Estudos sobre eugenia, culturalismo, educação brasileira e o trabalho empírico de Arthur Ramos

Flávia FRANCCHINI, Tatiane Cosentino RODRIGUES

Resumo


Este artigo reúne dados parciais de uma pesquisa de mestrado e tem por objetivo apresentar um recorte referente às transformações política, científica, social e educacional durante o período pós-guerra, tendo como foco o trabalho de Arthur Ramos e os desdobramentos desta perspectiva na sociedade brasileira. Arthur Ramos desenvolveu como médico psiquiatra um projeto educacional em seis escolas públicas do Rio de Janeiro no período de 1934 a 1939 com alunos selecionados por apresentarem dificuldades no processo de ensino e aprendizagem. Com este trabalho empírico o médico psiquiatra em consonância com outros intelectuais deste período ajudou a construir as bases de uma política educacional universalista em meio às perspectivas ancoradas numa ciência biológica evolucionista que tinha raça como conceito central e uma perspectiva culturalista que elegeu o processo de miscigenação para a construção e definição da identidade nacional brasileira.

Brasil pós-guerra. Arthur Ramos. Eugenismo. Culturalismo. Identidade Nacional Brasileira.


ABSTRACT

This article gathers partial data from a master's research and aims to present an outline referring to the different political, scientific, social and educational transformations during the post-war period, focusing on the work of Arthur Ramos and the developments of this perspective in Brazilian society. Arthur Ramos developed, as a psychiatrist, an educational project in six public schools in Rio de Janeiro in the period from 1934 to 1939 with students selected for having difficulties in the teaching and learning process. With this empirical work, the psychiatrist, in agreement with other intellectuals of this period, helped to build the bases ofa universalist educational policy amid perspectives anchored in an evolutionary biological science that has race as a central concept and a culturalist perspective that chooses the miscegenation process as a positive factor for the construction and definition of the Brazilian national identity.

Post-war Brazil. Arthur Ramos. Eugenics. Culturalism. Brazilian National Identity.


RESUMEN

Este artículo reúne datos parciales de una investigación de maestría y tiene como objetivo presentar un recorte referente a las transformaciones políticas, científicas, sociales y educacionales durante la posguerra, centrándose en el trabajo de Arthur Ramos y los desarrollos de esta perspectiva en la sociedad brasileña. Arthur Ramos desarrolló, como psiquiatra, un proyecto educativo en seis escuelas públicas de Río de Janeiro de 1934 a 1939 con alumnos seleccionados por tener dificultades en el proceso de enseñanza y aprendizaje. Con este trabajo empírico, el psiquiatra, en acuerdo con otros intelectuales de este período, ayudó a sentar las bases de una política educativa universalista en medio de perspectivas ancladas en una ciencia biológica evolutiva que tenía la raza como concepto central y una perspectiva culturalista que elegió el proceso de mestizaje para la construcción y definición de la identidad nacional brasileña.

Brasil de posguerra. Arthur Ramos. Eugenesia. Culturalismo. Identidad Nacional Brasileña.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, Anete. Estudos da Infância no Brasil: encontros e memórias. São Carlos: Edufscar, 2015.

AMORIM, Roseane; CARDOSO, Lílian; SANTOS, Fernanda. O pensamento higienista do intelectual Arthur Ramos na obra Saúde do Espírito (1958). Rev. Intellèctus. V.16, n. 2, 2017. Disponível em: https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/intellectus/article/view/31659/22521 . Acessado em: 10.01.2019

BENTO, Maria Aparecida S. Branqueamento e Branquitude no Brasil In: Psicologia social do racismo – estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil / Iray Carone, Maria Aparecida Silva Bento (Organizadoras) Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. Disponível em: http://www.media.ceert.org.br/portal-3/pdf/publicacoes/branqueamento-e-branquitude-no-brasil.pdf. Acessado em: 10.01.2019

DÁVILA, Jerry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil (1917-1945). Trad.

Claudia Sant’Ana Martins. São Paulo: Editora Unesp, 2006.

Du Bois, W.E.B. [1903] As Almas da Gente Negra. Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 1999

FANON, Frantz. Pele Negra, Máscaras Brancas. Salvador: Editora Edufba, 2008.

GOUVÊA, Maria Cristina S.; GERKEN, Carlos Henrique de S. Desenvolvimento Humano: história, conceitos e polêmicas. São Paulo: Cortez, 2010.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis/RJ: Editora Vozes, 1999.

MUNANGA, Kabengele. Superando o Racismo na Escola. 2ª edição revisada. Brasília: Ministério da Educação, Secretária de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2008.

PALLISSER; Nikola; PANTA, Mariana. “Identidade nacional brasileira” versus “identidade negra”: reflexões sobre branqueamento, racismo e construções indenitárias. Rev. Espaço Acadêmico. n.195, 2017. Disponível em:

http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/34664/20484.

Acessado em: 10.08.2020

RAMOS, Arthur. A criança problema: A higiene mental na escola primária. Rio de Janeiro: Livraria Editora da Casa do Estudante do Brasil. 2ºediçao, 1949.

RAMOS, Arthur. Educação e Psychanalyse. São Paulo: Editora Nacional, 1934.

RAMOS, Arthur. Saúde do espírito: higiene mental. Rio de Janeiro: Coleção SPES Nº 7, 1939.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Espetáculo das Raças – cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. 10ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SIRCILLI, Fabíola. Arthur Ramos: Psicanálise e a Educação. Marília: Editora Polesis, 2008.

SIRCILLI, Fabíola. Arthur Ramos e Anísio Teixeira na década de 1930. Rev. Paidéia. V.15, n.31, 185-193. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/paideia/v15n31/06.pdf . acessado em: 10.01.2019.

STEPAN, Nancy L. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Trad. Paulo M. Garchet. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz (Coleção História e Saúde), 2005.

TADEI, Emanuel M. A Mestiçagem Enquanto um Dispositivo de Poder e a Constituição de Nossa Identidade Nacional. Rev. Psicologia, Ciência e Profissão. V.22, n.4, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pcp/v22n4/02.pdf. Acessado em: 10.01.2019.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v7i13.250037

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Flávia FRANCCHINI, Tatiane Cosentino RODRIGUES

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.