A DISCUSSION OF NATURE AND SOCIETY IN THE GEOANTROPOLOGICAL VIEW: the relationship and perception of the Capoeirão community with water resources, Santa Quitéria-CE.

Maria Luisa Ximenes Castelo Branco, José Falcão Sobrinho

Resumo


This work was born from the principle of discussing the relation between society and nature as the main analysis category, having the environmental perception as the basis for this discussion. For this, topics from two study fields were combined, namely geography and anthropology. Once the studied area is a semiarid one, some political and physical aspects were raised since it is in this context that man finds power and mechanisms to live in such an area. In this view, it was analyzed the environmental perception from Capoeirão community dwellers. In the methodological procedures, interviews were carried out and a semi-structured questionnaire was applied addressing various aspects regarding perceptions about water resources and the environment. Such observations make clear the importance and impact of the Araras reservoir for many families dependent on it, not only in the economical sphere but also in the historical and cultural ones, as well as the viability of the new social technologies (cisterns) that deliver a better life quality despite of some setback still unsolved. Therefore, the research can serve as a reflection in governmental program execution, that is, the practicability of projects in the Capoeirão community. In addition to it, it can become a bibliographical reference for future researches concerning socio-environmental topics and life in semiarid areas.

 

Uma discussão da natureza e sociedade na visão geoantropológica: a relação e percepção da comunidade Capoeirão com os recursos hídricos, Santa Quitéria-CE

 

R E S U M O

O presente trabalho parte do princípio de abordar a relação sociedade e natureza como categorias de análises centrais, considerando a percepção ambiental como alicerce no debate. Com base nisso, se fez oportuno conciliando a temática a dois campos de estudos - geografia e antropologia. Além disso, uma vez que a área de estudo se encontra na região semiárida, foram levantados alguns aspectos físicos e políticos, pois, é nesse contexto que o homem encontra força e mecanismos para conviver no seu meio. Nessa perspectiva, optou-se por analisar a percepção ambiental dos moradores da Comunidade Capoeirão, Santa Quitéria - CE. Nos procedimentos metodológicos foram realizadas entrevistas e aplicação de questionário semiestruturado abordando vários aspectos quanto às percepções referentes aos recursos hídricos e ao ambiente. Diante das observações fica claro a importância e o impacto do açude Araras para diversas famílias, tanto no âmbito econômico como histórico e cultural, bem como a viabilidade das novas tecnologias sociais (cisternas) que oferecem uma melhor qualidade de vida, embora existam alguns percalços a serem resolvidos. Assim sendo, a pesquisa pode servir como reflexo da execução de programas do governo, ou seja, a aplicabilidade dos projetos na comunidade Capoeirão, bem como se tornar referência bibliográfica para pesquisas futuras na temática socioambiental e de convivência com o Semiárido.

Palavras-chave: Sociedade. Natureza. Recursos Hídricos. Semiárido.


Palavras-chave


Society. Nature. Water Resources. Semiarid

Texto completo:

PDF (English)

Referências


AB’SABER, Aziz Nacib. Sertões e Sertanejos: uma geografia humana sofrida. Estudos Avançados. USP. São Paulo, 1999.

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz de. Preconceito Contra a Origem Geográfica e de Lugar: as fronteiras da discórdia. 3ª ed. São Paulo: Edições MMM, 2012.

ALMEIDA, Maria Geralda de. Uma leitura etnogeográfica do Brasil sertanejo. In: Angelo Serpa (org.). Espaços culturais: vivências, imaginações e representações. SciELO Books. p 313-336, 2008.

ALMEIDA, Carliana Lima; FALCÃO SOBRINHO, José. As cisternas de placas no cenário da paisagem de superfície sertaneja no semiárido cearense. XI Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 11, n. 6, 2015, pp. 188-205.

ALVES, Vicente Eudes Lemos. A Obra de Humboldt e sua provável influência sobre a Antropologia de Franz Boas. GEOUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, Nº 18, 2005. p. 67-79.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir e escrever. In: O trabalho do antropólogo. 2. ed. Brasília: Paralelo 15; São Paulo Editora UNESP, 2000, p. 17-35.

CARNEIRO, Leonardo de Oliveira; ITABORAHY, Nathan Zanzoni; GABRIEL, Rafaela Alves. TERRITORIALIDADES E ETNOGRAFIA: Avanços metodológicos da análise geográfica de comunidades tradicionais. Ateliê Geográfico (UFG), v. 7, p. 81-101, 2013.

CARVALHO, Marcos de. O que é Natureza? 2 Ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.

CLAVAL, Paul. Etnogeografias - Conclusão. Espaço e Cultura, UERJ, Rio de Janeiro, n. 7, 1999. p. 69-74. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/espacoecultura/article/view/6995/4944. Acesso em: 17 jul. 2019.

CLAVAL, Paul. Gênese e evolução das interpretações culturais na geografia (Primeira Parte). In: Geografia Cultural. Tradução de Luiz Fugazzola e Margareth de Castro Afeche Pimenta. 3. ed. - Florianópolis: Ed. da UFSC, 2007. p. 19-60.

DI DEUS, Eduardo. Antropologia e ambiente: entre transgressões e sínteses. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

DIEGUES, Antônio Carlos Sant’ana. As Populações Tradicionais: conflitos e ambiguidades. In: DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. Editora HUCITEC, São Paulo, 1996. p. 75-98.

FALCÃO SOBRINHO, José. Relevo e Paisagem: Proposta Metodológica, Sobral: Sobral Gráfica, 2007.

FALCÃO SOBRINHO, José. Geohistória Ambiental do Vale do Acaraú. Edições Universitárias, 2009.

FOLADORI, Guillermo; TAKS, Javier. Um olhar antropológico sobre a Questão Ambiental. MANA 10(2), p. 323-348, 2004.

FREITAS, Francisca Wigna da Silva; SILVA, Márcia Regina Farias da; GUEDES, Josiel de Alencar. Percepção e gestão ambiental dos recursos hídricos: diálogos no estudo de reservatório superficiais. São Paulo, v. 1 (2017): EBOOK, p. 204-215. Disponível em: https://ocs.ige.unicamp.br/ojs/sbgfa/article/view/1790. Acesso: 4 set. 2018.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Ed. 1996.

LESSA, Simone Narciso. IDENTIDADE SERTANEJA E MEIO AMBIENTE NO INÍCIO DO SÉCULO XXI. In: XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. Anais [...]. São Paulo, julho 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300641376_ARQUIVO_identidadesertanejaanpuh2011-SimoneLessa.pdf. Acesso em: 15 out. 2018.

MAGALHÃES, G. B.; SILVA, Edson Vicente. Da teoria à prática: as unidades geoambientais e sua contribuição para o planejamento territorial cearense. In: VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física e II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física. Anais [...]. Coimbra, 2010. Disponível em: https://www.uc.pt/fluc/cegot/VISLAGF/actas/tema3/gledson. Acesso em: 20 mar. 2020.

MENDONÇA, Francisco. Geografia e meio ambiente. 5. ed. - São Paulo: Contexto (Caminhos da Geografia), 2001.

PEIRANO, Mariza. A favor da Etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Os (des)caminhos do Meio Ambiente.15 ed., 2ª reimpressão - São Paulo: Contexto, 2016.

SAUER, Carl O. A morfologia da paisagem. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998 [1925], p. 12-74.

SILVA, Cássia Maria Pernambuco Peixoto da. Paisagem sertaneja: apreendendo imagens do semiárido nordestino à luz das suas representações. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

SILVA, Roberto Marinho Alves da. Entre dois paradigmas: combate à seca e convivência com o semi-árido. Sociedade e Estado, Brasília, v. 18, n.1/2, p. 361-385, jan/dez, 2003.

SILVA, Thaís Gomes da. Ser(tão) imaginário: identidades, lugar, memória /ficção. Dissertação (Mestrado em Linguagens, Mídia e Arte) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2018.

SOUZA, Marquessuel Dantas de. A Filosofia na Antropogeografia de Friedrich Ratzel. Caderno de Geografia, v. 24, n. 42, 2014. p. 155-168.

SUDENE. Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste. Disponível em: http://www.sudene.gov.br/planejamento-regional/delimitacao-do-semiarido. Acesso em: 20 set. 2019.

VELDEN, Felipe Vander; BADIE, Marilyn Cebolla. A relação entre natureza e cultura em sua diversidade: percepções, classificações e práticas. Avá. Revista de Antropología, núm. 19, p. 15-47, 2011.

VENSON, Anamaria Marcon; PEDRO, Joana Maria. Memórias como fonte de pesquisa em história e antropologia. História Oral, v. 15, n. 2, p. 125-139, jul.-dez, 2012.

WALDMAN. Maurício. Meio Ambiente e Antropologia. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.5.p2180-2197

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License