Contribuições da noção de referenciação para análise da narrativa oral no contexto da atrofia cortical posterior

Caio Mira, Katiuscia de Almeida Custódio

Resumo


A Atrofia Cortical Posterior (doravante, ACP) é uma patologia neurodegenerativa que afeta, dentre outras funções, a linguagem. Nesse contexto, o presente trabalho analisa uma narrativa produzida em interação face a face com umapessoa acometida por essa doença. Como fundamentação teórica e analítica deste trabalho, mobilizaremos as dimensões da narrativa (OCHS; CAPPS, 2001) e a noção de referenciação (MONDADA; DUBOIS, 2003; KOCH, 2002). Os resultados de nossas análises demonstram que as estratégias referenciais e a negociação de objetos de discurso são elementos que constituem, do ponto de vista textual e interativo, a performance narrativa da pessoa acometida pela ACP.


Texto completo:

PDF

Referências


APOTHÉLOZ; D.; REICHLER-BÉGUELIN, M. J. Construction de la référence et stratégies de désignation. Tranel (Travaux Neuchâtelois de Linguistique), v. 23, 1995, p. 227-271.

BENSON, D. F., DAVIS, R. J.; SNYDER, B. D. Posterior Cortical Atrophy. Archives of Neurology, v. 45, 1988, p. 789-793.

CAPRILE, C. et al. Atrofia Cortical Posterior. Perfil neuropsicológico y diferencias com la enfermedad de Alzheimer típica. Revista de Neurología, v. 48, n. 4, 2009, p. 178-182.

CASTILHO, A. T. de. Para uma Gramática do Português Brasileiro. In: Jubran, C. S. (org.) A Construção do Texto Falado. Gramática do Português Culto Falado no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2015, p. 9-25.

CASTRILLÓN, J. C.; AGUIRRE, D.C.; LOPERA, F. Perfíl clínico y cognitivo de la atrofia cortical posterior y sus diferencias con la enfermedad de Alzheimer esporádica tardía y familiar precoz. Acta Neurológica Colombiana, v. 26, n. 2, 2010, p. 75-86.

CERA, M. L. Apraxia de fala e apraxia não-verbal na doença de Alzheimer. (Tese de Mestrado). Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2010.

CLARK, H. C. Using Language. New York: Cambridge University Press, 1996.

CRUTCH, S. J., et al. The language profile of Posterior Cortical Atrophy. Journal of Neurology, Neurosurgery and Psychiatry, v. 84 n. 4, 2013, p. 460-466.

FLANNERY, M. R. S. Reflexões sobre as abordagens linguísticas para o estudo da narrativa oral. Letras de Hoje, v. 46 n. 1, 2011, p. 112-119.

GUSMÃO, S. S.; CAMPOS, G. B.; TEIXEIRA, A. L. Exame Neurológico: Bases anatomofuncionais. Rio de Janeiro: Revinter, 2007.

HYDÉN, L. C. Narrative collaboration and scaffolding in dementia. Journal of Aging Studies, v. 25 n. 4, 2011, p. 339-347.

______. Entangled Narratives: collaborative storytellying and re-imagining of dementia. New York: Oxford University Press, 2018.

MARTINS JR., et al. Semiologia Neurológica. Rio de Janeiro: Revinter, 2017.

JUBRAN, C. C. A. S. O discurso como objeto-de-discurso em expressões nominais anafóricas. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 44, 2003, p. 93-103.

KOCH, I. G. V. Linguagem e Cognição: reconstrução de objetos-de-discurso. Veredas, Revista de Estudos Linguísticos, v. 6, n. 1, 2002, p. 29-42.

______. A Referenciação como construção sociocognitiva: o caso dos rótulos. Revista de Estudos Linguísticos, v. 16, n. 1, 2008, p. 201-213.

______. Introdução à Linguística Textual: trajetória e grandes temas. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

LABOV, W.; WALETZKY, J. Narrative Analysis: Oral Versions of Personal Experience. The Journal of Narrative and Life History, v. 7, n. 1-4, 1967, p. 3-38.

LEITE, M. Q., et al. A Análise da Conversação no Grupo de Trabalho Linguística do Texto e Análise da Conversação da Associação Nacional de Pós-Graduação em Letras e Linguística. In: LEITE, M. Q.; BENTES, A. C. (Org.). Linguística de Texto e Análise da Conversação: panorama das pesquisas no Brasil. (p. 49-87). São Paulo: Cortez Editora, 2010.

MAGNIN, E. et al. Logopenic syndrome in posterior cortical atrophy. Journal of Neurology, v. 260, 2013, p. 260-533.

MARCUSCHI, L. A. Análise da Conversação. São Paulo: Editora Ática, 1998.

MONDADA; L.; DUBOIS, D. Construção dos objetos de discurso e categorização: Uma abordagem dos processos de referenciação. In: CAVALCANTE, M. M., RODRIGUES, B. B., & CIULLA, A. (Org.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003, p. 17-52.

OCHS, E.; CAPPS, L. Living Narrative: creating lives in everyday storytelling. Cambridge: Harvard University Press, 2001.

OLIVEIRA, L. M. de; BASTOS, L. C. Aspectos da dinâmica interacional da narração de histórias por pessoas com afasia. Calidoscópio, v. 10, n. 2, 2012, p. 194-210.

QUENTAL, N. B. M. Funções visuoespaciais na doença de Alzheimer de intensidade leve - uso de bateria VOSP (Visual Object and Space Perception) em nosso meio. 2011. 75 f. Tese (Mestrado em Psicobiologia). Programa de Pós-Graduação em Psicobiologia, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2010.

SERINO, J. et al. Atrofia Cortical Posterior – uma possível causa para as queixas visuais. Revista Oftalmologia, v. 38, 2014, p. 219-222.

TANNEN, D.; WALLAT, C. Interaction Frames and Knowledge Schemas in Interaction: Examples from a Medical Examination/Interview. Social Psychology Quarterly, v. 50, 1987, p. 205-217.

WANG, X-D. et al. A pilot study on clinical and neuroimaging characteristics of Chinese Posterior Cortical Atrophy: comparison with typical Alzheimer’s Disease. PLOS ONE, v. 10, n. 8, 2015, p. 1-12.

WOOD, D. J.; BRUNER, J. S.; ROSS, G. The Role of Tutoring in Problem Solving. Journal of Child Psychiatry and Psychology, v. 17, 1976, p. 89-100.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.