Extração de Atributos Morfométricos da Serra Mossoró (Mossoró-RN) a Partir do Modelo de Elevação Digital (MDE)

Gutemberg Henrique Dias, João Paulo Bezerra Rodrigues, Francisco Sérgio Coelho, Robson Fernandes Filgueira, Filipe Silva Peixoto

Resumo


Por possibilitar o cálculo rápido e preciso de variáveis associadas ao relevo, nas últimas décadas, o aprimoramento do Modelo Digital de Elevação (MDE) tem contribuído bastante para a pesquisa geomorfológica, particularmente em áreas de bacias sedimentares. No setor noroeste da Bacia Potiguar, no município de Mossoró, estado do Rio Grande do Norte, existe uma elevação que se destaca em meio ao relevo plano, conhecida como Serra Mossoró. Apesar da importância da região no que se refere à exploração de água subterrânea, prospecção de petróleo e fruticultura tropical, os trabalhos já produzidos sobre esta forma de relevo são escassos e superficiais. Este trabalho tem como objetivo realizar a extração de atributos morfométricos da Serra Mossoró e de suas adjacências a partir de Modelo de Elevação Digital (MDE), de modo a precisar a classificação deste relevo e correlaciona-lo com a neotectônica regional. Pesquisa bibliográfica, tratamento de imagens orbitais georreferenciadas com software de mapeamento e observações de campo possibilitaram a elaboração dos mapas hipsométrico, de relevo sombreado (hillshade) e clinométrico. A análise dos dados hipsométricos evidencia que a Serra Mossoró está estruturada em patamares e rampas, apresentando altimetria máxima de 268 metros. O mapa de relevo sombreado confirma a ocorrência de lineamentos  nos sentidos NE-SW e NW-SE, bem como, em menor proporção, no E-O, já descritos em outros trabalhos. Juntos, os mapas hipsométrico e de relevo sombreado definem a estrutura da Serra Mossoró como um inselberg de natureza sedimentar, resultante da erosão diferencial nas rochas da Bacia Potiguar.

 

 

Extraction of Morphometric Attributes from Serra Mossoró (Mossoró-RN) From the Digital Elevation Model (MDE)

 

A B S T R A C T

For enabliling a rapid and accurate calculation of the variables associated to relief, in the last decades the enhancement of the Digital Elevation Model (DEM) has contributed greatly to geomorphological research, particularly in sedimentary basin areas. In the northwestern section of the Potiguar Basin, in the municipality of Mossoró, state of Rio Grande do Norte, there is an elevation that stands out in the middle of the flat relief known as Serra Mossoró. Despite the importance of the region in the exploration of groundwater, oil prospecting and tropical fruiticulture, the works already produced on this landform are scarce and superficial. From the analysis of morphometric attributes, this work aims to produce the DEM of Serra Mossoró and its surroundings, in order to clarify the classification of this relief and correlate it with the regional neotectonics. Bibliographical research, treatment of georeferenced orbital images with mapping software and field observations enabled the elaboration of the hypsometric, hillshade and clinometrical. The analysis of hypsometric data shows that Serra Mossoró is structured in steps and ramps, with a maximum altimetry of 268 meters. The hillshade map confirm the occurrence of lineaments in the NE-SW and NW-SE directions, as well as, to a lesser extent, in the E-O direction, already described in other works. Together, the hypsometric and hillshade maps define the Serra Mossoró structure as a sedimentary inselberg resulting from differential erosion in the rocks of the Potiguar Basin.

 

Key words: Serra Mossoró, geologic-geomorphologic mapping, morphometric attributes, Digital Elevation Model


Palavras-chave


Serra Mossoró; mapeamento geológico-geomorfológico; atributos morfométricos; Modelo Digital de Elevação

Texto completo:

PDF

Referências


Araripe, P. T., Feijó, F. J., 1994. Bacia Potiguar. Boletim de Geociências da Petrobras 8, 127-141.

Araújo, P. V. N.; Amaro, V. E., Alcoforado, A. C. V., Santos, A. L. S., 2018. Acurácia vertical e calibração de modelos digitais de elevação (MDE’s) para a bacia hidrográfica Piranhas-Açú, Rio Grande do Norte, Brasil. Anuário do Instituto de Geociências 41, 351-364.

Beltrami, C. V., Alves, L.E.M., Feijó, F. J., 1994. Bacia do Ceará. Boletim de Geociências da Petrobrás 8, 117-125.

Bielenki Junior, C.; Barbassa, A. P., 2014. Geoprocessamento e Recursos Hídricos: aplicações práticas. 1 ed. Eduscar, São Carlos.

Brito, G. H. M. Dorneles, M. M.; Teixeira, R. C. 2018. Avaliação dos modelos digitais de elevação (MDE) como subsídio em atividades agrícolas. Anais VIII Semana Agronômica 8, 2345-2355.

Carmo, A. M. Souto, M. V. S.; duarte, C. R.; Mesquita A. F. 2015. Análise de Risco Ambiental à Erosão Gerada a partir de produtos de sensores remotos: MDE Topodata e Landsat 8. Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto [Online] 17, 5927 – 5934.

Carneiro, M. A., Bezerra, F. H. R., Silva, C. C. N., Maia, R. P., 2015. Controle estrutural do sistema cárstico epigenético na Formação Jandaíra - Bacia Potiguar. Geociências 34, 199 – 214.

Correa, N. F., Ribeiro, V. O., Mioto, C. L., Paranhos Filho, A. C., 2017. Obtenção de MDE Corrigido para Delimitação de Bacia Hidrográfica com Auxílio de Geotecnologias Livres. Anuário do Instituto de Geociências 40, 217-225.

CPRM – Companhia de Pesquisa de Recurso Mineral, 2013. Geologia e recursos minerais da Folha Mossoró, estado do Rio Grande do Norte: texto explicativo. Recife.

Filgueira, R. F. O., 2008. Conceito geológico-geomorfológico de Serra e o uso do termo serra nas elevações do relevo Potiguar. Anais do XV Encontro de Pesquisa e Extensão da UERN 15, 280.

França, L. C. J., Piuzana, D., Ross, J. L S., 2017. Fragilidade Ambiental Potencial e Emergente em núcleo de desertificação no semiárido brasileiro (Gilbués, Piauí). Revista Espacios 38, 21.

Gouveia, I. C. M., Ross, J. L. S., 2019. Fragilidade Ambiental: uma Proposta de Aplicação de Geomorphons para a Variável Relevo. Revista do Departamento de Geografia 37, 123-136. https://doi.org/10.11606/rdg.v37i0.151030

Grohmann, C. H., Riccomini, C., Steiner, S.S., 2008. Aplicações dos modelos de elevação SRTM em geomorfologia. Revista Geográfica Acadêmica 2, 73-83.

Maia, R. P., Bezerra, F. H. R. (2014) Tópicos de Geomorfologia Estrutural: Nordeste brasileiro, 1 ed., Fortaleza.

Matos R. M. D., 1992. The northeast brazilian rift system. Tectonics 11, 766-791.

Miguel, A. E. S., Medeiros, R. B., Deco, H. F., Oliveira W., 2014. Características Morfométricas do Relevo e Rede de Drenagem da Bacia Hidrográfica do Rio Taquaruçu/MS. Revista Brasileira de Geografia Física 7, 242 – 256.

Miranda, J. I. 2015. Fundamentos de Sistemas de Informações Geográficas, 4 ed. Embrapa, Brasília.

Nazar, T. I. S. M. Rodrigues, S. C., 2019. Relevo do chapadão do diamante, Serra da Canastra/MG, Brasil: compartimentação e análise a partir dos aspectos Geomorfométricos. Revista Brasileira Geomorfologia [Online] 20, Disponível: http://www.lsie.unb.br/rbg/index.php/rbg/article/viewFile/1300/386386422. Acesso: 15 ago.2019.

Nunes, F. C., Silva, E. F.; Vilas-Boas, G. S., 2011. Grupo Barreiras: características, gênese e evidências de neotectonismo. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 1, 31.

Oliveira, J. H. M., Chaves, J. M., 2010. Mapeamento e caracterização geomorfológica: Ecoregião Raso da Catarina e entorno NE da Bahia. Mercator 9, 217-238.

Peulvast, J. P., Claudino-Sales, V., 2002. Aplainamento e geodinâmica: revisitando um problema clássico em geomorfologia. Mercator 01, 113-150.

Pinheiro, H. S. K., Chagas, C. da S., Carvalho Júnior, W., Anjos, L. H. C., 2012. Modelos de elevação para obtenção de atributos topográficos utilizados em mapeamento digital de solos. Pesquisa Agropecuária Brasileira [Online] 47, Disponível: http://www.scielo.br/pdf/pab/v47n9/24.pdf. Acesso: 20 ago. 2019.

Pinto, G. C., 2016. Ordenamento territorial e fragilidade ambiental na bacia do rio São Francisco, Porto Velho, RO: contradições e perspectivas. Tese (doutorado). Curitiba, UFPR.

Scheren, R. S., Robaina, L. E. S., 2019. Classificação geomorfométrica da bacia hidrográfica do rio Ijuí, RS. Geografia: Ensino & Pesquisa 23, 34-47.

Smith, M. P., Zhu, A. X., Burt, J. E., Stile, C., 2006. The effects of DEM resolution and neighborhood size on digital soil survey. Geoderma 155, 55-66.

Soares Neto, G. B., Silveira, L. G., Farias, K. M., 2017. Aplicações das Geotecnologias para

parametrização do mapeamento geomorfológico. Anais do XVII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada 17, 5083-5094.

Souza, J. O. P., Almeida, J. D. M., 2014. Modelo digital de elevação e extração automática de drenagem: dados, métodos e precisão para estudos hidrológicos e geomorfológicos. Boletim de Geografia [Online] 32. Disponível: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/BolGeogr/article/view/20470. Acesso: 30 set. 2019.

Souza Neto, L. T., Grigio, A. M., Carvalho, R. G., 2016. Compartimentação das unidades geomorfológicas do município de Portalegre, Rio Grande do Norte. Boletim de Geografia 34, 23-41.

Ross, J. L. S., 2017. Geomorfologia: ambiente e planejamento, 7 ed. Contexto, São Paulo.

Teske, R., Giasson, E., Bagatini, T., 2014. Comparação do uso de modelos digitais de elevação em mapeamento digital de solos em Dois Irmãos, RS, Brasil. Revista Brasileira de Ciência do solo 38, 1367-1376.

Tinós, T. M., Ferreira, M. V., Zaine, J. E., Riedel, P. S., 2014. Técnicas de visualização de modelos digitais de elevação para o reconhecimento de elementos de análise do relevo. Geociências [Online] 33. Disponível: https://scholar.google.com.br/citations?user=6IW3RxIAAAAJ&hl=pt-BR#d=gs_md_cita-d&u=%2Fcitations%3Fview_op%3Dview_citation%26hl%3Dpt-BR%26user%3D6IW3RxIAAAAJ%26citation_for_view%3D6IW3RxIAAAAJ%3AUeHWp8X0CEIC%26tzom%3D180. Acesso: 30 set. 2019




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.6.p2239-2248

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License