Variabilidade das chuvas anuais na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) e no Sistema Cantareira: classificação e frequência dos anos-padrão (Variability of annual rainfall in São Paulo Metropolitan Region (RMSP) and Cantareira System: classification and frequency of the standard-years)

Pedro Augusto Breda Fontão, João Afonso Zavattini

Resumo


Trata-se de um estudo que busca, através da uma pesquisa avaliando a variabilidade das precipitações anuais, estabelecer anos-padrão habituais e extremos (secos e chuvosos) das chuvas na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), maior aglomerado urbano do hemisfério sul do planeta, e no Sistema Cantareira, principal sistema de abastecimento urbano da metrópole paulista. Identificar os anos-padrão, principalmente os períodos extremos, contribui para discernir períodos de irregularidades na circulação atmosférica, tornando possível prosseguir numa análise mais detalhada do ritmo pluvial. Para tanto, foram utilizados dados pluviométricos da série histórica de 1985 a 2014. Após a coleta, organização e mapeamento dos dados, foram aplicados o método da fórmula de Sturges para atribuir intervalos de classes representativos do volume das chuvas e o método de interpolação geoestatística da krigagem ordinária para mapear as classes. A partir dos resultados obtidos, foram realizadas análises a respeito da variabilidade temporal e espacial das precipitações, tornando possível, para ambas as regiões, classificar cada um dos 30 anos do período como ano-padrão: seco, tendente a seco, habitual, tendente a chuvoso ou chuvoso. Vale destacar a existência de alguns anos com o padrão dissemelhante entre a RMSP e o Sistema Cantareira, resultando em possíveis impactos nas atividades humanas.

 

 

A B S T R A C T

This study aims to establish standard-years and extreme-years of rainfall (wet and dry) through a research evaluating the variability of the annual precipitations in the Metropolitan Region of São Paulo (MRSP), the largest urban cluster in the southern hemisphere of the planet, and in the Cantareira System, main system of urban water supply of the metropolis of São Paulo. Identifying 'standard-years', especially extreme periods, contributes to discern periods of irregularities in the atmospheric circulation, making it possible to proceed with a more detailed analysis of the rainfall rhythm. Therefore, rainfall data from the historical serie from 1985 to 2014 were used. After collecting, organizing and mapping the data, the method of Sturge's formula was applied to assign the ranges of data representing the volume of rainfall and the  method of geostatistical interpolation of ordinary kriging was applied to map the data. From the results obtained, analyzes were carried out on the temporal and spatial variability of the precipitations, making it possible, for both regions, to classify each of the 30 years of the period as: dry, tending to dry, habitual, tending to rainy or rainy. It stands out the existence of some years with the dissimilar pattern between the MRSP and the Cantareira System, resulting in possible impacts on human activities.

Keywords: precipitation, climate variability, Sturge's formula, water supply, Climatology.


Palavras-chave


chuva, anos-padrão, fórmula de Sturges, São Paulo, Climatologia Geográfica.

Texto completo:

PDF

Referências


Agudo, P.A., 2008. La nueva cultura del agua del siglo XXI. Sociedad Estatal Zaragoza Exoagua, Zaragoza, España.

Alves Filho, A.P., Ribeiro, H., 2006. A percepção do caos urbano, as enchentes e as suas repercussões nas políticas públicas da região metropolitana de São Paulo. Saúde e Sociedade 15, 145-161.

ANA. Agência Nacional de Águas, 2010. Atlas Brasil - abastecimento urbano de água: panorama nacional. Engecorps/Cobrape e Agência Nacional de Águas, Brasília-DF.

Barrios, N.A.Z., Hernándes, M.C.M., 1992. Aplicação de técnicas para escolha de anos-padrão, com base de estudo dinâmico das chuvas no extremo oeste paulista. Caderno Prudentino de Geografia 14, 119-157.

Buffon, E.M., Binda, A.L., 2014. Variabilidade no regime pluvial do município de Abelardo Luz (SC) no período de 1958 a 2008: interações entre mecanismos de teleconexão decadal e interanual. Revista Brasileira de Climatologia 13, 285-297.

Camargo, A.F.M., Pereira, A.M.M., 2003. Qualidade da água em áreas urbanas, in: Braga, R., Carvalho, P.F. (Org.), Recursos Hídricos e planejamento urbano e regional. Laboratório de Planejamento Municipal – DEPLAN – UNESP – IGCE, Rio Claro-SP, pp. 37-48.

Christofoletti, A., 2007. Modelagem de sistemas ambientais, 3 ed., Editora Blücher, São Paulo-SP.

Custódio, V., 2015. A crise hídrica na região metropolitana de São Paulo (2014-2015). GEOUSP: Espaço e Tempo (Online) 19 (3), 45-463.

Dias, M.A.F.S., Dias, J., Carvalho, L.M.V., Freitas, E.D., Dias, P.L.S., 2013. Changes in extreme daily rainfall for São Paulo, Brazil. Climatic Change 116 (3-4), 705-722.

Diniz, J.A.F., 1971. Classificação de uma variável e sua aplicação na geografia. Boletim de Geografia Teorética 1, 25-39.

Flores, E.F., 2000. Modelagem em Climatologia Geográfica: um ensaio metodológico aplicado ao oeste paulista. Tese (Doutorado). Rio Claro-SP, IGCE-UNESP.

Fontão, P.A.B., 2014. Ritmo das chuvas na bacia o Pardo (SP/MG): reflexos na vazão dos rios Pardo e Mogi-Guaçu. Dissertação (Mestrado). Rio Claro-SP, IGCE-UNESP

Fontão, P.A.B., Zavattini, J.A., 2017. Tipos de tempo e ritmo pluvial na região metropolitana de São Paulo (RMSP): análise comparativa dos anos 2003 e 2014, in: Perez Filho, A., Amorim, R.R. (Org.), Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento. IG-UNICAMP, Campinas-SP, pp. 2193-2204.

FUSP. Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo, 2009. Plano da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê: Relatório Final. FUSP, São Paulo-SP.

Galvani, E., Luchiari, A., 2012. Critérios para classificação de anos com regime pluviométrico normal, seco e úmido, in: Galvani, E., Lima, N.G.B. (Org.), Climatologia aplicada: Resgate aos estudos de caso. Editora CRV, Curitiba-PR, pp. 19-32.

Gerardi, L.H.O., Silva, B-C.N., 1981. Quantificação em geografia, 1 ed. Editora Difel, São Paulo-SP.

Gleick, J., 2011. Chaos: Making a new science, Open Road Media, New York, USA.

Gomes, L.P.O., Silva, A.A.F., Souza, L.B., 2012. Notas sobre a seleção de anos-padrão para o estudo da gênese e da dinâmica climática no estado do Tocantins: aspectos metodológicos a partir da inclusão do critério espacial. Revista Geonorte 2(5), 628-641.

Hespanhol, I., 2008. Um novo paradigma para a gestão de recursos hídricos. Estudos avançados 22 (63), 131-158.

Johnston, R.J., 1968. Choice in Classification: the subjectivity of objective methods. Annals of the Association of American Geographers 58 (3), 575-589.

Lorenz, E.N., 1996. A essência do caos. Editora UNB, Brasília-DF.

Lorenz, E.N., Haman, K., 1996. The essence of chaos. Pure and Applied Geophysics 147 (3), 598-599.

Lucas, T.P.B., Plec, D., Abreu, M.L., Parizzi, M.G., 2014. Identificação de interpoladores adequados a dados de chuva a partir de parâmetros estatísticos. Revista Brasileira de Climatologia 13, 7-21.

Mello, Y.R., Oliveira, T.M.N., 2016. Análise estatística e geoestatística da precipitação média para o município de Joinville (SC). Revista Brasileira de Meteorologia 31 (2), 229-239.

MMA. Ministério do Meio Ambiente, 2006. Plano Nacional de Recursos Hídricos. MMA e Secretaria de Recursos Hídricos de Brasília, Brasília – DF.

Monteiro, C.A.F., 1971. A análise rítmica em climatologia: problemas da atualidade climática em São Paulo e achegas para um programa de trabalho. Climatologia 1, 1-21.

Monteiro, C.A.F., 1973. A Dinâmica Climática e as Chuvas no Estado de São Paulo: estudo geográfico sob a forma de atlas. USP/IG, São Paulo-SP.

Monteiro, C.A.F., 1991. Clima e excepcionalismo: conjecturas sobre o desempenho da atmosfera como fenômeno geográfico. UFSC, Florianópolis-SC.

Monteiro, C.A.F. (Org.), 2015. A construção da Climatologia Geográfica no Brasil, 1 ed. Editora Alínea, Campinas-SP.

Morais, M.A., Castro, W.A.C., Tundisi, J.G., 2010. Climatologia de frentes frias sobre a Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), e sua influência na limnologia dos reservatórios de abastecimento de água. Revista Brasileira de Meteorologia 25 (2), 205-217.

Nimer, E., 1989. Climatologia do brasil. IBGE, Rio de Janeiro-RJ.

Nobre, C., Young, A. (Eds.), 2011. Vulnerabilidade das Megacidades Brasileiras às Mudanças Climáticas: Região Metropolitana de Sâo Paulo. UNICAMP/INPE, São Paulo-SP.

Rodrigues, C., Villela, F.N.J., 2015. Disponibilidade e escassez de água na Grande São Paulo: elementos-chave para se compreender a origem da atual crise de abastecimento. GEOUSP: Espaço e Tempo (Online) 19 (3), 399-421.

Sant’Anna Neto, J.L., 1995. As chuvas no Estado de São Paulo: contribuição ao estudo da variabilidade e tendência da pluviosidade na perspectiva da análise geográfica. Tese (Doutorado). São Paulo-SP, USP/FFLCH.

Schneider, H., Da Silva, C.A., 2014. O uso do modelo box plot na identificação de anos-padrão secos, chuvosos e habituais na microrregião de Dourados, Mato Grosso do Sul. Revista do Departamento de Geografia 27, 131-146.

Scott, D.W., 2009. Sturges' rule. Wiley Interdisciplinary Reviews: Computational Statistics 1 (3), 303-306.

Setti, A.A., Lima, J., Chaves, A.G.M., Pereira, I.C., 2001. Introdução ao gerenciamento de recursos hídricos. Agência Nacional de Energia Elétrica, Brasília-DF.

Silva, B-C.N., 1980. A propósito de uma técnica de seleção de intervalos de classe para fins de mapeamento. Geografia 5 (9), 85-96.

Silvestre, M.R., Sant’Anna Neto, J.L., Flores, E.F., 2013. Critérios estatísticos para definir anos padrão: uma contribuição à climatologia geográfica. Revista Formação 2 (20), 23-53.

EMPLASA. Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano, 2018. Sobre a RMSP. Disponível:https://www.emplasa.sp.gov.br/RMSP/. Acesso: 12 jan. 2018.

Strahler, A.H., 1951. Phisical geography, 1 ed. John Wiley & Sons, New York, USA.

Sturges, H.A., 1926. The choice of a class interval. Journal of the american statistical association 21 (153), 65-66.

Tarifa, J.R., Armani, G., 2000. Atlas ambiental do Município de São Paulo: Unidades Climáticas Urbanas da Cidade de São Paulo. SVMA/PMS e Secretaria de Planejamento–SEMPLA/PMSP, São Paulo-SP.

Tarifa, J.R., Azevedo, T.R. (Org.), 2001. Climas na cidade de São Paulo: teoria e pratica. EdUSP, São Paulo-SP.

Tavares, A.C., 1976. Critérios de escolha de anos padrões para análise rítmica. Geografia 1, 79-87.

Tucci, C.E.M., 2008. Recursos hídricos no futuro: problemas e soluções. Estudos avançados 22 (63), 7-16.

Viola, M.R., Mello, C.R., Pinto, D.B.F., Mello, J.M., Ávila, L.F., 2010. Métodos de interpolação espacial para o mapeamento da precipitação pluvial. Revista Brasileira de Engenharia Agricola e Ambiental - Agriambi 14 (9), 970-978.

Wilhite, D.A., 2000. Drought as a natural hazard: concepts and definitions, in: Wilhite, D.A. (Org.), Drought: A global assessment. Routledge, London, UK, pp. 3-18.

Zandonadi, L., 2009. As Chuvas na Bacia do Paraná: aspectos temporais, espaciais e rítmicos. Dissertação (Mestrado). Rio Claro-SP, IGCE-UNESP.

Zavattini, J.A., 2004. Estudos do Clima no Brasil. Editora Alínea, Campinas-SP.

Zavattini, J.A., 2009. As chuvas e as massas de ar no estado de Mato Grosso do Sul: estudo geográfico com vista à regionalização climática. Editora UNESP, São Paulo-SP

Zavattini, J.A., Boin, M.N., 2013. Climatologia Geográfica: teoria e prática de pesquisa. Editora Alínea, Campinas-SP.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.2.p457-469

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Brasileira de Geografia Física - eISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License