PRECIPITAÇÃO EM RIO GRANDE – RS (1913 – 2016): ANÁLISE DESCRITIVA E DA VARIABILIDADE

Tamires da Rosa Silva, Ítalo Reis, Eliana klering, Eder Bayer Maier

Resumo


Resumo: O objetivo proposto foi analisar a variabilidade temporal da precipitação em  Rio Grande – RS, no período entre 1913 e 2016,a fim de compreender a distribuição temporal, utilizando técnicas estatísticas descritivas para caracterizar o total mensal e anual, as médias mensais, as anomalias, a ocorrência de eventos extremos e técnicas inferenciais para caracterizar os principais fatores remotos que controlam a variabilidade da precipitação. Os resultados das análises descritivas demonstram que a precipitação mensal em Rio Grande varia entre 0,3mm e 551,8 mm com uma média de 102,1 mm e desvio padrão de 66,1 mm; o total anual da precipitação indicou uma variação entre 625 mm (mínimo) e 2.261,9 mm (máximo), possuindo um acúmulo anual médio de 1.226 mm; a média mensal tem uma variação entre 71,2 mm e 126,7 mm, sendo referentes aos meses de dezembro e setembro, respectivamente; a mensuração do desvio padrão mostrou que o verão e o outono são os meses que apresentaram maior e menor variações, respectivamente. A variabilidade temporal ocorreu nas escalas interanual e interdecenal e estão associadas ao predominantente ao fenômeno ENOS/ODP, sendo mais comum a ocorrência de chuvas acima da média/secas concomitantes ao El Niño/La Niña. As anomalias superiores a |56,4 mm| foram considerados eventos extremos da precipitação e foi identificado com a técnica dos quartis 219 meses de seca e 210 meses de chuvas excessivas no período entre 1913 e 2016.

Palavras- chave: precipitação; variabilidade; wavelet; Rio Grande.


Palavras-chave


precipitação; variabilidade; wavelet; Rio Grande

Referências


AQUINO, F. E, 2012. Conexão Climática entre o modo anular do Hemisfério Sul com a Península Antártica e o Sul do Brasil. Tese de Doutorado. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul-URGS.

ASSIS, F.N.; ARRUDA, H.V.; PEREIRA, A.R, 1996. Testes de Aderência. In: Aplicações de Estatística à Climatologia: Teoria e Prática. Ed. Universitária/UFPel, Pelotas.

BERLATO, M. A.; FONTANA, D. C, 2003. El Niño e La Nina: Impactos no clima, na vegetação e na agricultura do Rio Grande do Sul; aplicações de previsões climáticas na agricultura. UFRGS, Porto Alegre.

CORRAR, Luiz J.; PAULO, Edilson; DIAS FILHO, José M. Análise multivariada para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas, 2009.

CHIERICE, Roseli Aparecida Fernandes/ Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 2003. O uso de wavelets na determinação do expoente de Hurst de uma série temporal diária de chuvas do município de Araras-SP de 19552000. 2003. xi. Dissertação (mestrado) - Disponível em: .

DIAS, S.F.A.M,; SILVA, J.A.G.M., 2009. Clima da Região Sul do Brasil, in: Cavalcanti et al ( Org.), Tempo e Clima do Brasil. Oficina Textos, São Paulo, pp 16 – 21.

FLACH, R.; GRIMM, M. ALICE.,2010. Eventos extremos e totais mensais de precipitação na América do Sul durante ENOS e condições normais no clima presente e em cenários futuros.

GRIMM, M. ALICE., 2009. Clima da Região Sul do Brasil, in Cavalcanti et al ( Org.), Tempo e Clima do Brasil. Oficina Textos, São Paulo, pp 259 p.

HUANG, B., VF Banzon, E. Freeman, J. Lawrimore, W. Liu, TC Peterson, TM Smith, PW Thorne, SD Woodruff e H.-M. Zhang, 2014: Extended Surface Recovery Surface Temperature versão 4 (ERSST.v4): Parte I. Upgrades e intercomparações. JournalofClimate, 28, 911-930, doi: 10.1175 / JCLI-D-14-00006.1

IBGE. 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados Demográficos 2010. Disponívelem: https://cidades.ibge.gov.br/.Acessoem 05/04/2017.

IPCC, 2014. Intergovernmental Panel On Climate Change IPCC. Climate Change 2014 Synthesis Report. Cambridge Univ. Press.

KALNAY et al., 1996. The NCEP/NCAR 40-year reanalysis project, Bull. Amer. Meteor. Soc., 77, 437-470.

KRUSCHE, N.; SARAIVA, J.M. B.; REBOITA, M.S., 2002. Normais Climatológicas Provisórias de 1991 a 2000 para Rio Grande, RS. Departamento de Geociências da Fundação Universidade Federal de Rio Grande. Rio Grande do Sul.

MARENGO, A.J., 2009.MARENGO, J. A. Mudanças Climáticas: Detecção e Cenários Futuros para o Brasil até o Final do Século XXI. In: CAVALCANTI, I. F. A., et. al. Tempo e Clima no Brasil. Oficina de Textos, São Paulo pp. 407-424.

MARENGO, J.A., 2007. Mudanças Climáticas Globais e seus Efeitos sobre a Biodiversidade: Caracterização do Clima Atual e Definições das Alterações Climáticas para o Território Brasileiro ao longo do Século XXI. Ministério do Meio Ambiente. Series Biodiversidade, No. 26, Brasília.

MARENGO, J.A., 2014. O futuro do clima no Brasil. Revista USP, São Paulo,pp 25-32.

NCAR.UNCAR. Índice Marshall Southern Annular Mode (SAM) Baseado em Estações. Disponível em: https://climatedataguide.ucar.edu/climate-data/marshall-southern-annularmode-sam-index-station-based. Acesso em 14/11/2018.

NCDC. NOAA. Teleconexões Enso. Disponível em:https//www.ncdc.noaa.gov/teleconnections/enso/enso-tech.php. Acesso em :14/11/2018.

REBELLO, E.R.G.; 2005. A Oscilação Decadal do Pacífico e sua possível influência no clima do sul do Brasil, 23.03.2005, INMET, Brasília-DF.

SOI. Índice de Oscilação Sul (SOI) desde 1876. Disponível em:https://www.gov.au/climate/current/soi2.shtml. Acesso em 25/10/2019.

TRIOLA, F. M., 2005. Introdução á Estatística; tradução Vera Regina Lima de Farias e Flores; revisão técnica Ana Maria Lima de Farias e Flores, Rio de Janeiro: LTC.

VIEIRA, E.F.; 1983. Rio Grande: Geografia Física, Humana e Econômica. 1°edição. Porto Alegre: SAGRA Editora e Distribuidora Ltda, 1983.157p




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.07.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License