Análise do EPIA (Estudo Prévio de Impacto Ambiental) referente ao empreendimento Condomínio Green Diamond Residence, com ênfase no recurso ambiental solo (Analysis of the EIA (Environmental Impact Assessment) related to the Green Diamond Residence Condominium, with emphasis on the soil environmental resource)

César Costa Sanches, Jorge Ulisses Guerra Villalobos

Resumo


No que se refere à temática ambiental, no contexto da legalidade no plano jurídico, a elaboração do EIA/RIMA faz parte do instrumento concreto que serve de suporte para analise de obras e atividades passíveis de qualquer tipo de dano ao ambiente. O presente trabalho consiste no estudo e análise do EPIA (Estudo Prévio de Impacto Ambiental), com base no RIMA (Relatório de Impacto Ambiental) referente ao empreendimento denominado “Condomínio Green Diamond Residence”, localizado no município de Marialva/PR, situado a noroeste do estado do Paraná. Tal estudo pretende analisar, sob a perspectiva do geógrafo, o recurso ambiental solo, da área destinada a receber o empreendimento Condomínio Green Diamond Residence, de modo a compreender e diagnosticar o uso adequado de determinadas áreas, compreendendo as suas propriedades no que tange a declividade, topografia, clima, precipitação e tipo de vegetação presente na área estudada. Deste modo, é possível compreender que algumas localidades possuem solos inapropriados para fins de construção civil, como é o caso da vertente referente a área abordada no presente trabalho. Com isso, destaca-se a contextualização das informações referentes ao contexto pedológico, geomorfológico, climatológico, fitogeográfico com a representação do modelo da superfície de terreno, compreendendo que nas áreas planas e mais baixas do terreno, próximo ao curso hídrico, nota-se a existência de um solo com caráter hidromórfico. Com isso, percebe-se que algumas informações referentes a alguns impedimentos para sua construção foram omitidas e não informadas no EPIA da área de estudo.

 

A B S T R A C T

About to environmental issues in the context of legality in judicial terms, the preparation of the EPIA / RIMA is part of the concrete instrument that serves as a support for the analysis of works and activities subject to any kind of harm to the environment. The present work is the study and analysis of the EIA (Environmental Impact Assessment), based on the EIR (Environmental Impact Report) for the enterprise called "Condomínio Green Diamond Residence", located in the municipality of Marialva / PR, situated northwest the state of Paraná. This study aims to analyze, from the perspective of the geographer, the environmental resource soil of the area for receiving the project “Condomínio Green Diamond Residence”, in order to understand and diagnose the proper use of certain areas, including their properties in that concern the slope , topography, climate, precipitation and type of vegetation present in the study area, so you can understand that some locations have soil unsuitable for construction purposes, as is the present case. With that, that is the contextualization of the information concerning the pedological context, geomorphological, climatic, phytogeographic with the representation of the model of the ground surface, realizing that in flat areas and lower ground, near the water course, there is the existence of a soil with hydromorphic character. Thereby, it is noticed that some information related to some impediments to its construction were omitted and not reported in the EPIA of the study area.

Keywords: Hydromorphic. Environmental Impact. Soil.


Palavras-chave


Solo, Impacto Ambiental, Hidromórfico

Texto completo:

PDF

Referências


Archela, E., França, Valmir de., Celligoi, A., 2003. Geologia, geomorfologia e disponibilidade hídrica subterrânea na bacia hidrográfica do Ribeirão Jacutinga. Revista de Geografia Londrina. V.12- N.2.

Baldwin, M., Kellogg, C. E., Thorp, J., 1938. Soil classification. In: estados unidos. Department of Agriculture. Soils and men. Washington, D.C., P. 979-1001.

BRASIL. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil.

BRASIL. 2011. Lei Complementar nº111, de 01 de fevereiro.

BRASIL. 1979. Lei nº 6.664, de 26 de junho.

BRASIL. 1981. Lei n° 6. 938, de 31 de Agosto

BRASIL. 1986. Resolução CONAMA n° 001, de 18 de junho.

BRASIL. 2005. Resolução CONAMA n° 357, de 13 de março.

BRASIL. 2011. Resolução CONAMA n° 430, de 18 de maio.

BRASIL. 2008. Resolução Conjunta IBAMA/SEMA/IAP de 28 de Março

BRASIL. 1986. Resolução CONAMA Nº 001 e 001-A/86.

BRASIL. 2007. Resolução CONAMA Nº 237/97.

Campos, J. B., Silveira-Filho, L., 2010. Série Ecossistemas Paranaenses: Floresta Estacional Semidecidual. V.5. Curitiba, PR. 8 p .

Estação Convencional: Maringá (PR). Disponível em:http://www.inmet.gov.br/sim/sonabra/dspdadoscodigo.php?ODM3Njc=. Acesso em: 27 de janeiro de 2016.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2006. Sistema Brasileiro Classificação dos Solos. 2ª. Ed- Rio de Janeiro.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2006. Cultivo do Arroz de Terras Altas no Estado de Mato Grosso. Disponível em:https://sistemasdeproducao.cnp

tia.embrapa.br/fonteshtml/Arroz/arrozterrasaltasmatogrosso/solos.htm. Acesso em 3 de janeiro de 2016

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 1997. Manual de métodos de análise de solo. 2.ed. Rio de Janeiro.

EMBRAPA. Empresa Brasileira De Pesquisa Agropecuária, 2008. Centro Nacional de Pesquisa de solos. Mapa de Solos do Estado do Paraná. Rio de Janeiro.

Estudos Ambientais Preliminares / Editais de entrada e abertura de prazos – 2013. Disponível em: http://www.iap.pr.gov.br/. Acesso em 02 de maio de 2015.

Estudo de Impacto Ambiental (Eia) /Relatório De Impacto Ambiental (Rima). Disponível em:http://www.fepam.rs.gov.br/central/pdfs/eiarimainstabril2002.pdf. Acesso em 23 de maio de 2015.

Hartemink, A. E., Bockheim, J.G., 2012. Soils Genesis and classification. University of Wisconsin-Madison, Department of Soil Science, FD Hole Soils Lab. p.441-441.

Köppen, W., Geiger, R., 1928. Klimate der Erde. Gotha: Verlag Justus Perthes.

Lepsch, Igo F. 2012. Formação e conservação dos solos. - 2ª ED. - São Paulo: Oficina de Textos.p. 216.

LIMA, K. B. P. de., 2012 Juntada de Petição de inicial. Arq: Doc. 8 – B Fotografias. 18 de outubro.

Maack, R., 1968 Geografia Física do Estado do Paraná. Curitiba: BRDE, 350 p.

MINEROPAR. 2006. Atlas Geomorfológico do Estado do Paraná. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 63 p.

MINEROPAR. 2001. Atlas Geológico do Estado do Paraná. Minerais do Paraná, Curitiba., 125 p. CD ROM.

Neto, L. de F. da S., 2010. Pedogênese e matéria orgânica de solos hidromórficos da região metropolitana de Porto Alegre. Tese (Doutorado em Ciência do solo). Porto Alegre. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Neto, J. P. de Q., 2003. Geomorfologia e Pedologia. GEOUSP Espaço e Tempo, nº13, p. 9-20.

Neto, J. P. de Q., 1987. Pedologia: Conceito, Método e Aplicações. Revista do Departamento de Geografia da USP. nº 3. 95-102

Instituto de Terras, Cartografia e Geociências (ITCG), 2009. Classificação Climática – Estado do Paraná. Disponível em: < http://www.geo.pr.gov.br/ms4/itcg/geo.html>. Acesso em 17 de setembro de 2013.

Instituto de Terras, Cartografia e Geociências (ITCG), 2009. Formação Fitogeográfica – Estado do Paraná. Disponível em: < http://www.geo.pr.gov.br/ms4/itcg/geo.html>. Acesso em 17 de setembro de 2013.

Instituto de Terras, Cartografia e Geociências (ITCG), 2009. Unidades Morfoestruturais – Estado do Paraná. Disponível em: < http://www.geo.pr.gov.br/ms4/itcg/geo.html>. Acesso em 17 de setembro de 2013.

Instituto de Terras, Cartografia e Geociências (ITCG), 2009. Solos – Estado do Paraná. Disponível em: < http://www.geo.pr.gov.br/ms4/itcg/geo.html>. Acesso em 17 de setembro de 2013.

Santos, H. G. dos., Jacomine, P. K. T., Anjos, L. H. C. dos., Oliveira, V. A. de., Lumbreras, J. F., Coelhos, M. R., Ameida, J. A. de., Cunha, T. J. F., Oliveira, J. B. de., 2013. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3ª Ed. Revista. Ampli.- Brasília, DF. 353 p.

Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. 2015. Licenciamento de serviços – Áreas Úmidas – Definições. Disponível em: http;//www.iap.pr.gov.br/modules/conteúdo/conteúdo.php?Conteudo=280. Acesso em 20 de maio de 2015

Serrat, B. M., Lima, M. R. de., Garcias, C. E., Fantin, E. R., Carnieri, I. M. R. S. A., Pinto, L. S., 2002. Conhecendo o solo. Curitiba: Departamento de Solos e Engenharia Agrícola, 27 p.

Simonson, R. W., Riecken, F. F.; Smith, G. D., 1952. Understanding Iowa soils: an introduction to the formation, distribution and classification of Iowa soils. Dubuque: C. Brown, 142 p.

Thorp, J., Smith, G.D., 1949. Higher categories for soil classification. Soil Science 67:117–126.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.4.p1384-1400

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License