Deslizamento em Uma Vertente do Rio Madeira em Porto Velho – RO: Uma Análise Morfomecânica

Salem Leandro Moura dos Santos, Eliomar Pereira da Silva Filho, Isabel Leonor Iza Echeverria Herrera

Resumo


Este estudo tem o objetivo de estabelecer o nível piezométrico que a vertente tinha antes do deslizamento, a morfometria e a causa do movimento de massa. Para isto, foi utilizada equação de Equilíbrio-Limite, com o Fator de segurança em 1,49 para estabelecer o nível piezométrico necessário para causar o colapso da encosta, como também, a determinação de propriedades geomecânicas, como coesão, densidade, ângulo de atrito, tensão de cisalhamento, limites de Atterberg, além da granulometria e da morfometria. A vertente apresentava o formato convexo no topo e côncavo na base, ambos seccionados no meio pelos formatos retilíneo e côncavo. A inclinação média era de 35,17° em uma dimensão de 46,01m. A Equação indicou um nível piezométrico mínimo de 18,53 metros de altura para o colapso. Um aspecto que influenciou o deslizamento foi à erosão superficial causada por uma galeria de água pluvial, que uma vez rompida, erodiu o pacote de material superficial, Argilo Siltoso Mosqueado, que serve de proteção para a vertente, pois possui maior coesão e plasticidade. Após a completa erosão do pacote superior, houve a exposição pontual do pacote inferior, que após sofrer forte precipitação pluvial de 32,20 mm, ocorrida no dia 30/09/2013, ocasionou a elevação do nível piezométrico deste material inferior, Silto Arenoso Tangencial, de menor coesão e plasticidade que saturou, comportando-se de maneira semi-líquida. Devido este material ser todo o alicerce da encosta, o seu colapso causou todo o deslizamento rotacional da vertente. Verifica-se a importância de manter o material superior desta margem do Rio

 

 

Landslide in The Madeira River Slope in Porto Velho - RO: A Morfomechanical analysis

 

ABSTRACT

The aims this paper is establish the piezometric level that the slope had before sliding, morphometry and the cause of mass movement. For this, the Equilibrium-Limit equation was used, with the Safety Factor at 1.49 to establish the piezometric level necessary for collapse of the slope, as well as the determination of geomechanical properties, such as cohesion, density, friction angle , shear stress, Atterberg boundaries, granulometry and morphometry. The strand had the convex shape at the top and concave at the base, both sectioned in the middle by the rectilinear and concave shapes. The average slope was 35.17° in a dimension of 46.01m. Equation indicated a minimum piezometric level of18.53 metershigh for collapse. One aspect that influenced the sliding was the superficial erosion caused by a gallery of rainwater, which once ruptured, eroded the package of surface material, Silt Clay Mottled, which serves as protection for the slope, as it has greater cohesion and plasticity. After complete erosion of the upper package, there was a punctual exposition of the lower package, which after suffering heavy rainfall of32.20 mm, occurred on 09/30/2013, caused the elevation of the piezometric level of this lower material, Sand Silt Tangential, of lower cohesion and plasticity that saturated, behaving in a semi-liquid way. Because this material is the whole foundation of the slope, its collapse caused all the rotational slip of the slope. It’s important to maintain the superior material of the slope, aiming at the reduction of shear forces and erosions.

Keywords: Piezometric Level, morphometry, Break Circle.


Palavras-chave


Nível Piezométrico, Morfometria, Ruptura Circular.

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas, 1984a. Norma Brasileira – NBR 6459, Determinação de Limite de Liquidez. Método de Ensaio. Brasília.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas, 1984b. Norma Brasileira – NBR 7180. Determinação do Limite de Plasticidade. Método de Ensaio. Brasília.

CPRM. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais, 1990. Serviço Geológico do Brasil. Livro Texto Explicativo da Carta Geológica Porto Velho 1:100.000. Porto Velho.

DNER, Departamento Nacional de Estrada de Rodagem, 1996. Manual de Pavimentação. 2ª Edição. Rio de Janeiro.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 1997. Manual de Métodos de Análise de Solo. 2ª ed. Rio de Janeiro.

CPRM. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais, 2007. Serviço Geológico do Brasil. Geologia e Recursos Naturais do Estado de Rondônia (texto explicativo do mapa geológico e de recursos minerais do estado de Rondônia 1:1.000.000. Porto Velho.

CAPELLESSO. L. SANTOS, A., 2011. Retroanálise do Movimento de Massa no Talude Localizado na Rodovia Antônio Just Criciúma – SC. UNESC- Universidade do Extremo Sul Catarinense. SC. Disponível em: http://repositorio.unesc.net/bitstream/handle/1/226/Luciano%20Cappellesso.pdf?sequence=1. Acesso: 20/05/2014.

CAPUTO, H. P. Mecânica dos Solos para uso de engenheiros rodoviários, 1991. 4ª edição. Ed. Ao Livro Técnico. Rio de Janeiro.

CAPUTO, H. P., 1998, Mecânica dos solos e suas aplicações: mecânica das rochas, fundações e obras de terra. Volume 2. 8ª edição. Rio de Janeiro. Livros Técnicos e Científicos Editora.

CRUDEN, D. M., 2003. The First Classification of Landslides? Department of Civil and Environmental Engineering. University of Alberta. Canada.

DANNA, J. D., 1864, Manual of Geology: Treating of the Principles of the Science with Special Reference to American Geological History for the Uses of Colleges, Academies and Schools of Science. Theodore Bliss Ed. Philadelphia.

DERRUAU, M., 1965. Précis de géomorphologie. 4ª edição. Masson et Cie. Paris.

FIORI, A. P. CARMIGNANI, L., 2009 Fundamentos de Mecânica dos Solos e das Rochas: Aplicações na estabilidade de taludes. 2ª Edição. Ed. UFPR – Oficina de Textos. São Paulo.

GERSCOVICH, D. M. S., 2012. Estabilidade de Taludes. 1ª edição. Ed. Oficina de Textos. São Paulo.

GERRA, A. J. T. MARÇAL, M. S., 2006. Geomorfologia Ambiental. 1ª edição. Ed. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro.

GUIDICINI, G. NIEBLE, C., 1984. Estabilidade de Taludes Naturais e de Escavação. Ed. Edigard Bulcher. 2ª ed. São Paulo.

HUNGR, O; EVANS, S. G; BOVIS, M. J; HUTCHINSON, J. N. A., 2001. Review of the Classification of Landslides of the Flow Type. Environmental and Engineering Geoscience, Vol.7, N°. 3, p. 221-238.

HUTCHINSON, J. N., 1988. General Report: morphological and geotechnical parameters of landslides in relation to geology and hydrogeology. In: Bonnard, C. (Org), Proceedings, 5 th International Symposium on Landslides. Balkema, Rotterdam, Vol. 1, p.3-36.

KOZCIAK, S., 2005. Análise da Estabilidade de Vertentes na Bacia do Rio Marumbi – Serra do Mar – Paraná. Tese (Doutorado em Geologia) 141p. Universidade Federal do Paraná –UFPR. Curitiba.

OLIVEIRA, M. A. T., 2005. Processos Erosivos e Preservação de Áreas de Risco de Erosão por Voçorocas. IN: GUERRA, A. T. SILVA, A. S. BOTELHO, R. G. M. Erosão e Conservação dos Solos: conceitos, Temas e Aplicações. 2ª edição. Ed. Bertrand Brasil. Rio de janeiro.

POLIVANOV, H; BAROSSO, E. V., 2011. Geotecnia Urbana (5), In: GUERRA, A. J. T. Geomorfologia Urbana. Ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro.

RIFFEL, S. E; GUASSELLI, L. A; BRESSNI, L. A., 2016. Desastres Associados a Movimentos de Massa: Uma Revisão de Literatura. Boletim Goiano de Geografia. V.36, nº2, p. 285-101, mai/jul. Goiânia.

RIZZOTTO, G. J.; OLIVEIRA, J. G. F. de; QUADROS, M. L. do E. S.; CASTRO, J. M. R. de; CORDEIRO, A. V.; ADAMY, A. DANTAS, M. E.; MELO JUNIOR, H. R., 2005. Projeto Rio Madeira. Estudo de viabilidade para implantação de usinas hidrelétricas no rio Madeira. Relatório Parcial UHE Jirau. Porto Velho: CPRM.

SEDAM, Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental, 2013. Boletim Climatológico de Rondônia. Coordenadoria de Geociências. Porto Velho. Disponível em: www.ro.gov.br/sedam/meterologia . Acessado: 12/05/2014.

SHARP, C. F. S., 1938. Landslides and Related Phenomena: A Study of Mass Moviment of Soil and Rock. Columbia University Press. New York.

SILVA, M. F., 2014. Análise Morfoestrutural da Folha Porto Velho SC20 V-B-V, como Subsídio a Delimitações de Traçados de Estradas e Rodovias. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Rondônia – UNIR. Porto Velho.

SILVEIRA, C. T; FIORI, A. P; FERREIRA, A. M; FELIPE, R. S; KEPEL FILHO, J. L; FOLADOR, R. M; COSTA, L. C., 2012. Análise do Fator de Segurança da Estabilidade das Vertentes na Bacia do Rio Jacareí, Serra do Mar Paranaense. Revista Brasileira de Geomorfologia – RBG. V. 13, Nº 3, (jul-set), p. 287-297.

SKEMPTON, A. W., 1953. The Colloidal Activity of Clays. 3rd Institute Soil Mechanics and Foundation enginnering. V.1 p. 57-61. Zurich.

TABALIPA, N. L. FIORI, A. P., 2008. Influência da Vegetação na Estabilidade de Taludes na Bacia do Rio Ligeiro (PR). Revista Geociências – UNESP, v. 27, nº 3, pg. 387-399. São Paulo.

TERZAGHI, K; PECK, R., 1948. Mechanics in Engineering Practice. Ed. John Wilye and Sons. N.Y.

THOMAZ, E. L., 2008. Geomorfologia e Agrossistemas: indicadores de degradação do solo. IN: NUNES, João. ROCHA, Paulo. Geomorfologia (aplicação e metodologias). 1ª edição. Ed. Expressão Popular. São Paulo.

VARNES, D. J., 1978. Slope Movement Types and Processes. In: Special Report, Landslides: analysis and contrl. Ed. Shuster. National academy of science. Washington; D. C; p.11-33.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.5.p1980-1995

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License