Repercussão da Exploração Hidroelétrica no Funcionamento Geoecológico de Paisagens Fluviais Amazônicas

Eder Mileno Silva De Paula

Resumo


A exploração hidroelétrica promove impactos naturais e sociais irreversíveis, também observados nas bacias hidrográficas amazônicas que receberam as Usinas Hidrelétricas de Balbina, Tucuruí e Samuel. A Usina Hidrelétrica de Belo Monte (UHEBM) está sendo construída desde 2011 no Baixo Curso do Rio Xingu e começou a produzir energia elétrica no ano de 2016. Os barramentos construídos para UHEBM impactam na dinâmica do fluxo fluvial de energia, matéria e informação do Rio Xingu, com desdobramentos negativos para o meio biótico, abiótico e para as comunidades indígenas, ribeirinhas e urbanas locais. Nesta pesquisa teve-se objetivo de analisar as consequências da exploração hidroelétrica no funcionamento das paisagens fluviais no Baixo Rio Xingu, através de análises geossistêmicas dos componentes das paisagens. Analisou-se o funcionamento antes do início do represamento da água (1985 a 2014) e após o represamento do Xingu (2016 a 2019). As conclusões indicam como se dá o funcionamento geoecológico de rios amazônicos explorados por hidrelétricas, especificamente aqueles com trechos de vazão reduzida. Essas conclusões podem contribuir no planejamento e gestão ambiental de paisagens fluviais e ajustes na operação da UHE Belo Monte.


 

Repercussion of Hydrielectric Exploration in the Geoecolocical Performance of Amazon Fluvian Landscapes

 

 

 

ABSTRACT

 

Hydroelectric exploitation promotes irreversible natural and social impacts, also observed in the Amazonian basins that received the hydroelectric plants of Balbina, Tucuruí, and Samuel. The Belo Monte Hydroelectric Power Plant (UHEBM) is in construction since 2011 in the low-lying region of the Xingu River and started producing electricity in the year 2016. The dams built for the UHEBM impact on the dynamics of the river flow of energy, matter and information on the river Xingu with negative consequences for the biotic and abiotic environment, and for the indigenous, riverside and urban communities. The research’s objective was to analyze the consequences of hydroelectric exploitation on the river landscape in the lower Xingu River through geosystemic analysis of landscape components. The operation was analyzed in the period before the beginning of the water dam (1985 to 2014) and after (2016 to 2019) the damming of Xingu. The conclusions indicate the geoecological functioning of Amazonian rivers explored by hydroelectric plants, specifically those with reduced flow stretches, and these conclusions can contribute to the planning and environmental management of river landscapes and adjustments in the operation of the Belo Monte Hydroelectric Power Plant.

 

Keywords: Belo Monte, Volta Grande do Xingu, Hydrogeography, Fluvial Geomorphology.



Palavras-chave


Belo Monte; Volta Grande do Xingu; Hidrogeografia; Geomorfologia Fluvial

Texto completo:

PDF

Referências


Alvarez, J.A.M., 1986. Assoreamento de reservatórios e erosão do leito a jusante de barragens. XII Congresso Latino-Americano de Hidráulica, São Paulo.

Becker, B.K., 1990. Amazônia. São Paulo: Editora Ática.

Brandt, S.A., 2000. Classification of geomorphological effects downstream of dams. Catena,  1, 40, 375-401. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2017.

Brasil, 2007. Portaria nº 9, de 23 de janeiro de 2007. Áreas Prioritárias Para a Conservação, Utilização Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira: Áreas Prioritárias para a Biodiversidade.

Brasil, Ministério do Meio Ambiente, Agência Nacional de Águas, 2009. Gerência de Regulação de Uso. Nota Técnica n° 129/2009/GEREG/SOF-ANA.

Brasil, Ministério do Meio Ambiente, Agência Nacional de Águas, 2019. Séries Históricas de Estações. Disponível em: www.snirh.gov.br/hidroweb/publico/medicoes_historicas_abas.jsf. Acesso em: 02 de 2019.

Buma, P.G., Day, J.C., 1977. Channel morphology below reservoir storage projects. Environmental Conservation, 4, 4, 279-284.

Casimiro, P.C., 2009. Estrutura, composição e configuração da paisagem conceitos e princípios para a sua quantificação no âmbito da ecologia da paisagem. Revista Portuguesa de Estudos Regionais, 1, 20, 75-99.

Christofoletti, A., 1980. Geomorfologia. São Paulo: Editora Blucher.

Christofoletti, A., 1999. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Editora Blucher.

Christopherson, R.W., 2012. Geossistemas: Uma introdução à geografia física. Porto Alegre: Bookman. 728 p.

Coelho, A.L.N., 2008. Geomorfologia Fluvial de Rios impactados por barragens. Caminhos de Geografia, 9, 26, 16-32.

Coelho, A.L.N., Cunha, S.B., Souza, C.A., 2014. Efeitos na Morfologia Fluvial Provocados pelo Barramento da UHE Santo Antônio no Rio Madeira. Revista Geonorte, Edição Especial 4, 10, 1, 18-24.

Cunha, S.B., 1995. Impactos das Obras de Engenharia Sobre o Ambiente Biofísico da Bacia do Rio São João (Rio de janeiro – Brasil). Rio de Janeiro: Ed: Instituto de Geociências, UFRJ, 378 p.

Cunha, S.B., 2008. Geomorfologia Fluvial. In: Guerra, A.J.T., Cunha, S.B. (org.), 2008. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. 20 ed. São Paulo: Bertrand Brasil, 211-252.

De Paula, E.M.S. et al., 2014. Percepção Ambiental e Dinâmica Geoecológica: Premissas para o Planejamento e Gestão Ambiental. Sociedade & Natureza, 3, 26, 511-518.

De Paula, E.M.S. et al., 2016. Compartimentação Geoecológica da Sub-Bacia do Baixo Rio Xingu - Amazônia Centro-Oriental, Brasil. Revista Equador, 5, 4, 128-150.

De Paula, E.M.S., Silva, E.V., 2019. Estrutura e Fragmentação Geoecológica de Paisagem Fluvial no Baixo Rio Xingu - Amazônia Centro-Oriental. Geonordeste, 1, no prelo.

Diakonov, K.N., 1988. Geofísica das paisagens: método dos balances. Moscou: Editora da Universidade Estadual de Moscou.

Fearnside, P.M., 2015. Hidrelétricas na Amazônia: Impactos ambientais e sociais na tomada de decisões sobre grandes obras. Manaus: Inpa, 296 p.

Forman, R.T., Godron, M., 1986. Landscape Ecology. John Willey, Nova Iorque, 619 p.

Grimshaw, D.L., Lewin, J., 1980. Reservoir effects on sediment yield. Journal of Hidrology, 47, 163-171.

Higgs, G., Petts, G., 1988. Hydrological changes and river regulation in the UK. Regulated Rivers: Res. Manage, 1, 2, 349-369.

Müller, A.C., 1995. Hidrelétricas, Meio Ambiente e Desenvolvimento. São Paulo, Makron Books.

Nobre, C.A., Sampaio, G., Salazar, L., 2007. Mudanças Climáticas e Amazônia. Ciência e Cultura, 59, 3, 22-27, Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2015.

Norte Energia, 2017. 11° Relatório final consolidado de andamento do PBA e do atendimento de condicionantes. Brasília.

Petts, G.E., 1987. Time-scales for ecological change in regulated rivers. In: Craig, J.F., Kemper, J.B. Ž Eds, 1987. Regulated Streams. Advances in Ecology. New York: Plenum, 257-266.

Rodriguez, J.M.M., 2000. Geografia de los paisajes: Paisajes Naturales. La Habana, 62 p.

Rodriguez, J.M.M., Silva, E.V., 2013. Planejamento e Gestão Ambiental: subsídios da geoecologia das Paisagens e da Teoria Geossistêmica. Fortaleza: Edições UFC.

Rodriguez, J.M.M., Silva, E.V., Cavalcanti, A.P.B., 2013. Geoecologia das Paisagens: Uma visão geossistêmica da análise ambiental. Fortaleza: Edições UFC, 222p.

Rodrigues, R.A., 2013. Vidas Despedaçadas Impactos Socioambientais da Construção da Usina Hidrelétrica de Balbina (AM), Amazônia Central. 182 f. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Sociedade e Cultura da Amazônia, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2013. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2015.

Silva, E.V., Rodriguez, J.M.M., 2011. Geoecologia da paisagem: zoneamento e gestão ambiental em ambientes úmidos e subúmidos. Revista Geográfica de América Central, 2, 47E.

Sotchava, V.B., 1977. O estudo dos geossistemas. Método em Questão - IGEOG-USP, 16.

Souza, M.J.N. de, 2000. Bases naturais e esboço do zoneamento geoambiental do estado do Ceará. Compartimentação territorial e gestão regional do Ceará. Fortaleza: FUNECE.

Souza, W.L. de, 2000. Impacto Ambiental de Hidrelétricas: uma Análise Comparativa de Duas Abordagens. 154 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Planejamento Energético, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2015.

Thoms, M.C., Walker, K.F., 1993. Channel changes associated with two adjacent weirs on a regulated lowland alluvial river. Regulated rivers: Res. Manage, 8, 271-284.

Tricart, J., 1997. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE.

Vidal, M.R. et al., 2014. Análise de modelos funcionais em paisagens litorâneas. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, 1, 1, 103-116.

Williams, G.P., Wolman, M.G., 1984. Downstream effects of dams on alluvial rivers. Geological Survey, Professional Paper 1286 U.S. Government Printing Office, Washington, DC, 83 p.

Zvoncova, T.V., 1995. Fundamentos geográficos do monitoramento ecológico. Moscou: Editora da Universidade Estadual de Moscou, 352p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.6.p2259-2270

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License