Classificação de estilos fluviais na bacia do rio Bananeiras (alto vale do Rio São João, Silva Jardim – RJ): base para análise da condição geomorfológica (River styles classification in Bananeiras river basin (upper São João river valley, Silva Jardim - RJ): basis for geomorphic condition analysis)

Carolina Ramos Menezes, Carla Maciel Salgado

Resumo


O presente estudo tem como objetivo aplicar a metodologia de classificação de estilos fluviais para subsidiar a análise da condição geomorfológica na bacia hidrográfica do rio Bananeiras. Este rio é um dos afluentes do alto vale do rio São João, no município de Silva Jardim (Estado do Rio de Janeiro). A metodologia dos estilos fluviais empregada compreende uma análise multiescalar, envolvendo a caracterização das condições de contorno relacionadas ao contexto da bacia e do ambiente de vale. Após as análises, no rio Bananeiras foram identificados 5 estilos fluviais com características distintas de caráter e comportamento: (1) confinado com cabeceiras íngremes, (2) confinado com planícies de inundação ocasionais, (3) não confinado com baixa sinuosidade, (4) não confinado com meandros arenosos, (5) não confinado retificado. Os estilos fluviais confinados apresentam uma condição de estabilidade geomorfológica relacionada ao confinamento do vale, ao leito rochoso e à cobertura florestal. Os canais não confinados com baixa sinuosidade e com meandros arenosos são mais sensíveis, ocorrendo ajuste lateral por processos erosivos e deposicionais. O estilo não confinado retificado é pouco sensível, pois apesar da sinuosidade do talvegue do rio, não há ajuste à baixa declividade e ao não confinamento do canal. Os resultados apontam que a diversidade de estilos fluviais identificados está relacionada aos controles regionais, como condições de geologia, relevo e precipitação. Tais resultados permitem uma melhor compreensão da dinâmica fluvial do rio Bananeiras, o que pode favorecer a implantação de estratégias adequadas de planejamento e gestão do sistema fluvial.

 

 

Abstract

The present study aims to apply the river style classification methodology to support the geomorphic condition analysis in Bananeiras river basin. This river is one of the tributaries of the upper São João river valley, in Silva Jardim municipality (Rio de Janeiro State). The employed river styles methodology includes a multiscale analysis, involving the characterization of the boundary conditions related to the context of the basin and the valley environment. After the analyzes, 5 river styles were identified with distinct characteristics of character and behavior: (1) confined with steep headwaters, (2) confined with occasional flood plains pockets, (3) laterally unconfined with low sinuosity, (4) laterally unconfined meandering, (5) laterally unconfined channelized. The confined river styles present a geomorphic condition steady related to the confinement of the valley, the rock bed and the forest cover. Unconfined channels with low sinuosity and meandering are more sensitive, with lateral adjustment by erosive and depositional processes. The laterally unconfined channelized style is not very sensitive because, despite the thalweg sinuosity, there is no adjustment to the low slope and to unconfinement of the channel. The results indicate that the diversity of river styles identified is related to regional controls, such as geology, relief and precipitation conditions. These results allow a better understanding of the fluvial dynamics of the Bananeiras river, which may favor the implementation of adequate river system planning and management strategies.

Keywords: River valley. River adjustments. Sensitivity. River behavior.


Palavras-chave


Vale fluvial, Ajuste fluvial, Sensibilidade, Comportamento do rio

Texto completo:

PDF

Referências


ANA. Agência Nacional de Águas. Disponível em: http://www3.ana.gov.br/. Acesso em: 20 abr. 2017.

Brierley, G. J., Fryirs, K. A., Boulton, A., Cullum, C., 2008. Working with change: the importance of evolutionary perspectives in framing the trajectory of river adjustment. In: River Futures: An Integrative Scientific Approach to River Repair. Society for Ecological Restoration International, Island Press Washington, DC, USA, 65-84.

Brierley, G. J., Fryirs, K.A., Jain, V., 2006. Landscape connectivity: The geographic basis of geomorphic applications. Area 38.2, 165–174.

Brierley, G. J.; Fryirs, K., 2000. River styles, a geomorphic approach to catchment characterization: Implications for river rehabilitation in Bega catchment, New South Wales, Australia. Environmental Management, v. 25, n. 6, 661-679.

Brierley, G.; Fryirs, K.; Outhet, D.; Massey, C., 2002. Application of the River Styles framework as a basis for river management in New South Wales, Australia. Applied Geography, 22, 91-122.

Brierley, G.J.; Fryirs, K.A., 2005. Geomorphology and River Management:Applications of the River Styles Framework. Blackwell Publishing, Oxford, UK. 398 p.

CPRM - Serviço Geológico do Brasil, 2012. 1:100.000. Disponível em: http://geobank.sa.cprm.gov.br/, acesso em 15 jan. 2018.

Cunha, S. B., 1995. Impactos das obras de engenharia sobre o ambiente biofísico da bacia do rio São João. Lisboa: Tese de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade de Lisboa, 415p.

Dantas, M. E., 2001. Estudo geoambiental do Estado do Rio de Janeiro. CPRM-Serviço Geológico do Brasil, 19 p.

Frissell, C. A., Liss, W. J.; Warren, C. .E.; Hurley, M. D., 1986. A hierarchical framework for stream habitat classification: viewing streams in a watershed context. Environmental management, v. 10, n. 2, 199-214.

Fryirs K. A, Brierley G. J., 2001. Variability in sediment delivery and storage along river courses in Bega catchment, NSW, Australia: implications for geomorphic river recovery. Geomorphology 38, 237–265.

Fryirs, K. A.; Brierley, G. J.; Preston, N. J.; Spencer, J., 2007. Catchment-scale (dis)connectivity in sediment flux in the upper Hunter catchment, New South Wales, Austrália. Geomorphology 84, 297–316.

Fryirs, K. A.; Wheaton, J. M.; Brierley, G. J., 2016. An approach for measuring confinement and assessing the influence of valley setting on river forms and processes. Earth Surface Processes and Landforms, v. 41, n. 5, 701-710.

Hooke, J., 2003. Coarse sediment connectivity in river channel systems: a conceptual framework and methodology. Geomorphology, v. 56, n. 1-2, 79-94.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1959. Enciclopédia dos Municípios brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE, 724 p.

INEA. Instituto Estadual do Ambiente (RJ). INEA. Disponível em: http://www.inea.rj.gov.br/Portal/MegaDropDown/Monitoramento/Coberturavegetaleusodaterra/index.htm〈= Acesso em: 20 jan. 2018.

Kleina, M.; De Paula, E. V.; Santos, L. J. C., 2014. Análise comparativa dos Estilos Fluviais do rio Sagrado (Morretes/PR) para os anos de 2006 e 2011. Revista Geografar, v. 9, n. 1, 27-44.

Lima, R. N.; Marçal, M. S., 2013. Avaliação da Condição Geomorfológica da Bacia do rio Macaé–RJ a partir da Metodologia de Classificação dos Estilos Fluviais. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 14, n. 2, 171-179.

Marçal, M. S., 2013. Análise das mudanças morfológicas em seções transversais ao rio Macaé-RJ. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 14, n. 1, 59-68.

Marçal, M. S; Brierley, G.; Lima, R., 2017. Using geomorphic understanding of catchment-scale process relationships to support the management of river futures: Macaé Basin, Brazil. Applied Geography, 84, 23-41.

Marçal, M.; Lima, R. N., 2016. Abordagens Conceituais Contemporâneas na Geomorfologia Fluvial. Espaço Aberto, v. 6, n. 1, 17-34.

Montgomery, D. R., 1999. Process domains and the river continuum. JAWRA Journal of the American Water Resources Association, v. 35, n. 2, 397-410.

Oliveira, F. L., 2005. Avaliação ambiental e sustentabilidade da mineração de areia no curso médio-superior do Rio São João, RJ. Dissertação (Mestrado em Geologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 118 p.

Rosgen, D. L., 1994. A classification of natural rivers. Catena, v. 22, n. 3, 169-199.

Sant’Anna Neto, J. L., 2005. Decálogo da climatologia do Sudeste brasileiro. Revista Brasileira de Climatologia, v. 1, n. 1, 41-60.

SEMADS. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Bacias Hidrográficas e Rios Fluminenses Síntese Informativa por Macrorregião Ambiental, 2001. Rio de Janeiro: SEMADS, 73p.

Silva, L. C.; Cunha, H. C. S., 2001. Geologia do Estado do Rio de Janeiro: texto explicativo do mapa geológico do Estado do Rio de Janeiro. Brasília: CPRM, 1-12.

Stevaux, J. C.; Latrubesse, E. M., 2017. Geomorfologia Fluvial. São Paulo: Oficina de Textos, 336 p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.3.p895-912

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Brasileira de Geografia Física - eISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License