Concepções de diversidade na Base Nacional Comum Curricular – BNCC

Eliane Fernandes Gadelha ALVES, Dorivaldo Alves SALUSTIANO

Resumo


Este artigo apresenta resultados de uma pesquisa documental que teve como objetivo identificar concepções de diversidade no texto da Base Nacional Comum Curricular - BNCC, documento normativo que orientará as escolas na definição e/ou reelaboração de seus currículos. Foram identificadas as concepções universalista, celebratória e crítico-discursiva, com predominância da universalista e da celebratória, evidenciando que a cultura do silenciamento da diversidade se mantém hegemônica nesta política curricular ao enfatizar a uniformidade e a padronização de conhecimentos e indivíduos, secundarizando as diferenças culturais, étnicas, identitárias de vários coletivos de sujeitos (negros, quilombolas, índios, camponeses, mulheres, dentre outros) que reivindicam visibilidade e reconhecimentos em políticas curriculares. Os lugares e significados atribuídos à diversidade no corpus analisado evidenciam que a BNCC se constitui como referencial curricular que prioriza conhecimentos essencializados e universalistas, ao atribuir-lhes destaque em relação aos conhecimentos diversificados e enfatizar um ensino baseado em competências performativas para o mercado de trabalho.

Concepções de Diversidade. Base Nacional Comum Curricular - BNCC. Políticas Curriculares. Sujeitos Sociais. 


ABSTRACT

This article presents results of a documentary research whose central objective sought to identify the concepts of diversity in the text of the National Common Base Curriculum - BNCC, a normative document that will guide schools in the definition and/or reconstruction of their curricula. Universalist, celebratory and critical-discursive concepts were identified. Universalist and celebratory predominated, showing that the culture of silencing diversity remains hegemonic in this curricular policy, which emphasizes the uniformity and standardization of knowledge and individuals, secondary to cultural, ethnic, and identity differences of various collective groups (blacks, quilombolas, natives, peasants, women, landless, among others) who demand visibility and recognition in curricular policies. The places and meanings attributed to diversity in the analyzed corpus show that the BNCC is a curricular reference that prioritizes essentialized and universalist knowledge, by giving it prominence in relation to diversified knowledge, and emphasizing competencebased teaching performative for the labor market. 

Diversity concept. National Common Base Curriculum – BNCC. Curriculum Policies. Social Individuals.


RESUMEN

Este artículo presenta los resultados de una investigación documental que tuvo como objetivo identificar conceptos de diversidad en el texto de la Base Curricular Común Nacional - BNCC, un documento normativo que guiará a las escuelas en la definición y / o reelaboración de sus planes de estudio. Se identificaron concepciones universalistas, celebrativas y discursivas críticas, con predominio de universalistas y celebrativas, que muestran que la cultura de silenciar la diversidad sigue siendo hegemónica en esta política curricular al enfatizar la uniformidad y la estandarización del conocimiento y los individuos, secundaria a las diferencias culturales. , identidad étnica, de diversos colectivos de sujetos (negros, quilombolas, indios, campesinos, mujeres, entre otros) que exigen visibilidad y reconocimiento en las políticas curriculares. Los lugares y significados atribuidos a la diversidad en el corpus analizado muestran que BNCC se constituye a sí mismo como una referencia curricular que prioriza el conocimiento esencializado y universalista, dándoles importancia en relación con el conocimiento diversificado y enfatizando la enseñanza basada en habilidades performativas para el mercado laboral.

Concepciones de Diversidad. Currículo Nacional de Base Común – BNCC. Políticas Curriculares. Temas Sociales.


RIASSUNTO

Questo articolo presenta i risultati di una ricerca documentaria volta a identificare i concetti di diversità nel testo della National Curricular Base – BNCC, un documento normativo che guiderà le scuole nella definizione e / o rielaborazione dei loro curricula. Sono state identificate concetti universaliste, celebrative e discorsive-critiche, con una predominanza di universalista e celebrativa, dimostrando che la cultura del silenziamento della diversità rimane egemonica in questa politica curricolare enfatizzando l'uniformità e la standardizzazione della coscienza e degli individui, secondarie alle differenze culturali , etnica, identità di vari collettivi di soggetti (neri, quilombole, indiani, contadini, donne, tra gli altri) che richiedono visibilità e riconoscimento nelle politiche curricolari. I luoghi e i significati attribuiti alla diversità nel corpus analizzato mostrano che il BNCC si costituisce come riferimento curriculare che dà la priorità alla coscienza essenziale e universalistica, dando loro risalto in relazione a coscienze diversificate e sottolineando l'insegnamento basato su abilità performative per il mercato del lavoro.

Coscienza de la diversità. Curriculum nazionale di base comune – BNCC. Politiche curricular. Materie sociali.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, Anete. et.al. A diferença e a diversidade na educação. Contemporânea. Revista de Sociologia da UFSCar, São Carlos, Departamento de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar, 2011, n. 2. p. 85-97. Disponível em: http://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporânea/article/download/38 /20. Acesso em: 19 nov. 2016.

ALBINO, Ângela Cristina Alves. Currículo e autonomia docente: enunciações políticas. Curitiba, ed.: Appris, 2018.

ALVES, Eliane Fernandes Gadelha. Concepções de diversidade na Base Nacional Comum Curricular - anos iniciais do ensino fundamental/Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Humanidades. Universidade Federal de Campina Grande. Campina Grande, 2019.

ARROYO, Miguel G. Os coletivos diversos repolitizam a formação. In: DINIZPEREIRA, Júlio Emíllio; LEÃO, Geraldo (Orgs.). Quando a diversidade interroga a formação docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 11-36.

ARROYO, Miguel Gonzalez. Outros Sujeitos, Outras Pedagogias. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

ANPED. A Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED) e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), 2015.

BAGNO. Marcos. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 15 ed. São Paulo: Loyola, 2002.

BALL. Stephen J. Performatividades e Fabricações na Economia Educacional: rumo a uma sociedade performativa. In.: Performance, Performatividade e Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Rev. Educação e Realidade, v. 35, n. 02, maio/agosto, 2010.

BARDIN. Laurence. Análise de conteúdo. Edições 70. São Paulo: 2016.

BARROS, José D’Assunção. Igualdade e diferença: construções históricas e imaginárias em torno da desigualdade humana. Petrópolis, RJ: vozes, 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil. Acesso em: 19 nov. 2016.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 19 nov. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais. 3 ed. Brasília: MEC/ SEF, 1997.

BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 19 nov. 2016.

BRASIL. Lei 10.639 de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: [s.n.], 2003.

BRASIL. Lei 11.645 de 10 de março de 2008. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 19 nov. 2016.

BRASIL. Lei n° 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12711.htm. Acesso em: 16 out. 2016.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica/ Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica2013-pdf/file. Acesso em: 14 nov. 2017.

BRASIL. Lei nº 12.796, de 04 de abril de 2013. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12796.htm#art2. Acesso em: 05 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF., 26 jun. 2014. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20112014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 14 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.234, de 29 de dezembro de 2015. Dispõe sobre a identificação, o cadastramento e o atendimento, na educação básica e na educação superior, de alunos com altas habilidades ou superdotação. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13234.htm. Acesso em: 12 abr. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br./site/base/. Acesso em: 10 jul. 2017.

BRASIL, Lei nº 13.632, de 06 de março de 2018. Dispõe sobre educação e aprendizagem ao longo da vida. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2018/lei-13632-6-marco-2018-786231publicacaooriginal-154957-pl.html. Acesso em: 05 jun. 2020.

CANEN, Ana; XAVIER, Giseli Pereli de Moura. Formação continuada de professores para a diversidade cultural: ênfases, silêncios e perspectivas. Revista Brasileira de Educação, v. 16 n. 48 set.- dez. 2011.

DORZIAT, Ana. Implicações da globalização na política de inclusão escolar: reflexões para além de inclusão enquanto inserção física. Revista Temas em Educação, João Pessoa, v. 18/19, n. 1/2, p. 88-113, jan.-dez. 2009/2010.

DORZIAT, Ana; LIMA, Niedja Maria Ferreira de. Formação docente para educar na diversidade: concepções subjacentes nos documentos oficiais e na prática explicitada. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 23, n. 87, p. 437-460, abr./jun. 2015.

FERREIRA. Windiz Brazão. O conceito de diversidade no BNCC: relações de poder e interesses ocultos. Retratos da escola, v. 9, n. 17, julho/dez. 2015. Brasília: CNTE, 2007.

FLEURI, Reinaldo. Políticas da diferença: para além dos estereótipos na prática educacional. Campinas: Revista Educação & Sociedade, v. 27, n. 95, p. 495-520, mai-ago. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/es/v27n95/a09v2795.pdf. Acesso em: 18 ago. 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

FRIGOTO, Gaudêncio. Escola pública brasileira na atualidade lições da história. In: LOMBARDI, José Claudinei; SAVIANI, Dermeval; NASCIMENTO, Maria Isabel Moura (Orgs.) A escola pública no Brasil: história e historiografia. Campinas, SP Autores Associados HISTEDBR, 2005.

GENTILI, Pablo. Três teses sobre a relação trabalho e educação em tempos neoliberais. In: LOMBARDI, José Claudinei; SAVIANI, Dermeval; SANFELICE, José Luis (Org.). Capitalismo, trabalho e educação. Campinas, Autores Associados, 2002, p. 45-59.

GOMES, Nilma Lino. Diversidade e currículo. In: Indagações sobre currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

GOMES, Nilma Lino (Org.) Apresentação: Desigualdades e diversidade na educação. Revista Educação e Sociedade. Campinas: vol. 33, n. 120, jul.- set. 2012, p. 687-693.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2 ed. Rio de Janeiro: E. P. U., 2017.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Comum para currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Campinas: Educ. Soc., v. 36, nº. 133, p. 891-908, out.-dez., 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio da pesquisa social. In: DESLANDES, Suely Ferreira. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008, p. 9-29.

MOANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? 1 ed. São Paulo: Moderna, 2003.

MOEHLECKE, Sabrina. As políticas de diversidade na educação no governo Lula. Cadernos de Pesquisa, v. 39, n. 137, maio/ago. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br. Acesso em: 24 jul. 2017.

MOREIRA, Antônio Flávio; SILVA JÚNIOR, Paulo Melgaço da. Currículo, Transgressão e Diálogo: quando Outras Possibilidades se tornam necessárias. São Cristóvão, Sergipe, Brasil, Revista Tempos e Espaços em Educação, l, v. 9, n. 18, p. 45-54, jan./abr. 2016.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: T. A. Queiróz, 1990.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Ciladas da diferença. 3. ed. São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Sociologia da FFLCH – USP/Editora 34, 2013.

RODRIGUES, Tatiane Cosentino. A ascensão da diversidade nas políticas educacionais contemporâneas. São Carlos: UFSCar, 2011.

RODRIGUEZ, Tatiane C.; ABRAMOWICZ, Anete. O debate contemporâneo sobre a diversidade e a diferença nas políticas e pesquisas em educação. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 39, n. 1, p. 15-30, jan./mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v39n1/v39n1a02.pdf. Acesso em: 11 set. 2016.

SALUSTIANO, Dorivaldo Alves; FIGUEIREDO, Rita Vieira de; FERNANDES. Anna Costa. Mediações da aprendizagem da língua escrita por alunos com deficiência mental. In: Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Mental. SEESP/SEED/MEC. Brasília/DF – 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ seesp/arquivos/pdf/aee_dm.pdf. Acesso em: 31 ago. 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais [online], 63, 2002. Disponível em: http://rccs.revues.org/1285; DOI: 10.4000/rccs.1285. Acesso em: 10 jul. 2018.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SILVA, Mara do Socorro. Tecendo saberes e práticas no aprender docente do campo: olhares, diálogos e interações do Pibid Diversidade. In.: Vozes do PIBID diversidade: epistemologias em diálogo. Interritórios: Revista de Educação. Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru, Brasil. V. 4 n 7, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/interritorios/article/view/238244/30062. Acesso em: 26 jun. 2020.

SILVA. Tomás Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: autêntica, 2003.

SILVA. Tomás Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15 ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

SOUSA, Mirtes Aparecida Almeida. A diversidade na escola: concepções e práticas docentes. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Humanidades. Universidade Federal de Campina Grande. Campina Grande 2018.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v6i11.247750

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Eliane Fernandes Gadelha ALVES, Dorivaldo Alves SALUSTIANO

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.