Contação de Histórias e Educação Etnicorracial: um Convite a Mulheres Negras

Kathleen Kate Dominguez AGUIRRE, Cassiane de Freitas PAIXÃO

Resumo


RESUMO

Neste trabalho temos por objetivo analisar representações excludentes reproduzidas nos espaços escolares, a partir das categorias raça, pobreza, perspectivas de mundo e futuro, relacionando narrativas autobiográficas de três mulheres negras aos dados coletados em agosto de 2016, durante encontros de contação de histórias de temática afro-brasileira com crianças da Escola Alcides Barcelos, no Bairro Getúlio Vargas, retrato da exclusão social e racial da cidade do Rio Grande/RS. Baseamo-nos em debates teóricos sobre exclusão, processos de representação social e educação etnicorracial, para então realizar a investigação no espaço escolar. Concluímos que não é suficiente acreditar numa transformação social através da Escola, visto que ela serve a ordem dominante e reproduz representações sociais e raciais excludentes com vistas à sua manutenção. Contudo, acreditamos que é possível que os agentes sociais produzam uma reeducação das relações etnicorraciais através de experiências no cotidiano escolar e do ensino de História.

Mulheres negras. Educação Enticorracial. Escola.


ABSTRACT

In this paper we aim to identify exclusionary representations reproduced in the school space, from the subjects of race, poverty, perspectives of the world and future, relating autobiographical narratives of three black women to data collected in august 2016, during african-brazilian storytelling meetings with children at the Alcides Barcelos School in the Getúlio Vargas Neighborhood, portrait of the social and racial exclusion of the city of Rio Grande/RS. We are based on the theory discussion about exclusion, processes of social representation and ethno-racial education, in order to carry out practical research in the school space. We conclude that it is not enough to believe in a social transformation through the school, since it serves the dominant order and reproduces social and racial representations with a view to its maintenance. However, we believe that it is possible for social agents to produce a re-education of ethno-racial relations through experiences of daily school life and teaching History.

Black Women. Ethnico-racial Education. School.


RESUMEN

En este trabajo pretendemos analizar las representaciones excluyentes reproducidas en los espacios escolares, desde las categorías raza, pobreza, perspectivas del mundo y el futuro, relacionando las narrativas autobiográficas de tres mujeres negras con los datos recogidos en agosto de 2016, durante los encuentros de narración de historias  con temática afrobrasileña con niños de la escuela Alcides Barcelos, en el barrio Getúlio Vargas, un retrato de la exclusión social y racial en la ciudad de Rio Grande / RS. Nos basamos en debates teóricos sobre exclusión, procesos de representación social y educación etno-racial, para luego realizar la investigación en el espacio escolar. Concluimos que no basta creer en una transformación social a través de la Escuela, ya que ésta sirve al orden dominante y reproduce representaciones sociales y raciales excluyentes produciendo su mantenimiento. Sin embargo, creemos que es posible que los agentes sociales produzcan una reeducación de las relaciones étnico-raciales a través de experiencias en la rutina escolar y en la enseñanza de Historia.

Mujeres Negras. Educación Enticorracial. Escuela.


SOMMARIO

In questo lavoro si intende analizzare le rappresentazioni esclusive riprodotte negli spazi scolastici, dalle categorie di razza, povertà, prospettive del mondo e futuro, mettendo in relazione le narrazioni autobiografiche di tre donne nere con i dati raccolti nell'agosto 2016, durante gli incontri Narrazione a tema afro-brasiliano con i bambini della scuola Alcides Barcelos, nel quartiere di Getúlio Vargas, un ritratto dell'esclusione sociale e razziale nella città di Rio Grande / RS. Ci siamo basati su dibattiti teorici sull'esclusione, sui processi di rappresentanza sociale e sull'educazione etnico-razziale, per poi svolgere la ricerca nello spazio scolastico. Concludiamo che non basta credere in una trasformazione sociale attraverso la Scuola, poiché essa serve l'ordine dominante e riproduce rappresentazioni sociali e razziali esclusive, producendone il mantenimento. Tuttavia, crediamo che sia possibile che gli agenti sociali producano una rieducazione delle relazioni etnico-razziali attraverso esperienze nella routine scolastica e nell'insegnamento della Storia.

Donne nere. Educazione etnico-razziale. Scuola.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUIRRE, Kathleen Kate Dominguez Aguirre. Entre a História ensinada e a reprodução de representações excludentes. Dissertação (mestrado). Programa de Pós Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Rio Grande, RS, 2017.

BOURDIEU, Pierre. CHAMPAGNE, P. Os excluídos do interior. In.: BOURDIEU, Pierre. A miséria do mundo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BOURDIEU, Pierre.; & CHARTIER, Roger. O sociólogo e o historiador. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2011.

CARDOSO, Lourenço. Branquitude acrítica e crítica: a supremacia racial e o branco antiracista. In.: Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñes e Juventud (Vol. 8 n. 1. Ene-Jun 2010. Disponível em http://biblioteca.clacso.edu.ar/Colombia/alianza-cinde-umz/20131216065611/art.LourencoCardoso.pdf. Acesso em: 20 jul 2020.

CHARTIER, Roger. Historia intelectual e historia de las mentalidades. Trayectoria y preguntas. In.: CHARTIER, Roger. El mundo como representación. Estudios sobre historia cultural. Barcelona: Gedisa Editorial, 2009.

COSTA, Madu. Meninas Negras. Belo Horizonte, Mazza Edições, 2010.

FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. São Paulo: Global, 2007.

GOMES, Nilma Lino. Betina. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2009.

MOORE, Carlos Wedderburn. O racismo através da história: da antiguidade à modernidade. Salvador: Instituto Cultural Steve Biko, 2007.

MUNANGA, Kabengele. Superando o Racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

PINHEIRO, Adevanir Aparecida. O espelho quebrado da branquidade: aspectos de um debate intelectual, acadêmico e militante. São Leopoldo, Casa Leira, 2014.

ROSA, Sonia. O menino Nito. Rio de Janeiro: Pallas, 2008.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Sim, nós somos racistas: estudo psicossocial da branquitude paulistana. In.: Psicologia e Sociedade, 26, 83-94. 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/psoc/v26n1/10.pdf. Acesso em 20 jul 2020.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais. In.: Educação, Porto Alegre/RS, ano 2007, n.3 (63), P.489-506. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/download/2745/2092 .

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

SOUZA, Solange Gigin Roeles de. Ensino de História e cultura afrobrasileira e africana através dos contos africanos. Monografia (Especialização) - Pós Graduação em Educação: Métodos e Técnicas de Ensino, Modalidade de Ensino a Distância, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2012.

ZIVIANI, Denise. A cor das palavras: a alfabetização de crianças negras entre os estigmas e a transformação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. 256 p.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v6i12.248995

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Kathleen Kate Dominguez AGUIRRE, Cassiane de Freitas PAIXÃO

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.