O Papel do Perfil Longitudinal na atenuação do Potencial de Transporte de Sedimentos em Bacias Hidrográficas: o caso do Parque Estadual de Terra Ronca (GO), Brasil

Yan de Mello Aleixo, Márcio Henrique de Campos Zancopé, Luis Felipe Soares Cherem

Resumo


A forma dos perfis longitudinais dos cursos d’água associada à distribuição das planícies aluviais adjacentes permitem identificar trechos com predomínio de processos agradacionais e denudacionais nos sistemas fluviais. Este trabalho identifica trechos dos perfis longitudinais dos rios a montante do Parque Estadual de Terra Ronca, no nordeste do estado de Goiás, que possuem tendências diferentes para transferência de sedimentos para jusante. Os rios cujos perfis longitudinais mais atenuam o potencial de transferência de sedimentos são: o São Vicente, da Lapa e Angélica. A forma dos perfis e a distribuição das planícies aluviais estão intrinsecamente ligados aos compartimentos geomorfológicos da área do Parque Estadual de Terra Ronca e à evolução do relevo regional, influenciando o transporte de sedimentos da rede de drenagem.



The Role of the Longitudinal Profile in the attenuation of the Potential of Transport of Sediments in Watersheds: the case of the Terra Ronca State Park (GO), Brazil

 

A B S T R A C T

The shape of the longitudinal profiles of rivers associated with the distribution of the adjacent floodplains allows identifying sections with predominance of aggradational and denudational processes in the fluvial systems. This paper identifies stretches of the longitudinal profiles of the rivers upstream of the Terra Ronca State Park, in the northeast of the state of Goiás, which have different trends to transfer of sediments to downstream. The rivers whose longitudinal profiles more attenuate the sediment transfer potential are: São Vicente, Lapa and Angélica. The shape of the profiles and the distribution of alluvial plains are intrinsically linked to the geomorphological compartments of the Terra Ronca State Park’s area and the evolution of the regional relief, influencing the sediment transportation of the fluvial drainage network.

Keywords: sediment transportation, alluvial plains, geomorphological compartmentation.

 



Palavras-chave


perfil longitudinal; planície aluvial; transporte de sedimentos

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas – CECAV, 2004. Cadastro Nacional de Informações Espeleológicas – CANIE. Brasília. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/cecav/canie.html. Acesso: 12 out. 2016.

CELARINO, A. L. S.; LADEIRA, F. S. B., 2014. Análise morfométrica da bacia do Rio Pardo (MG e SP). Revista Brasileiro da Geomorfologia [online] 15, p. 471-491. Disponível: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v15i3.472. Acesso: 06 jun. 2018.

CHRISTOFOLETTI, A, 1981. Geomorfologia fluvial. 1 ed. São Paulo: Edgard Blücher.

CORDEIRO, P. F.; FREITAS, M. D. F. P. P.; MELO, M. C.; FERREIRA, H. L. M.; CASTRO, P. T. A., 2014. Desenvolvimento de metodologia digital para representação do perfil longitudinal de cursos de água. Revista Geonorte 5, 261-264. Disponível: http://periodicos.ufam.edu.br/revista-geonorte/article/view/1558. Acesso:06 jun. 2018.

DARDENNE M. A., 1978. Síntese sobre a estratigrafia do Grupo Bambuí no Brasil Central. In: Congresso Brasileiro de Geologia, 30. 1978, Recife. Anais... Recife: SBG, v. 2, p. 507-610.

FAQUIM, A. C. S.; ZANCOPÉ, M. H. C.; CHEREM, L. F. S., 2017. Sediment transport potential of contributing basins of Terra Ronca’s karst system. Boletim Goiano de Geografia [online] 37, 447-463. Disponível: https://doi.org/10.5216/bgg.v37i3.50765. Acesso: 06 jun. 2018.

GOIÁS, 2004. Sistema Estadual de Estatística e de Informações Geográficas de Goiás. Governo do Estado de Goiás, Gabinete Civil da Governadoria, Superintendência da Legislação. Goiânia, GO. Disponível: http://www.sieg.go.gov.br/. Acesso: 20 set. 2016.

GREGORY, D. I.; SCHUMM, S. A., 1987. The effect of active tectonics on alluvial river morphology. In: RICHARDS, K. (ed.) River channel: environment and process. Oxford: B. Blackwell. Cap. 3, p. 41-68.

GUEDES, I. C.; SANTONI, G. C.; ETCHEBEHERE, M. L. C.; STEVAUX, J. C.; MORALES, N.; SAAD, A. R., 2006. Análise de perfis longitudinais de drenagens da bacia do rio Santo Anastácio (SP) para detecção de possíveis deformações neotectônicas. Revista Geociências da Universidade de Guarulhos 5, 75-102. Disponível: http://revistas.ung.br/index.php/geociencias/article/view/98. Acesso: 06 jun. 2018.

INPE. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais., 2011. TOPODATA - Banco de Dados Geomorfométricos do Brasil. Disponível: www.dsr.inpe.br/topodata/. Acesso: 20 set. 2016.

LATRUBESSE, E. M.; CARVALHO, T. M., 2006. Mapa geomorfológico do estado de Goiás e Distrito Federal. Goiás (Estado): SIC.

LAUREANO, F. V.; KARMANN, I., 2013. Sedimentos clásticos em sistemas de cavernas e suas contribuições em estudos geomorfológicos: uma revisão. Revista Brasileira de Geomorfologia [online] 14, 23-33. Disponível: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v14i1.306. Acesso: 26 fev. 2019.

LAUREANO, F. V.; KARMANN, I.; GRANGER, D. E.; AULER, A. S.; ALMEIDA, R. P.; CRUZ, F. W.; STRÍCKS, N. M.; NOVELLO, V. F., 2016. Two million years os river and cave aggradation in NE Brazil: implications for speleogenesis and landscape evolution. Geomorphology [online] 273, 63-77. Disponível: https://doi.org/10.1016/j.geomorph.2016.08.009. Acesso: 06 jun. 2018.

LEE, C. S.; TSAI, L. L., 2010. A quantitative analysis for geomorphic indices of longitudinal river profile: a case study of the Choushui River, Central Taiwan. Environmental Earth Sciences [online] 59, 1549-1558. Disponível: https://doi.org/10.1007/s12665-009-0140-3. Acesso: 06 jun. 2018.

LIMA, O. N. B., 2011. Estratigrafia isotópica e evolução sedimentar do Grupo Bambuí na borda ocidental dp Cráton do São Francisco: implicação tectônica e paleo-ambiental. 2011. Tese (Doutorado em Geologia) – Inst. Geociências, UNB, Brasília.

MACKIN, J. H., 1948. Concept of the Graded River. The Geological Society of America Bulletin [online] 59, 463-512. Disponível em: https://doi.org/10.1130/0016-7606(1948)59[463:COTGR]2.0.CO;2 Acesso: 26 fev. 2019.

MAURO, C. A.; DANTAS, M.; ROSO, F. A., 1982. Geomorfologia. In: BRASIL, Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAMBRASIL, Folha SD 23 Brasília. Rio de Janeiro. Cap. 2 – Geomorfologia, p. 205-296.

MOREIRA, H. G. B.; CHEREM, L. F. S.; PÔSSAS, I. B., 2017. Relação da distribuição de feições gravitacionais e feições erosivas na cuesta da Serra Geral com processos naturais e antrópicos: resultados preliminares. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA, 17; CONGRESSO NACIONAL DE GEOGRAFIA FÍSICA, 1. Campinas (SP), 2017. Anais do. Campinas: UNICAMP. p. 6491-6495. Disponível: https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2352. Acesso: 08 set. 2018.

OUCHI, S., 1985. Response of alluvial rivers to slow active tectonic movement. The Geological Society of America Bulletin [online] 96, 504-515. Disponível: https://doi.org/10.1130/0016-7606(1985)96<504:ROARTS>2.0.CO;2 Acesso: 08 set. 2018

PILÓ, L. B., 2000. Geomorfologia cárstica. Revista Brasileira de Geomorfologia [online] 1, 88-102. Disponível: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v1i1.73. Acesso: 20 set. 2016.

ROSA, L. E., 2016 Interfaces entre unidades de conservação e bacias hidrográficas na região de Terra Ronca. Dissertação (mestrado), Programa de Pós-graduação em Geografia, IESA-UFG, Goiânia. Disponível: http://200.137.217.159/index.php/component/jdownloads/download/64-2016/352-lucas-espindola-rosa. Acesso: 26 fev. 2019

ROSA, L. E. NUNES, E. D. CHEREM. L. F. S., 2017. Indicadores naturais e antrópicos da dinâmica dos movimentos de massa do município de Posse (GO). Ateliê Geográfico [online] 11, 127-141. Disponível: https://doi.org/10.5216/ag.v11i1.43420. Acesso: 11 jan. 2019.

STEVAUX, J. C.; LATRUBESSE, E. M., 2017. Geomorfologia fluvial. São Paulo: Of. de Textos.

SCHUMM, S. A., 1977. The fluvial system. N. York: J. Wiley & Sons.

TOOTH, S.; McCARTHY, T. S.; BRANDT, D.; HANCOX, P. J.; MORRIS, R., 2002. Geological controls on the formation of alluvial meanders and floodplain wetlands: the example of the Klip River, Eastern Free State, South Africa. Earth Surface Processes and Lanforms [online] 27, 797-815. Disponível: https://doi.org/10.1002/esp.353. Acesso: 21 jan. 2019.

ZANCOPÉ, M. H. C.; GONÇALVES, P. E.; BAYER, M., 2015. Potencial de transferência de sedimentos e suscetibilidade a assoreamentos da rede hidrográfica do alto Rio Araguaia. Boletim Goiano de Geografia [online] 35, 115-132. Disponível: https://doi.org/10.5216/bgg.v35i1.35488. Acesso: 15 jun. 2018.

ZANCOPÉ, M. H. C.; MOMOLI, R. S.; BAYER, M., 2013. Movimentos de massa nas nascentes do rio São Vicente, Parque Estadual Terra Ronca. Relatório técnico nº 16/2013 – GAP/SUCON. Goiânia.

ZANCOPÉ, M. H. C.; PEREZ FILHO, A.; CARPI JR, S., 2009. Anomalias na forma do perfil longitudinal e migração dos meandros do Rio Mogi Guaçu. Revista Brasileira de Geomorfologia [online] 10, 31-42. Disponível: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v10i1.115. Acesso: 25 fev. 2016.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.5.p1730-1745

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License