Dinâmica fluvial na bacia hidrográfica do rio Carapá, inserida na bacia do rio Amazonas (River dynamics in the Carapá river hydrographic basin, inserted in the Amazon river basin)

Rinaldo Marques Padilha, Célia Alves de Souza

Resumo


O estudo teve como objetivo analisar a dinâmica fluvial na bacia hidrográfica do rio Carapá, em Colíder e Nova Canaã do Norte – MT. Para o monitoramento da dinâmica fluvial, foram realizadas coletas e análises de sedimentos de fundo, margem e suspensão, instalação de pinos, estacas e aferição de batimetria. A bacia do Carapá é de sexta ordem, o rio principal possui 163,526km de extensão. A dinâmica fluvial revelou que o rio não tem um padrão regular, podendo ser encontrados trechos sinuosos, meandrantes e retilíneos. A área molhada da seção variou entre 0,248m² (seção 1 - período de estiagem) e 103,350m² (seção 11 - período chuvoso). A velocidade do fluxo foi maior no período chuvoso em todas as seções e a maior vazão variou entre 2,174m³/s na seção 1 e 75,297m³/s na seção 11 no período chuvoso. Nos sedimentos de fundo, predominaram os grosseiros na maioria das seções nos dois períodos. A fração silte predominou nos sedimentos de margem na maioria das seções. A magnitude da erosão medida por pinos variou entre 0,07cm/mês (seção 1) e 1,04cm/mês (seção 11). As seções 1, 3 e 10 os agregados são estáveis em água, concentrando a maior parte das partículas entre 1 a 4 mm, enquanto as demais seções se mostraram mais susceptíveis a erosão. A concentração de sedimentos em suspensão variou entre 12 mg/L e 252mg/L ao longo do canal. A descarga sólida em suspensão registrada ficou entre 0,135 t/d (seção 1, período seco) e 396,850 t/d (seção 11, período chuvoso).

 

 

A B S T R A C T

The objective of this study was to analyze river dynamics in the Carapá river hydrographic basin, in Colíder and Nova Canaã do Norte - MT. In order to monitor the river dynamics, collections and analyzes of the bottom sediments, margin and suspension, installation of pins, stakes and bathymetry measurement were accomplished. The Carapá basin is of the sixth order, the main river is 163.526 km long. The river dynamics revealed that the river does not have a regular pattern, and sinuous, meandering and rectilinear stretches can be found. The wet area of the section varied between 0.248 m² (section 1 - dry season) and 103.350m² (section 11 - rainy season). The flow velocity was higher in the rainy season in all sections and the highest flow ranged between 2,174 m³/s in section 1 and 75,297 m³/s in section 11 in the rainy season. In the bottom sediments, the thicker ones were predominant in the most sections in the two periods. The silt fraction predominated in the margin sediments in the most sections. The magnitude of the erosion measured by pins ranged from 0.07 cm / month (section 1) to 1.04 cm / month (section 11). In the sections 1, 3 and 10, the aggregates are stable in water, concentrating the most of the particles between 1 and 4 mm, while the other sections are more susceptible to erosion. The concentration of the suspended sediments ranged from 12 mg / L to 252 mg / L along the canal. The registered solid discharge in suspension was between 0.135 t/d (section 1, dry season) and 396,850 t/d (section 11, rainy season).

Key words: Colíder, sediment, aggregate, erosion, flow


Palavras-chave


Colíder; Sedimentos; Agregados; Erosão; Vazão.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, J.C., Silva, V.N., Souza, C.A., Souza, I.C., 2014. Descrição Morfológica e Sedimentar do Rio Paraguai no Segmento entre o Poço do Renato a Baía da Inharosa. Revista Geonorte 4, 256-260.

Anstead, L., 2012. River bank erosion rates and the case for willow spiling as a bank stabilisation solution. Thesis (Doctor). Anglia, University of East Anglia.

Assine, M.L., Silva, A., 2009. Contrasting fluvial styles of the Paraguay River in the northwestern border of the Pantanal wetland, Brazil. Geomorphology 113, 189-199.

Balthazar, V., Vanacker, V., Girma, A., Poesen, J., Golla, S., 2012. Human impact on sediment fluxes within the Blue Nile and Atbara River basins. Geomorphology. [online]. Disponível: http://dx.doi.org/10.10 16/j.geomorph.2012.10.013. Acesso: 15 jan. 2017.

Bayer, M., Carvalho, T.M., 2008. Processos morfológicos e sedimentos no canal do Rio Araguaia. Revista de estudos ambientais 10 24-31.

Carvalho, N.O., Filizola Junior, N.P., Santos, P.M.C., Lima, J.E.F.W., 2000. Guia de práticas sedimentométricas. ANEEL, Brasília.

Carvalho, N.O., Filizola Junior, N.P., Santos, P.M.C., Lima, J.E.F.W., 2008. Hidrossedimentologia prática. 2. ed. Interciência, Rio de Janeiro.

Chaves, J.C.D., Calegari, A., 2001. Adubação verde e rotação de culturas. Informe Agropecuário 22, 53-60.

Chien, N., 1985. Changes in river regime after the construction of upstream reservoirs. Earth Surface Processes and Landscape 10, 143-159.

Christofoletti, A., 1980. Geomorfologia. 2. ed. Edgard Blucher, São Paulo.

Christofoletti, A., 1981. Geomorfologia fluvial: o canal fluvial. 2 ed. Edgard Blücher, São Paulo.

Christofoletti, A., 1999. Modelagem de sistemas ambientais. Edgar Blücher, São Paulo.

Cunha. S.B., 1998. Bacias hidrográficas, in: Cunha, S.B., Guerra, A.J.T. (Org.), Geomorfologia do Brasil. Bertrand do Brasil, Rio de Janeiro, pp. 229-265.

Cunha. S.B., 2010. Geomorfologia fluvial, in: Cunha, S.B., Guerra, A.J.T. (Org.), Geomorfologia: exercícios, técnicas e aplicações. 4. ed. Bertrand do Brasil, Rio de Janeiro, pp. 157-189.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 1997. Manual de métodos de análise de solo. Rio de Janeiro.

Fernandez, O.V.Q., 1990. Mudanças no canal fluvial do rio Paraná e processos de erosão nas margens: região de Porto Rico-PR. Dissertação (Mestrado). Rio Claro, UNESP.

Fernandez, O.V.Q., 1996. O método dos pinos na quantificação da erosão marginal em rios reservatórios, in: Simpósio Nacional de Geomorfologia. Anais. Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia, 160-163.

Grizio, E.V., Souza Filho, E.E., 2010. As modificações do regime de descarga do rio Paraguai Superior. Revista Brasileira de Geomorfologia 11, 25-33.

Humphries, M.S., Kindness, A., Elley, W.N., Hughes, J.C., Benitez-Nelson, C.R., 2010. 137Cs and 210Pb derived sediment accumulation rates and their role in the long-term development of the Mkuze River floodplain, South Africa. Geomorphology 88–96. Contents lists available at Science Direct Geomorphology, journal. [online]. homepage: . Acesso: 13 jun. 2017.

Justiniano, L.A.A., Souza, C.A., 2010. Evolução das margens e transporte de sedimentos no rio Paraguai entre a foz do rio Sepotuba e a foz do rio Cabaçal, in: Santos, J.E., Galbiati, C., Moschini, L.E. (Org.), Gestão e Educação Ambiental: água, biodiversidade e cultura. Rima Editora, São Carlos, pp. 01-353.

Justiniano, L.A.A., Souza, C.A., Pierangeli, M.A.P., 2013. Migração lateral do rio Paraguai entre a foz do rio Sepotuba e a foz do rio Cabaçal em Mato Grosso. Revista GeoPantanal 8, 106-128.

Kuehn, E., 2015. Stream bank erosion trends and sediment contributions in a Southwestern Missouri river. Thesis (Doctor). Missouri State University.

Leandro, G.R.S., Souza, C.A., Chaves, I.J.F., 2012. Aspectos sedimentares na baía Negra, corredor fluvial do rio Paraguai, Pantanal de Cáceres (MT). Caminhos de Geografia, Uberlândia 13, 204-216.

Leandro, G.R.S., Souza, C.A., Nascimento, F.R., 2014. Processo de deposição fluvial na Baía Comprida, rio Paraguai, município de Cáceres, Mato Grosso, Brasil. Ra’eGa 31, 296-316.

Leli, I.T., Stevaux, J.C., Nóbrega, M.T., 2010. Produção e transporte da carga suspensa fluvial: teoria e método para rios de médio porte. Boletim de Geografia [online] 28 Disponível: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeog r.v28i1.8472. Acesso: 10 jun. 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2009. Manual técnico de geomorfologia. Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Rio de Janeiro.

Mobaraki, A.F., Ghodrati, A.R., Nazami, M.T., 2012. Investigation of Stabilization of River Margins with use of Biological method for prevention of soil Erosion and sediment production. Intl J Agri Crop Sci 4, 691-695.

Oliveira, S., 1998. Colonização e massacre. Colíder.

Oliveira, V.S., 2006. Erosão marginal no baixo curso do rio São Francisco e seus efeitos nos agroecossistemas. Dissertação (Mestrado). São Cristóvão. UFS.

Orfeo, O., Stevaux, J., 2002. Hydraulic and morphological characteristics of middle and upper reaches of the Paraná River (Argentina and Brazil). Geomorphology 44, 309–322.

Pagliarini, M.K., Mendonça, V.Z., Alves M.C., 2012. Distribuição de tamanho de agregados estáveis em água em solos de Selvíria-MS e Ilha Solteira-SP, Brasil. Tecnologia & Ciência Agropecuária 6, 45-51.

Peter, W.D., Andrew, S., 2001. Fluvial geomorphological analysis of the recruitment of large woody debris in the Yalobusha River network, Central Mississippi, USA. Geomorphology 37, 65-91.

Quinlan, E., Gibbins, C.N., Batalha, R.J., Verticat, D., 2014. Impacts of Small Scale Flow Regulation on Sediment Dynamics in an Ecologically Important pland River. Springer Science+Business Media New York 55, 671-686.

Ramonell, C.G., Amsler, M.L., Orfeo, O., Montagnini, M.D., Perez, Melina., 2014. Ajustes morfológico-sedimentarios del río Bermejo en torno al Puente Lavalle (Chaco Argentino), Facultad de Ingeniería y Ciencias Hídricas, Universidad Nacional del Litoral 4575, 33-46.

Resende, M., 1985. Aplicação de conhecimentos pedológicos à conservação de solos. Informe Agropecuário 11, 3-18.

Rocha, P.C., Souza Filho, E.E., 2005. Interações dinâmicas entre os materiais do leito de um canal secundário com o canal principal no trecho multicanal do Alto Rio Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia 6, 19-32.

Santos, M., 2013. Uso, ocupação da terra e dinâmica fluvial da bacia hidrográfica do córrego Cachoeirinha no município de Cáceres, Mato Grosso. Dissertação (Mestrado). Cáceres, UNEMAT.

Silva, E.S.F., Souza, C.A., Leandro, G.R.S., Galbiati., 2012. Evolução das feições morfológicas do rio Paraguai no Pantanal de Cáceres, Mato Grosso. Revista Brasileira de Geomorfologia 13, 435-442.

Silva, E.S.F., 2012. Dinâmica fluvial do rio Paraguai no segmento entre o Furado do Touro e Passagem Velha, Pantanal de Cáceres, Mato Grosso. Dissertação (Mestrado). Cáceres, UNEMAT.

Silva, L.N.P., 2009. Bacia hidrográfica do córrego das Pitas, MT: dinâmica fluvial e o processo de ocupação, como proposta de gestão dos recursos hídricos. Dissertação (Mestrado). Cáceres, UNEMAT.

Sousa, J.B., Pierangeli, M.A., Souza, C.A., Cruz, J.S., Oliveira, J.D., 2017. Descrição morfológica e atributos do solo nas margens do rio Paraguai, Cáceres, Mato Grosso, Brasil. Ciência Geográfica XXI, 74-87.

Souza, C.A., 2004. Dinâmica do corredor fluvial do rio Paraguai entre a cidade de Cáceres e a Estação Ecológica da Ilha de Taiamã, MT. Tese (Doutorado). Rio de Janeiro, UFRJ.

Souza, C.A., Cunha, S.B., 2012. Feições morfológicas do rio Paraguai e sua dinâmica entre a cidade de Cáceres e a Estação Ecológica da Ilha de Taiamã, MT, in: SOUZA, C.A. (Org.), Bacia hidrográfica do rio Paraguai, MT: dinâmica das águas, uso, ocupação e degradação ambiental. Cubo, São Carlos, pp. 81-94.

Souza, C.A., Leandro, G.R.S, Sousa, J.B., Pierangeli, M.A., Ferreira, E., 2015. Informações preliminares sobre transporte de sedimentos no rio Paraguai entre a cidade de

Cáceres e a estação ecológica da ilha de Taiamã, Pantanal Superior, Mato Grosso, Brasil. Revista Portuguesa de Recursos Hídricos 36, 47-55.

Souza, C.A., Leandro, G.R.S., Sousa, J.B., Cunha, S.B., Garcia, P.H.M., 2017. Aporte de sedimentos dos afluentes da margem direita do rio Paraguai, Pantanal Superior – Mato Grosso – Brasil. Ciência Geográfica [online] XXI. Disponível:. Acesso: 21 maio 2017.

Souza, L.H.C. Nunes, M.C.M., Neves, S.M.A.S., Cuiabano, M.N., Ferreira, F.S., Souza, A.L., 2015. Estabilidade de agregados de um Latossolo vermelho distrófico sob diferentes usos e manejos em Lambari D’Oeste-MT. Cerrado Agrociências 6, 12-23.

Suguio, K., 1973. Introdução à sedimentologia. Edgar Blücher, São Paulo.

Thorne, C.R., 1981. Field measurements of rates of bank erosion and bank material strength. Erosion and Sediment Transport Measurement Proceedings of the Florence Symposium. IAHS, 133.

Torres, F.T.P., Marques Neto, R., Menezes, S.O., 2012. Introdução à geomorfologia. Cengage Learning, São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.4.p1490-1511

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License