Programa Trajetórias Criativas: Perspectivas para jovens em atraso escolar na educação pública

Fabiano Soria VAZ, Liliane Madruga PRESTES

Resumo


O atraso escolar atinge milhões de brasileiros em famílias de baixa renda, sendo a população com 15 a 17 anos a mais vulnerável. Diante deste cenário foi desenvolvido o Programa Trajetórias Criativas, que passou a atender jovens retidos no Ensino Fundamental em escolas públicas de Porto Alegre e região metropolitana. Este estudo buscou analisar produções teóricas sobre juventudes e escolarização desenvolvidas por autores/as como Dayrell (2007), Pais (2006), Carrano (2011), Arroyo (2013), Frigotto (2015), articulando-as a dados estatísticos (IBGE, INEP) e relacionando com experiências compartilhadas no referido programa desde 2012. Utilizou-se metodologia qualitativa, através da revisão de produções científicas disponibilizadas em repositórios digitais. Na sequência, filtrou-se os dados utilizando os descritores: juventudes, educação profissional, mundo do trabalho e Trajetórias Criativas. Como resultado, ressalta-se que tais pesquisas apontam subsídios teóricos e metodológicos para o aprimoramento das ações deste e de outros programas enquanto políticas de inclusão das juventudes no contexto escolar.

Juventudes. Programa Trajetórias Criativas. Políticas de inclusão. Mundo do trabalho.

 

 

ABSTRACT

School delay affects millions of Brazilians in low-income families, with the population 15 to 17 being more vulnerable. In view of this scenario, the Creative Trajectories Program was developed, which began to serve young people withheld in elementary school in public schools in Porto Alegre and metropolitan region. This study aimed to analyze theoretical productions on youth and schooling developed by authors such as Dayrell (2007), Pais (2006), Carrano (2011), Arroyo (2013), Frigotto (2015), articulating them to statistical data (IBGE, INEP) and relating to experiences shared in this program since 2012. Qualitative methodology was used, through the review of scientific productions made available in digital repositories. Subsequently, the data was filtered using the descriptors: youth, professional education, world of work and Creative Trajectories. As a result, it is emphasized that these studies point to theoretical and methodological subsidies for the improvement of the actions of this and other programs as policies for the inclusion of youths in the school context.

Youths. Creative Trajectories Program. Inclusion Policies. World of work.


RESUMEN

 

El retraso escolar afecta a millones de brasileños en familias de bajos ingresos, siendo la población de 15 a 17 años la más vulnerable. Ante este escenario, se desarrolló el Programa Trayectorias Creativas, que comenzó a atender a los jóvenes retenidos en la educación básica en las escuelas públicas de Porto Alegre y la Región Metropolitana. Este estudio buscó analizar producciones teóricas sobre juventud y escolarización desarrolladas por autores como Dayrell (2007), Pais (2006), Carrano (2011), Arroyo (2013), Frigotto (2015), articulándolos con datos estadísticos (IBGE, INEP) y relativo a experiencias compartidas en el referido programa desde 2012. Se utilizó metodología cualitativa, mediante la revisión de producciones científicas puestas a disposición en repositorios digitales. Definido lo anterior, se filtraron datos utilizando los descriptores: juventud, formación profesional, mundo laboral y trayectorias creativas. Como resultado, se enfatiza que dicha investigación apunta a subsidios teóricos y metodológicos para el mejoramiento de las acciones de este y otros programas como políticas para la inclusión de los jóvenes en el contexto escolar.

Juventud. Programa de Trayectorias Creativas. Políticas de inclusión. Mundo del trabajo.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Ronaldo M. L.; FRIGOTTO, G. Práticas pedagógicas e ensino integrado. Revista Educação em Questão, v. 52, n. 38, p. 61–80, 2015.

ARROYO, Miguel G. Currículo, território em disputa. 5ª ed. Petrópolis/RJ, Vozes, 2013.

ARROYO, Miguel G. Políticas educacionais e desigualdades: à procura de novos significados. Educação & Sociedade. Campinas/SP: CEDES, v. 31, nº 113, p. 1381 – 1415, out./dez., 2010.

BRASIL. Constituição (1988) Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/emc59.htm. Acesso em: 21.02.2020

BRASIL. Lei nº 12.852, de 05 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude - SINAJUVE. Casa Civil da Presidência da República, 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm. Acesso em: 03.01.2020

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Casa Civil da Presidência da República, 1996. 2014a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm. Acesso em: 23.11.2019

BRASIL, Ministério da educação. Trajetórias criativas: jovens de 15 a 17 anos no ensino fundamental: uma proposta metodológica que promove autoria, criação, protagonismo e autonomia: caderno 1. Brasília: Ministério da Educação, 2014b. Disponível em: https://www.ufrgs.br/trajetoriascriativas/publicacoes/. Acesso em: 23.11.2019

CARRANO, Paulo César Rodrigues. MARTINS, Carlos Henrique dos Santos. A escola diante das culturas juvenis: reconhecer para dialogar. Revista do Centro de Educação, vol. 36, núm. 1, janeiro-abril, 2011, pp. 43-56. UFSM. Santa Maria, RS.

DAYRELL, Juarez. A escola “faz“ as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Campinas: Educação e Sociedade, vol.28, n.100, p. 1105-1128, out. 2007.

DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 24, p. 40-52, Set /Out /Nov /Dez 2003.

DAYRELL, J. NOGUEIRA, P H Q. MIRANDA, S A. Os Jovens de 15 a 17 anos: Características e Especificidades Educativas. In: BRASIL, Ministério da Educação. Caderno de Reflexões – Jovens de 15 a 17 Anos no Ensino Fundamental. p. 15-61. Brasília: Via Comunicação. 2011.

FARIAS, Stela Maris Vaucher. Trabalho coletivo e autonomia de professores: concepções e valores em construção no projeto de extensão Trajetórias Criativas. Porto Alegre: UFRGS, 2017. 233 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2017.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Concepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médio. In: FRIGOTTO, CIAVATTA e RAMOS (Orgs). Ensino Médio Integrado – Concepções e contradições. p. 57-82. São Paulo: Cortez, 2005.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Portal Brasil em Síntese: dados 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/alvorada/panorama Acesso em 25.06.2019.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar 2018 – Notas Estatísticas. Brasília, Distrito Federal, 2018. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2018/notas_estatisticas_censo_escolar_2018.pdf Acesso em: 21.11.2019

INEP - Indicadores Educacionais. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/indicadores-educacionais. Acesso em 25.06.2019.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do 1º ciclo de monitoramento das metas do PNE: 2014-2016. Brasília, DF: Inep, 2016. Disponível em:http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/626732. Acesso em 25.06.2019.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do 2º ciclo de monitoramento das metas do PNE: 2018. Brasília, DF: Inep, 2018. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/6725829 Acesso em: 22 nov. 2019

INEP. Relatório Linha de Base 2018 / INEP. Disponível em: http://simec.mec.gov.br/pde/grafico_pne.php. Acesso em 25.06.2019.

INEP. Sinopse Estatística da Educação Básica 2018. Brasília: Inep, 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em 23 nov, 2019

PAIS, José Machado. Culturas Juvenis. Buscas de si: expressividades e identidades juvenis. In: ALMEIDA, Maria Isabel Mendes. EUGENIO, Fernanda. (orgs). Culturas jovens. Novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006. P. 7-21.

RAMOS, Marise. Ensino Médio Integrado: ciência, trabalho e cultura na relação entre educação profissional e educação básica. In: MOLL, Jaqueline et al. Educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. p. 42-57. Porto Alegre: Artmed, 2010.

RUMMERT, Sônia. Educação de jovens e adultos trabalhadores no Brasil atual: do simulacro à emancipação. Perspectiva. Dossiê: trabalho, Movimentos Sociais e Educação. Florianópolis: NUP/CED/UFSC, v. 26, nº 1, p. 175 – 209, jan./jun., 2008.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e Educação: Fundamentos Ontológicos e Históricos. Caxambu, 29ª Reunião Anual da ANPED, 2006.

SILVA, Kátia Oliveira. Formação docente continuada no Projeto “Trajetórias Criativas” de uma escola no município de Alvorada, RS. Porto Alegre: PUCRS, 2018. 113f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação, PUCRS, 2018.

UNICEF Brasil. Panorama da distorção idade/série no Brasil. 2018. p. 7. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/relatorios/panorama-da-distorcao-idade-serie-no-brasil. Acesso em: 22 nov 2019.

UNICEF Brasil. Trajetórias de Sucesso Escolar. Ano referência: 2018, Disponível em: https://trajetoriaescolar.org.br/. Acesso em: 22 nov 2019.

WELLER, Wivian. Jovens no Ensino Médio: projetos de vida e perspectivas de futuro. In: DAYRELL, Juarez; CARRANO, Paulo; MAIA, Carla Linhares (Orgs.). Juventude e Ensino Médio: Sujeitos e currículos em diálogo. p. 135-154. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2014.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v7i13.250040

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Fabiano Soria VAZ, Liliane Madruga PRESTES

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.