Erosividade da chuva no município de Juramento-MG no período de 1987 a 2019

José Ângeles Moreira de oliveira

Resumo


O conhecimento da capacidade de erosão das chuvas de uma determinada região, permite uma melhor orientação para adoção das melhores práticas de manejo e conservação do solo, visando sempre reduzir os impactos da erosão hídrica. Sendo assim, o objetivo do trabalho foi calcular a taxa de erosividade da chuva (R) pelo índice EI30, visando um melhor planejamento para tomada de decisão no setor agrícola. Para a realização do trabalho foi utilizada uma série de dados históricos entre os anos de 1987 a 2019, relativos à precipitação no município de Juramento-MG. O município de Juramento – MG classifica-se como de erosividade moderada a forte com fator erosividade (R) de 7.216,0 MJ mm ha-1 h-1. Os maiores índices de erosividade encontrados foram nos meses de dezembro 7.912,8 MJ mm ha-1 h-1 e janeiro 10.289,2 MJ mm ha-1 h-1, coincidindo com os meses mais chuvosos 614,1 e 614,5 mm, respectivamente, e os meses de julho e agosto apresentaram com os menores índices de erosividade 4,9 MJ mm ha-1 h-1 e 8,0 MJ mm ha-1 h-1, respectivamente, sendo estes os meses de menores precipitações 2,1 mm e 3,0 mm.


Palavras-chave


conservação do solo, erosão hídrica, fator erosividade.

Referências


Carvalho, D.F.; Cruz, E.S.; Marinaldo, F.P.; Silva, L.D.B.; Guerra, J.G.M. 2009. Características da chuva e perdas por erosão sob diferentes práticas de manejo do solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 13, 3-9.

Carvalho, N.O. 2008. Hidrossedimentologia prática, 2. ed. Interciência, Rio de Janeiro.

Cassol, E.A.; Eltz, F.L.F.; Martins, D.; Lemos, A.M.; Lima, V.S.; Bueno, A.C. 2008. Erosividade, padrões hidrológicos, período de retorno e probabilidade de ocorrência das chuvas em São Borja, RS. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32, 1239-1251.

Foster, G.R.; Mccool, D.K.; Renard, K.G.; Moldenhauer, W.C. 1981. Conversion of the Universal Soil Loss Equation to SI metric units. Journal of Soil and Water Conservation 36, 355-359.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/juramento/pesquisa/24/76693>. Acesso em: 02 fev. 2020.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População estimada: Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2019. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/juramento/panorama>. Acesso em: 04 fev. 2020.

INMET - Instituto Nacional de Meteorologia. Banco de dados meteorológicos para ensino e pesquisa. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2020.

Matos, R. M. DE; Silva, P. FE. DA; Medeiros, R. M. DE; Saboya, L. M. F; Borge, V. E; Sobrinho, T. G. 2017 Erosividade da chuva no período de 1973 a 2013 no município de Barbalha – CE. Revista Brasileira de Geografia Física v.10, n.3, 641-649.

Menezes, M.D.; Leite, F.P. 2011. Avaliação e espacialização da erosividade da chuva no Vale do Rio Doce, região centro-leste de Minas Gerais. Revista Brasileira de Ciência do Solo 34, 1029-1039.

Nunes, Y.R.F.; Fagundes, M.; Santos, R.M.; Domingues, E.B.S.; Almeida, H.S.; Gonzaga, A.P.D. 2005. Atividades fenológicas de Guazuma ulmifolia Lam. (Malvaceae) em uma Floresta Estacional Decidual no norte de Minas Gerais. Lundiana, v.6, n.2, p.99-105.

Nunes, Y.R.F.; Luz, G.R.; Braga, L.L. 2012. Phenology of tree species populations in tropical dry forests of Southeastern Brazil. In: ZANG, X. (Ed.). Phenology and climate change. Rijeka: Intech. p.125-142.

Oliveira, P.T.S., Wendland, E., Nearing, M.A. 2012. Rainfall erosivity in Brazil: A review. Catena, 100:139-147.

Peñalva-Bazzano, M.G., Eltz, F.L.F., Cassol, E.A. 2010. Erosividade e características hidrológicas das chuvas de Rio Grande (RS). Revista Brasileira de Ciência do Solo 34, 235-244.

Santos, T.E.M., Montenegro, A.A.A. 2012. Erosividade e padrões hidrológicos de precipitação no Agreste Central pernambucano. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 16, 871-880.

Schick, J., Bertol, I., Cogo, N.P., González, A.P. 2014. Erodibilidade de um Cambissolo Húmico sob chuva natural R. Bras. Ci. Solo, 38:1906-1917.

Silva, M.A., Silva, M.L.N., Curi, N., Santos, G. R., Marques, J.J.G.S.E.M.; Menezes, M.D., Leite, F. P. 2010. Avaliação e espacialização da erosividade da chuva na bacia experimental do riacho Mimoso, no semiárido pernambucano. Revista Brasileira Ciência do Solo 34, 1029-1039.

Wischmeier, W.H. 1959. A rainfall erosion index for a Universal Soil-Loss Equation. Soil Science Society of America Proceedings 23, 246-249.

Wischmeier, W.H. 1976. Use and misuse of the universal soil loss equation. J. Soil Water Conserv., 31:5-9.

Wischmeier, W.H., Smith, D. D. 1958. Rainfall energy and its relationship to soil loss. Transactions of the American Geophysical Union 39, 285-291.

Wischmeier, W.H., Smith, D.D. 1978. Predicting rainfall erosion losses: a guide to conservation planning, No. 537. USDA, Washington.

Wischmeier, W.H.; Johnson, C.B.; Cross, B.V. 1971. A soil erodibility nomograph for farmaland and construction sites. Journal of Soil and Water Conservation 26, 189-193.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v1.1.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License