Inteligência Emocional: Educação Integral para o Exercício da Cidadania

Gisele Reinaldo da SILVA, Gabrielle Bloomfield de SOUSA

Resumo


Este artigo estuda a Inteligência Emocional como pilar de práticas pedagógicas que fomentem a formação integral de estudantes, para além de conteudismos, de modo a prepará-los para o exercício da cidadania. Partiu-se de uma metodologia qualitativa e bibliográfica, cujo critério de seleção textual pautou-se na relevância temática de artigos, sobretudo, da plataforma SciELO, além de livros de autores especialistas na área. Objetiva-se conceituar Inteligência Emocional, justificar a urgência de sua presença no cenário atual, através da verificação de números de crianças e jovens em idade escolar que têm sido acometidos por diversas doenças psicossomáticas e salientar a necessidade de uma docência que se preocupe em desenvolver competências socioemocionais. Desta forma, a pesquisa contribui para que a escola seja agente de transformação por meio da apropriação da formação socioemocional, de modo a ressignificar seu papel social e proporcionar ação preventiva à incidência de doenças psicossomáticas em jovens e adultos brasileiros.

Inteligência Emocional. Cidadania. Práticas Pedagógicas. Transtornos Mentais Comuns.


ABSTRACT

This article studies Emotional Intelligence as a pillar of pedagogical practices that promote the integral training of students, beyond content, in order to prepare them for the exercise of citizenship. It was based on a qualitative and bibliographic methodology, whose textual selection criterion was based on the thematic relevance of articles, especially on the SciELO platform, in addition to books by authors specialized in the field. The objective is to conceptualize Emotional Intelligence, justify the urgency of its presence in the current scenario, by verifying the numbers of school-age children and young people who have been affected by various psychosomatic diseases and to emphasize the need of a teaching that is committed with developing socioemotional skills. In this way, the research contributes for the school to be an agent of transformation through the appropriation of socioemotional training, in order to reframe it’s social role and provide preventive action to the incidence of psychosomatic diseases in young people and adults in Brazil. 

Emotional Intelligence. Citizenship. Pedagogical Practices. Common Mental Disorders.


RESUMEN

Este artículo estudia la Inteligencia Emocional como un pilar de prácticas pedagógicas que fomentan la formación integral de los estudiantes, más allá del contenido, para prepararlos para el ejercicio de la ciudadanía. Se basó en una metodología cualitativa y bibliográfica, cuyo criterio de selección textual se basó en la relevancia temática de los artículos, especialmente en la plataforma Scielo, además de libros de autores especializados en el área. El objetivo es conceptualizar la Inteligencia Emocional, justificar la urgencia de su presencia en el escenario actual, verificando el número de niños y jóvenes en edad escolar que han sido afectados por diversas enfermedades psicosomáticas y enfatizar la necesidad de enseñar sobre el desarrollo de habilidades socioemocionales. De esta manera, la investigación contribuye a que la escuela sea un agente de transformación a través de la apropiación de la formación socioemocional, con el fin de replantear su papel social y proporcionar medidas preventivas a la incidencia de enfermedades psicosomáticas en jóvenes y adultos brasileños.

Inteligencia Emocional. Ciudadanía. Prácticas Pedagógicas. Trastornos Mentales Comunes.


RIASSUNTO

Questo articolo studia l'intelligenza emotiva come un pilastro delle pratiche pedagogiche che incoraggiano la formazione integrale degli studenti, oltre ai contenuti, al fine di prepararli all'esercizio della cittadinanza. Si basava su una metodologia qualitativa e bibliografica, il cui criterio di selezione testuale era basato sulla pertinenza tematica degli articoli, soprattutto, sulla piattaforma SciELO, oltre ai libri di autori specializzati nel settore. L'obiettivo è concettualizzare l'intelligenza emotiva, giustificare l'urgenza della sua presenza nello scenario attuale, verificando il numero di bambini e giovani in età scolare che sono stati colpiti da varie malattie psicosomatiche e sottolineare la necessità di insegnare che si occupano di sviluppare abilità socioemotional. In questo modo, la ricerca contribuisce a rendere la scuola un agente di trasformazione attraverso l'appropriazione della formazione socio-emotiva, al fine di riformulare il suo ruolo sociale e fornire azioni preventive all'incidenza delle malattie psicosomatiche nei giovani e negli adulti in Brasile. 

Intelligenza Emotiva. Cittadinanza. Pratiche Pedagogiche. Disturbi Mentali Comuni.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. A arte de produzir fome. Folha de São Paulo, vol. 29, n. 10, 2002.

BRASIL. Constituição Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 15 set 2019.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: Acesso em: 15 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2016. Disponível em: Acesso em: 15 set. 2019.

CHABOT, Daniel; CHABOT, Michel. Pedagogia emocional: sentir para aprender. São Paulo, Sá, 2005.

CURY, Augusto. Pais brilhantes, professores fascinantes. Rio de Janeiro, Sextante, 2003.

DAMÁSIO, António. A estranha ordem das coisas: a vida, os sentimentos e as culturas humanas. Lisboa, Círculo de Leitores, 2017.

GARDNER, Howard; VERONESE, Maria Adriana Veríssimo. Inteligências múltiplas: a teoria na prática. 1995.

GOLDBERG, David P.; HUXLEY, Peter. Common mental disorders: a bio-social model. Londres, Routledge, 1992.

GOLEMAN, Daniel. Inteligência Emocional: a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. Rio de Janeiro, Objetiva, 1996.

MAYER, John D.; DIPAOLO, Maria; SALOVEY, Peter. Perceiving affective content in ambiguous visual stimuli: A component of emotional intelligence. Journal of personality assessment, v. 54, n. 3-4, p. 772-781, 1990. Disponível em: https://doi.org/10.1080/00223891.1990.9674037. Acesso em: 1 ago. 2019.

MAYER, John D.; DIPAOLO, Maria; SALOVEY, Peter. Emotional intelligence. Imagination, cognition and personality, SAGE Journals, v. 9, n. 3, p. 185-211, 1990. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.2190/DUGG-P24E-52WK6CDG. Acesso em: 20 jul 2019.

MAYER John, CARUSO, David. MSCEIT: Mayer-salovey-caruso emotional intelligence test. Toronto, Multi-Health Systems, 2002.

ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICOS (OCDE). Compreendendo o cérebro: rumo a uma nova ciência do aprendizado. São Paulo: Senac, 2003. PATEL, Vikram et al.. Mental health of young people: a global public-health challenge. The Lancet Journal, v. 369, n. 9569, p. 1302-1313, 2007. Disponível em: Acesso em: 01 ago. 2019.

POSSEBON, Elisa Gonsalves. Educação emocional: aplicações. João Pessoa: Libellus Editorial, 2018.

POSSEBON, Elisa Gonsalves; POSSEBON, Fabrício. DESCOBRIR O AFETO: Uma Proposta de Educação Emocional na Escola. Revista Contexto & Educação, v. 35, n. 110, p. 163-186, 2020. Disponível em: Acesso em: 30 maio 2020.

THORNDIKE, E.L. (1920). Intelligence and its use. Harper's Magazine, 140, 227–235. Disponível em: https://psycnet.apa.org/record/1920-10067-001. Acesso em: 19 Set 2019.

TORO, Rolando. Biodanza. Santiago: Cuarto Próprio, 2009.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Depression and other common mental disorders: global health estimates. Geneva, 2017. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/254610/WHO-MSD-MER-2017.2eng.pdf. Acesso em: 02 ago 2019.

WOYCIEKOSKI, Carla; HUTZ, Claudio Simon. Inteligência emocional: teoria, pesquisa, medida, aplicações e controvérsias. em Psicologia: reflexão e crítica. Porto Alegre. Vol. 22, n. 1, p. 1-11, 2009. Disponível em: Acesso em: 20 set 2019.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v6i11.247753

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Gisele Reinaldo da SILVA, Gabrielle Bloomfield de SOUSA

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.