Quilombo Campinho da Independência, Paraty (RJ): território étnico e a luta por uma educação diferenciada

Ediléia CARVALHO, Diogo Marçal CIRQUEIRA

Resumo


Este artigo objetiva contribuir para o tema da educação escolar quilombola. Para tanto se debruça sobre a história da comunidade Campinho da Independência, Paraty, RJ ao protagonizar uma experiência de educação diferenciada calcada na pedagogia do seu território. A coleta de dados ocorreu entre os anos de 2012 e 2019 e contou com: etnografia; entrevistas com as principais lideranças políticas das comunidades pesquisadas; análise de documentos oficiais disponíveis na escola e Secretaria Municipal de Educação. A experiência aqui investigada deriva de uma demanda comunitária acionada por uma política educacional específica, diferenciada e fragilizada em tempo tão algozes. Dessa forma, diante de um cenário político marcado pelo retrocesso de algumas dessas políticas, que vinham consolidando-se em governos anteriores, compreendemos que a experiência aqui trazida reflete processos de luta contra-hegemônica e decoloniais à medida que são protagonizadas de e a partir de sujeitos “Outros”, que sofreram uma história de submissão e subalternização.

 

Educação escolar quilombola. Território Quilombola. Educação Diferenciada. Quilombos.

 

Quilombo Campinho De Independência, Paraty (Rj): Ethnic Territory And The Fight For A Differentiated Education

 ABSTRACT

This article aims to contribute to the theme of quilombola school education. In order to do so, it focuses on the history of struggle and resistance of the Campinho da Independência community in Paraty, Rio de Janeiro, Brazil, as a differentiated education experience based on the pedagogy of its territory. The data collection took place between the years of 2012 and 2019 and counted on: ethnography; interviews with the main political leaders of the communities surveyed; analysis of official documents available at the school and Municipal Department of Education. The experience investigated here derives from a community demand triggered by a specific educational policy, differentiated and weakened in times so bad. Thus, in the face of a political scenario marked by the regression of some of these policies, which were consolidating in previous governments, we understand that the experience brought here reflects processes of counter-hegemonic and decolonial struggle as they are carried out in and out of subjects "Others", who suffered a history of submission and subalternization.

 

Quilombola school education. Quilombola Territory. Differentiated Education. Quilombos.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, R. S. A. Quilombos: geografia africana-cartografia étnica – territórios tradicionais. Brasília: Mapas, 2009.

____. Territorialidade quilombola: fotos & mapas. Brasília: Mapas, 2011.

ARROYO, Miguel G. Outros sujeitos, outra pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

ARRUTI, José Maurício; MAROUN, Kalyla e CARVALHO, Ediléia. Educação quilombola em debate: A escola em Campinho da Independência (RJ) e a proposta de uma Pedagogia Quilombola.In: CUNHA, Ana Stela de Almeida (Org). Construindo Quilombos, desconstruindo mitos: a Educação Formal e a realidade quilombola no Brasil. São Luís: SETAGRAF, 2011, p. 29- 43.

ARRUTI, José Maurício. “Políticas Públicas para quilombos: Terra, Saúde e Educação” In: Marilene de Paula e Rosana Heringer. (Org.). Caminhos Convergentes - Estado e Sociedade na Superação das desigualdades Raciais no Brasil, Rio de Janeiro: Fundação HenrichBoll, ActionAid, v. 1, p. 75-110. 2009.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Educação Popular. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escola Quilombola. Brasília, DF: 2012.

CANÁRIO, R. A escola tem futuro: das promessas às incertezas. São Paulo: ARTMED, 2006.

CANDAU, Vera Maria (org.). Sociedade, educação e cultura (s): questões e propostas. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

____. (Org.). Reinventar a escola. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

CARPENEDO, M. Quando a resistência se torna política pública. Analisando a produção de subjetividade(s) nas políticas públicas de equidade de gênero no campo do trabalho. 150 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

CARVALHO, Ediléia. “Tem que partir daqui, é da gente”: a construção de uma escola “outra” no Quilombo Campinho da Independência, Paraty-RJ. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 2016.

____. CASTRO-GÓMEZ. Santiago. La poscolonialidad explicada a los niños. Bogotá: Editorial Universidad del Cauca; Instituto Pensar/Universidad Javeriana, 2005.

GOMES, Flávio dos Santos. Mocambos e Quilombos: Uma história do campesinato negro no Brasil -1 ed, - São Paulo: Claro Enigma, 2015

GUSMÃO, Neusa M. M. Campinho da Independência: um caso de proletarização Caiçara. São Paulo: PUC, 1979.

MAINARDES, Jeferson. Abordagem do ciclo das políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade. Campinas, SP, v. 27, n. 94, p. 47-69, 2006.

MAROUN, Kalyla. Jongo e educação: a construção de uma identidade quilombola a partir dos saberes étnico-culturais do corpo. Tese (Doutorado). Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Educação. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC/RIO, 2013.

MAROUN, Kalyla e CARVALHO, Ediléia. Experiências de Educação Quilombola: As relações entre escola e comunidade. Revista FAEEBA – Ed. e Contemp., Salvador, v. 26, n. 49, p. 87-102, maio/ago. 2017.

MAROUN, K., NORONHA, Suely, CARVALHO, Ediléia. Educação escolar quilombola: Diálogos e interfaces entre experiências locais e a institucionalização de uma nova experiência de educação no Brasil. ANPED, 2013.

NASCIMENTO, Beatriz. Kilombo e memória comunitária: um estudo de caso. Rio de janeiro, Estudos Afro-Asiáticos 6-7, 1982c, pp. 259-265.

SANTOS, Laura Maria. In: SOLARI, Patrícia (org.). Vivência de saberes: Quilombo Campinho da Independência. Paraty, RJ: UNESCO, 2008.

SOUZA, Vanessa Marcondes. LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. A educação formal enquanto estratégia de luta dos povos caiçaras da Península da Juatinga, Paraty/RJ. Revista Cadernos de Educação. Nº 51, 2015-UFPeL.

WALSH, Catherine; GARCÍA, Juan. “El pensar del emergente movimiento afroecuatoriano: Reflexiones (des) de un processo”. In: MATO, Daniel (org.). Estudios y Otras Prácticas Intelectuales Latinoamericanas en Cultura y Poder. Caracas: CLACSO, 2002, pp. 317-326.

____. Etnoeducación e interculturalidad en perspectiva decolonial. In: Seminario Internacional Etnoeducacion e Interculturalidad, 4., 2011, Lima, Perú. Anais... Lima, Perú: CEDET, 2011.

____. Interculturalidad y (de)colonialidad: Perspectivas críticas y políticas. Visão Global, Joaçaba, v. 15, n. 1-2, p. 61-74, jan./dez. 2012.

____. Notas pedagógicas a partir das brechas decoloniais. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Interculturalizar, descolonizar, democratizar: uma educação “outra”? Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016, pp. 64-75.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v5i8.241593

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.