Transformações geomorfológicas, pedológicas e ambientais nos Baixos Terraços do rio Jacaré-Guaçu (sítio arqueológico Boa Esperança II, São Paulo) no Pleistoceno Tardio e Holoceno

Pedro Michelutti Cheliz, Paulo Cesar Giannini

Resumo


R E S U M O

Com o objetivo de discutir transformações geomorfológicas, ambientais e pedológicas quaternárias da paisagem, caracterizam-se os baixos terraços e a planície aluvial do rio Jacaré-Guaçu na área entre Boa Esperança do Sul (SP) e Araraquara (SP). O conjunto de dados geomorfológicos, pedológicos, granulométricos, petrográficos, micromorfológicos, mais datações absolutas (LOE e 14C), permitiram definir três fases de modificações ambientais. A primeira (14500-10900 anos atrás) caracteriza-se, ao menos parcialmente, por condições mais secas que as atuais e deposição de cascalheiras vinculadas a canais torrenciais efêmeros de granulometria média cinco vezes superior à do rio atual. A segunda (de 10900 até ao menos 8000 anos atrás) registra ascensão do nível de base local e do posicionamento altimétrico do canal do rio Jacaré-Guaçu de até 7 m, intercalada com pelo menos um intervalo de estabilização do nível de base e desenvolvimento de solo hidromórfico; é marcada por aumento de umidade, deposição de sedimentos areno-argilosos e estabelecimento de um sistema fluvial perene, com meandros abandonados cuja largura é quatro vezes maior que a do canal atual. A terceira caracteriza-se pela redução do nível de base e do rio Jacaré-Guaçu em 7 m, estabelecimento da planície de inundação atual, intensa migração rumo norte (ao menos 600 m) do canal principal, e transição para padrões geomorfológicos e ambientais próximos dos vigentes atualmente (formação de meandros abandonados de larguras similares às do atual canal). Artefatos de pedra lascada mostram-se correlatos às fases I e II da formação da paisagem local, indicando que antigos grupos humanos interagiram com as modificações ambientais descritas. A disposição das peças arqueológicas líticas contribui para a definição de paleossuperfícies, formadas no âmbito das modificações de nível de base e do rio Jacaré-Guaçu.

Palavras chave: geomorfologia fluvial, mudanças climáticas, estrutura superficial da paisagem, pedologia, Quaternário

 

Geomorphological, pedological and environmental transformations on the Low Terraces of the Jacaré-Guaçu River (Boa Esperança II archeological site, São Paulo) on Late Pleistocene and Holocene

A B S T R A C T

With the objective of discussing geomorphological, environmental and pedological Quaternary transformations of the landscape, the low terraces and alluvial plain of the Jacaré-Guaçu river are characterized in the area between Boa Esperança do Sul (SP) and Araraquara (SP). Geomorphological and pedological characterization, granulometric, petrographic and micromorphological analyzes, and absolute dating (LOE and 14C) were carried out to define three phases of environmental changes. The first phase (14500-10900 years ago) is characterized by, at least partially, drier conditions than the current ones and deposition of gravels linked to ephemeral torrential channels of average particle size five times coarser than those of the current river. The second (from 10900 to at least 8000 years ago) records a rise in the local base level and the Jacaré-Guaçu river altimetric position of until 7 m, interspersed by at least one stability interval with hydromorphic soil development; it is marked by increase in humidity, deposition of clayey sand sediments, and establishment of a perennial river system, whose abandoned meanders had width four times larger than the present channel. The third is characterized by the reduction of the base level and of the altimetry of Jacaré-Guaçu river by 7m, establishment of the current floodplain, intense migration towards the north (at least 600 m) of the main channel, and transition to geomorphological and environmental patterns close to the current ones (formation of abandoned meanders with similar width to the current channel). Flaked stone artifacts are correlated with phases I and II of the formation of the local landscape, indicating that ancient human groups had interactions with the mentioned environmental changes. The arrangement of lithics archeological pieces contributes to the definition of paleosurfaces developed within the changes of the base level and of the Jacaré-Guaçu river.

Keywords: fluvial geomorphology, climate change, landscape surface structure, pedology, Quaternary


Palavras-chave


geomorfologia fluvial, mudanças climáticas, estrutura superficial, sítios arqueológicos líticos, Quaternário

Referências


Ab`Saber, A.N. 1969. Um conceito de geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o Quaternário. Geomorfologia, 18, 1-23.

Ab`Saber, A.N. 1998. Participação das depressões periféricas e superfícies aplainadas na compartimentação do Planalto Brasileiro. Revista do Instituto Geológico, 19, 51-69.

Almeida, F.F.M. 1964. Fundamentos geológicos do relevo paulista. Boletim do Instituto Geográfico e Geológico 41, 69-263.

Aviles, A.M, Ricardi-Branco, F, Ledru, M, & Bernacci, . L.C. 2019. Vegetation and climate changes in the forest of Campinas, São Paulo State, Brazil, during the last 25,000 cal yr BP. Brazilian Journal of Geology, 49, 1-11. DOI: https://doi.org/10.1590/2317-4889201920190040

Barros, L.F.P; Reis, R.A.P. 2019. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM GEOMORFOLOGIA FLUVIAL NA REVISTA BRASILEIRA DE GEOMORFOLOGIA: PANORAMA BIBLIOGRÁFICO, TENDÊNCIAS E LACUNAS. Revista Brasileira de Geomorfologia 20, . DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v20i3.1553

BERNAL, J.P.; CRUZ, F.W.; STRÍKIS, N.M.; WANG, X.; DEININGER, M.; CATUNDA, M.C.A.; ORTEGA-OBREGÓN, C.; CHENG, H.; EDWARDS, R.L.; AULER, A.S. 2016. High-resolution Holocene South American Monsoon history recorded by a speleothem from Botuverá cave, Brazil. Earth and Planetary Science Letters, 450: 186–196.

Bull, W. 1990. Stream-terrace genesis: implications for soil development. Geomorphology, 3, p 351-367. Doi: https://doi.org/10.1016/0169-555X(90)90011-E

Caetano-Chang, M.R.C; Wu, F.T. 2006. Arenitos flúvio-eólicos da porção superior da Formação Pirambóia no centro-leste paulista. Revista Brasileira de Geociências 36, 294-304. Disponível em: http://www.ppegeo.igc.usp.br/index.php/rbg/article/view/9339. Acesso 04-06-2019.

Camargo, O; Moniz; A; Jorge, J; Valadares, J. 2009. Métodos de Análise Química, Mineralógica e Física de Solos do Instituto Agronômico de Campinas. Instituto Agronômico de Campinas, Campinas. (Boletim Técnico 106)

Carvalho, A; Magalhões Junior, A.P. 2018. O PAPEL DOS PROCESSOS FLUVIAIS NA CONFIGURAÇÃO DE FUNDOS DE VALE NA BACIA DO RIO PARAÚNA – SERRA DO ESPINHAÇO MERIDIONAL, SUDESTE DO BRASIL. Revista Brasileira de Geomorfologia 19, 691-708. DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v19i4.1354

Castro, S; Cooper, M. 2019. Fundamentos de micromorfologia de solos, 1 ed. SBCS, Viçosa.

Celarino, A. 2011, Análise cronológica e pedológica de uma topossequência na Estação Ecológica de Jataí, Luis Antonio - SP: Relação entre processos pedogenéticos na vertente e na planície aluvial do rio Mogi Guaçu. Tese (dissertação). Campinas, IG-UNICAMP.

Celarino, A. O Quaternário Tardio na bacia do rio Pardo (MG e SP): analíses morfométricas e evidências paleoambientais preservadas em solos e sedimentos de planícies fluviais. 2015. Tese (doutorado). Campinas, IG-UNICAMP.

Cheliz, P.M. 2010. Geoecologia de um segmento oriental dos campos de Araraquara. Araraquara.

Cheliz, P.M. 2011, Implicações quaternárias da geomorfogênese de um segmento das cuestas basálticas: Aspectos geomorfológicos e arqueológicos. In: Anais do XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA. III Encontro do Quaternário Sulamericano. XIII ABEQUA Congress - The South American Quaternary: Challenges and Perspectives. ABEQUA, Buzius. Disponível em: http://www.abequa.org.br/diretoria.php . Acesso em 04-06-2019

Cheliz, P.M. 2012, Dinâmica fluvial Quaternária e influência estrutural no modelado do relevo: Ponderações a partir das cuestas concêntricas. In: Anais do I Congresso de Geologia dos Países de Língua Portuguesa / 46 Congresso Brasileiro de Geologia. Sociedade Brasileia de Geologia, Santos. Disponível em: http://www.sbgeo.org.br/home/pages/44 Acesso em 04-06-2019

Cheliz, P. 2013. Bases físico-ambientais da pesquisa arqueológica: o Estado de São Paulo. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, 23, 49-60. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2013.106835

Cheliz, P.M. 2013, Quadros ambientais e ocupação humana pretérita: bases físicas da pesquisa arqueológica em Araraquara. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/337324327_QUADROS_AMBIENTAIS_E_OCUPACAO_HUMANA_PRETERITA_BASES_FISICAS_DA_PESQUISA_ARQUEOLOGICA_EM_ARARAQUARA_-_Relatorio_Final_das_Atividades_Desenvolvidas_no_MAPA_Museu_de_Arqueologia_e_Paleontologia_de_Arara Acesso em 04-06-2019

Cheliz, P.M. 2015, Interface entre quadros de relevo cuestiformes e registros arqueológicos líticos: cercanias de Araraquara, nordeste paulista, São Paulo, Brasil. Meridiano - Revista de Geografía 4, 135-160.

Cheliz, P.M. 2016, Aspectos geomorfológicos da antiga Araraquara, com ênfase em subsídios para interface entre quadros de relevo e sítios arqueológicos líticos. Tese (monografia), IG-UNICAMP.

Cheliz, P.M. & Ladeira, F.S.B. 2017, Contextualização de aspectos geomorfológicos e da cobertura superficial do Sítio Boa Esperança II (interior paulista), como subsídio para a discussão de sua antiguidade. In: Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento. IG-UNICAMP, Campinas. DOI: 10.20396/sbgfa.v1i2017.2530

Cheliz, P.M; Ladeira, F.S.B; Araujo, A; Santos, F.G; Rodrigues, R; Oliveira; R.C; Feathers, J. 2018 INTERFACE ENTRE QUADROS DE RELEVO, FLUTUAÇÕES AMBIENTAIS E SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS LÍTICOS DA ANTIGA ARARAQUARA (INTERIOR DE SP), COM ENFOQUE EM PARCELA DAS TERRAS BAIXAS DO JACARÉ-GUAÇU (SÍTIO BES II). In: Anais do 49o Congresso Brasileiro de Geologia. Palermo, N; Araujo Jr, H. Machado, F; Corval, A; Valente, S; Dal`Bó, P., Rio de Janeiro. Disponível em: http://cbg2018anais.siteoficial.ws/anexos/st7/9177.pdf Acessado em 04-06-2020.

Cheliz, P.M.; Oliveira, R.C. 2011. A antiguidade da presença humana em São Paulo: uma discussão interdisciplinar. In: Anais do Congresso Interno do Programa Institucional de Iniciação Científica da UNICAMP. UNICAMP, Campinas.

Cruz, F.W., Burns, S.J., Karmann, I., Sharp, W.D., Vuille, M., Cardoso, A.O., Ferrari, J.A., Silva Dias, P.L., Viana Jr., O., 2005. Insolation-driven changes in tmospheric circulation over the past 116 ky in subtropical Brazil. Nature, 434, 63-66. DOI: 10.1038/nature03365

Cunha, P., Cura, S., Cunha Ribeiro, J., Figueiredo, S., Martins, A., Raposo, L., Pereira, T., & Almeida, N. 2017. The Lower and Middle Palaeolithic industries associated with the T4 Terrace of the Lower Tejo River (Central Portugal); Archives of the earliest human occupation on western Iberia, during ca. 340 ka to 155 ka ago Journal of Lithic Studies, 4, 27-56. https://doi.org/10.2218/jls.v4i3.2531

Cunha, P.P.; Martins, A.A.; Buylaert, J.-P.; Murray, A.S.; Gouveia, M.P.; Font, E.; Pereira, T.; Figueiredo, S.; Ferreira, C.; Bridgland, D.R.; Yang, P.; Stevaux, J.C.; Mota, R. 2019 The Lowermost Tejo River Terrace at Foz do Enxarrique, Portugal: A Palaeoenvironmental Archive from c. 60–35 ka and Its Implications for the Last Neanderthals in Westernmost Iberia. Quaternary 2, 1-30. Doi: 10.3390/quat2010003

Dunnell, R. C.; Stein, J. K. 1989 Theoretical Issues in the Interpretation of microartefacts. Geoarchaeology: An International Journal 4, 31-42. DOI: https://doi.org/10.1002/gea.3340040103

Dias, R. Geocronologia da cobertura superficial em níveis geomorfológicos do setor centro-ocidental na Depressão Periférica Paulista. 2015. Tese (doutorado). Campinas, IG-UNICAMP.

EMBRAPA. 2006. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2ª Edição. Brasília: Embrapa Produção de Informação; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 306p.

Gesicki, A.L.D. 2007. Evolução diagenéticas das formações Piramboia e Botucatu (Sistema Aquífero Guarani) no Estado de São Paulo. Tese de Doutorado. São Paulo, Instituto de Geociências de São Paulo. 156p.

Giannini, P.C.F.; Sawakuchi, A.O.; Fernandes, L.A.; Donatti, L.M. 2004. Paleoventos e paleocorrentes subaquosas do Sistema Deposicional Pirambóia nos estados de São Paulo e Paraná, Bacia do Paraná: estudo baseado em análise estatística de dados azimutais. São Paulo, Revista Brasileira de Geociências 34,: 282-292.

Goudie, A. 2013, Arid and semi-arid geomorphology. Cambridge University Press, Cambridge. DOI:10.1017/cbo9780511794261

Hazelwood, K.T; Stetler, L.D. 2019 New insights into the fluvial geomorphology and its effects on paleofloods in the Black Hills, South Dakota, Geomorphology 327,80-92. DOI: https://doi.org/10.1016/j.geomorph.2018.10.017

Hossain, S; Imranuzzaman, M. 2019. Identification of the architecture and evolution of fluvial system using seismic geomorphology: A case study from Gulf of Thailand, Journal of Natural Gas Geoscience 4, 29-46. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jnggs.2019.02.001.

IGC. 2020. Compilação e integração digital das cartas topográficas em escala 1:10000 para o Estado de São Paulo. Disponível em: http://datageo.ambiente.sp.gov.br/app/#

Kemp, J; Pietsch, T; Gontz, A; Olley, J. 2017. Lacustrine-fluvial interactions in Australia's Riverine Plains. Quaternary Science Reviews 166, 352-362. DOI: https://doi.org/10.1016/j.quascirev.2017.02.015.

Krynine, P. 1950. Petrology, stratigraphy, and origin of the Triassic sedimentary rocks of Connecticut. Tese (doutorado). New Haven, Yale University.

Lima, K. C, Lipinacci, C. M. 2019 MORFOLOGIAS FLUVIAIS EM AMBIENTE SEMIÁRIDO: QUESTÕES TEÓRICAS APLICADAS A UM ESTUDO DE CASO. Revista Brasileira de Geomorfologia 20. 475-490. DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v20i3.1597

Lupinacci, C; Souza, T. 2019 TERRAÇOS FLUVIAIS COMO INDICADORES DA DINÂMICA GEOMORFOLÓGICA NO QUATERNÁRIO: ESTUDO DE CASO NA DEPRESSÃO PERIFÉRICA PAULISTA. Revista Brasileira de Geomorfologia 20, 427-444. 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v20i2.

Meaulo, F. 2007. Caracterização geológica, hidrogeológica e o mapeamento da vulnerabilidade natural à poluição dos aqüíferos, na escala 1:25.000, das áreas urbana e de expansão do município de Araraquara-SP. Tese (doutorado). Rio Claro, IG-UNESP.

Meira, F.C; Stevaux, J.C; Torrado, P.V; Assine, M.L. 2019. COMPARTIMENTAÇÃO E EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA PLANÍCIE DO RIO CUIABÁ, PANTANAL MATO-GROSSENSE. Revista Brasileira de Geomorfologia 20, 159-183. DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v20i1.1444

Merino, E; Assine, M; Pupim, F. ESTILOS FLUVIAIS E EVIDÊNCIAS DE MUDANÇAS AMBIENTAIS NA PLANÍCIE DO RIO MIRANDA, PANTANAL. 2013 Revista Brasileira de Geomorfologia 14, 127-134. DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v14i2.246

Macedo, H.A; Assine, M.L, Pupim, F.M, Merino, E.R; Stevaux, J.C; Silva, A. 2014. MUDANÇAS PALEO-HIDROLÓGICAS NA PLANÍCIE DO RIO PARAGUAI, QUATERNÁRIO DO PANTANAL. Revista Brasileira de Geomorfologia 15, 75-85. DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v15i1.431

Oliveira, S; Pupin, F; Stevaux, J; Assine, M. 2019 Luminescence Chronology of Terrace Development in the Upper Paraná River, Southeast Brazil. Frontiers in Earth Science 7, 1-17. DOI: https://doi.org/10.3389/feart.2019.00200

Passos, M.S; Soares, E; Tatumi, S.T/ Yee, M; Mittani, J.C.R; Hayakawa, E.H; Salazar, C.A. 2020. Pleistocene-Holocene sedimentary deposits of the Solimões-Amazonas fluvial system, Western Amazonia, Journal of South American Earth Sciences 98, https://doi.org/10.1016/j.jsames.2019.102455.

Peña-Monné, J.K; Sampietro-Vattuone, M.M; Longares-Aladrén, L.A; Pérez-Lambán, F; Sánchez-Fabre, M; Alcolea-Gracia, M; Vallés, L; Echeverría-Arnedo, M.T; BARAZA, C. 2018. HOLOCENE ALLUVIAL SEQUENCE IN THE VAL DE ZARAGOZA (LOS MONEGROS) IN THE PALAEOENVIRONMENTAL CONTEXT OF THE EBRO BASIN (NE SPAIN). Cuadernos de Investigación Geográfica 44, 1-17. DOI: http://doi.org/10.18172/cig.3358. PP 321-348

Penteado M. Geomorfologia do Setor Centro-Ocidental da Depressão Periférica Paulista. 1976. Tese (doutorado). São Paulo, IG-USP.

Pupim, F.N; Sawakuchi, A.O. Almeida, R.P.; Ribas, C.C; Kern, A.K, Hartmann, G.A; Chiessi, C.M; Tamura, L.N; Mineli, T.D; Savian, J.F.; Grohmann, C.H; Bertassoli, D.J.. Stern, A.G; Cruz, F.W.; Cracraft, J. 2019. Chronology of Terra Firme formation in Amazonian lowlands reveals a dynamic Quaternary landscape. Quaternary Science Reviews 210, 154-163. DOI: https://doi.org/10.1016/j.quascirev.2019.03.008

Qi'an, M; Shun, Z; Guoxin, S; Xiuli, F; Chao, W; Yao, S. 2016 A seismic geomorphology study of the fluvial and lacustrine-delta facies of the Cretaceous Quantou-Nenjiang Formations in Songliao Basin, China,

Marine and Petroleum Geology 78, 836-847. DOI: https://doi.org/10.1016/j.marpetgeo.2016.01.017

Ricci, O. Microartefatos e análise geoarqueológica: um estudo de caso da região de Rio Claro – SP. 2018. Dissertação (mestrado). São Paulo, Museu de Arqueologia e Etnologia-USP.

Santos, F.G. 2011, Sítios líticos do interior paulista: Um enfoque regional. Tese (mestrado). São Paulo, Museu de Arqueologia e Etnologia-USP.

Santos, F.G. 2013, Abordagem teórica sobre o estudo de sítios líticos no interior do estado de São Paulo, Brasil. Techné, 1, 39-49.

Santos, F.G; Cheliz, P.M. 2017. ASPECTOS DO SÍTIO LÍTICO BOA ESPERANÇA II (INTERIOR PAULISTA), PONDERADOS PELA INTERFACE COM QUADROS GEOMÓRFICOS REGIONAIS E SUA POSSÍVEL INSERÇÃO NO CONTEXTO DA TRANSIÇÃO PLEISTOCENO-HOLOCENO. Cadernos do Lepaarp 14, 435-457. DOI: HTTP://DX.DOI.ORG/10.15210/LEPAARQ.V14I27.10144

Souza, M.M. 2010, Palinologia em sedimentos quaternários, localizados na Estação do Instituto Florestal de Jataí, SP. Tese (mestrado). Campinas, IG-UNICAMP

Turcq, B.; Pressinotti, M. M. N.; Martin, L. 1997. Paleohydrology and paleoclimate of the Past 33,000 years at the Tamanduá River, Central Brazil. Quaternary Research, 47, 284-294

Veneziani, Y; Rodrigues, Cl. 2019 Geomorfologia fluvial do Baixo Ribeira do Iguapé, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia 20, 541-562 DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v20i3.1545

Zanettini Arqueologia. 2003. Relatório final do Programa Arqueológico Gasoduto Araraquara / Norte - Trecho Boa Esperança do Sul - Araraquara, estado de São Paulo. Relatório técnico de licenciamento ambiental, não publicado.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.5.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License