l'idea del futuro come una categoria etnografica, che è una dimensione creativa delle modalità di soggettività e differenza. 

Futuro / scuola. Etnografia. Giovani.



Texto completo:

PDF

Referências


APPADURAI, A. O medo do pequeno número: ensaio sobre a geografia da raiva. São Paulo: Ed. Iluminuras: Itaú Cultural, 2009.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BHABHA, H. O Bazar Global e o Clube dos Cavaleiros Ingleses. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2011.

BORGES, L.P.C. O futuro da escola: uma etnografia sobre a relação dos jovens com o conhecimento escolar. 2018. 151 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

CANÁRIO, R. A escola tem futuro? das promessas às incertezas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

CARVALHO, J. J. O olhar etnográfico e a voz subalterna. Revista Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 07, n. 15, p. 107-147, 2001.

CASTRO, P. A de. Tornar-se aluno: identidade e pertencimento – um estudo etnográfico. 2011. 157f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011, p. 158.

COSTA, M.V. A escola tem futuro? 2 ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

FIGUEIREDO, I de L. Procedimentos de tematização e figuratização na produção textual de alunos de terceiro grau. Revista do GELNE. Ano 01, n. 01, p. 49-51, 1999.

FONTOURA, H. A. Formando Professores que aprendem a partir dos relatos: uma experiência da Faculdade de Formação de Professores (FFP) da UERJ. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, vol. 17, n. 29, p. 137-146, 2008.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 1986.

MATTOS, C. L. G de. Etnografia crítica de sala de aula: o professor pesquisador e o pesquisador professor em colaboração. 17ª REUNIÃO ANUAL DA ANPED, Caxambu/MG, 1994.

MATTOS, C. L. G de. (coord.) Imagens da Exclusão. Projeto de Pesquisa. Rio de Janeiro, Departamento de Educação, UERJ, 2002.

MATTOS, C. L. G. ALVES, W. B. Outros saberes sobre a escola: a voz do aluno na pesquisa em educação. In: Maria do Socorro Lucena Lima; Maria Marina Dias Cavalcante; José Albio Morreira de Sales; Isabel Maria Sabino de Farias. (Org.). Didática e prática de ensino na relação com a escola. 1ed.Fortaleza: EdUECE, 2015, v. 1, p. 03435-03446.

PAIS, J. Buscas de si: expressividades e identidades juvenis. In: ALMEIDA, M. I. M; EUGENIA, F. (Orgs.) Culturas jovens: novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: Zahar, p. 07-24, 2006.

PEIRANO, M. Etnografia não é método. PEIRANO, M. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, 20(42): 377-391, 2014.

PEREIRA-TOSTA, S. Antropologia e educação: culturas e identidades na escola. Magis, Revista Internacional de Investigación en Educación, 3 (6), 413-431, 2011.

PINAR, W. Estudos curriculares: ensaios selecionados. São Paulo: Cortez, 2016.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v6i10.244920

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Luís Paulo Cruz BORGES

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.