PATRIMÔNIO CULTURAL URBANO: O TOMBAMENTO DO MOSTEIRO DE SÃO BENTO DE OLINDA

Samara de Rezende Mariano, Ricardo de Aguiar Pacheco

Resumo


A história do patrimônio é amplamente entendida como a história da maneira como uma sociedade seleciona os objetos representativos de seu passado na articulação entre cultural, social e político. No Brasil as narrativas sobre o Patrimônio Cultural foram construídas através dos discursos oficiais produzidos por intelectuais associados a formulação e implementação das políticas patrimoniais. Essas visavam a criação de uma memória e identidade nacional. O objetivo desse artigo é identificar a importância do tombamento do Mosteiro de São Bento de Olinda para a cidade de Olinda. Para isso consultamos o processo de tombamento promovido pelo SPHAN. Nele identificamos os agentes envolvidos – técnicos do Sphan e o Abade do Mosteiro de São Bento – e os seus interesses no tombamento. Neste artigo identificamos que, após a solicitação feita por Rodrigo de Melo Franco de Andrade, o Abade José Bonifácio Jansem, responsável pela propriedade, inicialmente resiste ao tombamento. Mesmo assim o Sphan inscreveu o Mosteiro de São Bento de Olinda nos livros de tombo Histórico e no livro de tombo das belas artes como obra pertencente a arquitetura religiosa evidenciando a força deste órgão para a implementação de suas ações.

Palavras-chave


Patrimônio Cultural; tombamento; Preservação; Identidade

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017

 

 

 

 

Indexadores e Bases bibliográficas:

                    

 

 

 

Programa de Pós Graduação em História - PGH UFRPE

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Rua Dom Manuel de Medeiros, s/nº

Dois Irmão, Recife, PE, CEP: 52171-010

Prédio Professor Ariano Suassuna (1º Andar) 

ISSN: 2525-6092

 

 

 

Licença Creative Commons

A Revista Rural & Urbano está licenciado com uma Licença Creative Commons