Avaliação do Tamanho e Forma de Fragmentos Florestais por Meio de Métricas de Paisagem para o Município de São Roque do Canaã, Noroeste do Estado do Espírito Santo

Hugo Roldi Guariz, Francisco Roldi Guariz

Resumo


Após um século de intensas produções agropecuárias, baseadas na monocultura do café, pecuária bovina extensiva e intenso ciclo madeireiro, as florestas do município de São Roque do Canaã se restringiram a pequenos fragmentos isolados, rodeados por ambientes não florestados. Mediante tal constatação, objetivou-se realizar o levantamento da cobertura florestal e caracterizar os fragmentos florestais localizados em São Roque do Canaã/ES utilizando métricas de ecologia de paisagem com uso de Sistema de Informação Geográfica (SIG), atrelado a uma análise ambiental desses fragmentos. Tais objetivos foram alcançados através da quantidade e frequência de classe de tamanhos dos fragmentos, Índice de Diversidade de Patton (DI), Índice de circularidade (C) e o Índice Perimetral (IP). Com base nos resultados, concluímos que o município possui 17,6% de sua área coberta por florestas, sendo que deste total, 67,7% possui área inferior a 3 ha e 91,8% possuem área inferior a 15 ha.  Por meio do mapeamento dos fragmentos florestais, verificamos que os fragmentos tendem para formatos irregulares com bordas dentadas, correspondendo a 49% do total. Cerca de 76% dos fragmentos tendem para formatos alongados e isolados, o que contribui para a perda de biodiversidade. Conclui-se que a vegetação florestal remanescente encontra-se fragmentada e a maioria dos fragmentos florestais observados apresentam tamanho considerado insatisfatório para manter a estabilidade e a autossustentabilidade ambiental.

 

Evaluation of the Size and Shape of Forest Fragments Using Landscape Metrics for the Municipality of São Roque do Canaã, Northwest of Espírito Santo State

 

A B S T R A C T

After a century of intense coffee monoculture-based agricultural production, extensive cattle ranching and intense timber cycle, the forest cover of São Roque do Canaã (ES) were reduced to small, isolated fragments surrounded by non-forested environments. From this observation, this paper aims carrying out a survey of the forest cover and characterize the forest fragments located in São Roque do Canaã by metrics of landscape ecology approach, using the Geographic Information System (GIS) linked to the environmental analysis of the fragments. Main data was obtained by calculating the quantity and frequency of the size class of the fragments, Patton's Diversity Index (DI), Circularity Index (C) and the Perimeter Index (IP). We concluded that the municipality has 17.6% of its area covered by forests, of which 91.8% is 15 ha or smaller, and 67.7% is lesser than 3 ha. The fragments tend to irregular shapes with jagged edges, with a tendency to elongated shapes, characteristics that foster the deleterious consequences of the edge effect. In conclusion, the remaining forest vegetation is highly fragmented, mainly composed by very small and isolated fragments, which is considered unsatisfactory to maintain stability and environmental self-sustainability. Actions to recover vegetation, such as the implementation of ecological corridors, the creation of conservation units and agroforestry production systems are recommended ways to increase the percentage of forests in São Roque do Canaã.

Keywords: Fragmentation, landscape ecology, edge effect, biodiversity, deforestation.


Palavras-chave


Fragmentação, ecologia de paisagem, efeito de borda, biodiversidade, desmatamento

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, N.R., Molinari, D.C., 2020. Caracterização da Cobertura Vegetal no Alto Curso da Bacia do Igarapé do Mindu-Manaus (AM). Revista Brasileira de Geografia Física [Online] 13. Disponível: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.1.p406-422. Acesso: 18 mai. 2020.

Araujo, R.C., Ponte, M.X., (2016). Efeitos do Desmatamento em Larga-Escala na Hidrologia da Bacia do Uraim, Amazônia. Revista Brasileira de Geografia Física [Online] 9. Disponível: https://doi.org/10.5935/1984-2295.20160171. Acesso: 18 mai. 2020.

Castro, A.L.S., Araújo, G.R., Estrela, D.C., Silva, P.M., 2015. Mamíferos de médio e grande porte em um fragmento florestal de Cerrado no município de Ipameri-GO. Multi-Science Journal [Online] 1. Disponível: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i1.48. Acesso: 18 mai. 2020.

Barbosa, B.C., Maciel, T.T., Prezoto, F., 2016. Comunidade de vespas sociais (Hymenoptera: Vespidae) do município de Juiz de Fora: riqueza, similaridade e perspectivas. Multiverso: Revista Eletrônica do Campus Juiz de Fora [Online] 1. Disponível: http://periodicos.jf.ifsudestemg.edu.br/multiverso/article/view/63. Acesso: 18 mai. 2020.

Capellesso, E.S., Santolin, S.F., Zanin, E.M., 2015. Banco e chuva de sementes em área de transição florestal no sul do Brasil. Revista Árvore 39, 821-829.

CEDAGRO – Centro de Desenvolvimento do Agronegócio, 2012. Levantamento de áreas agrícolas degradadas no estado do Espírito Santo

Costa, A., Galvão, A., Silva, L.G., 2019. Mata atlântica brasileira: análise do efeito de borda em fragmentos florestais remanescentes de um hotspot para conservação da biodiversidade. Revista de Geografia, Meio Ambiente e Ensino 10,112-123.

Faria, A.C.D.O., Galvani, F., Couto, E.V.D., 2018. Métricas de ecologia da paisagem aplicadas em fragmentos da mata atlântica: o caso do município de Saudades do Iguaçú. Revista de Geografia, Meio Ambiente e Ensino 8, 94-102.

Fengler, F.H., Moraes, J.F.L., Ribeiro, A.I., Peche Filho, A., Storino, M., Medeiros, G.A., 2017. Environmental quality of forest fragments in Jundiaí-Mirim river basin between 1972 and 2013. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 19, 402-408.

Ferreira, A.C., Santos, A.F., Vogel, H.F., 2017. Investigação bibliográfica e análise do potencial de dispersão de sementes por aves frugívoras no Brasil. Revista Brasileira de Zoociências [Online] 18. Disponível: https://doi.org/10.34019/2596-3325.2017.v18.24595. Acesso: 18 mai. 2020.

Ferreira, I.J.M., Ferreira, J.H.D., Bueno, P.A.A., Vieira, L.M., Bueno, R.O., Couto, E.V., 2018. Spatial dimension landscape metrics of Atlantic Forest remnants in Paraná State, Brazil. Acta Scientiarum Technology [Online] 40. Disponível: 10.4025/actascitechnol.v40i1.36503. Acesso: 18 mai. 2020.

Filgueiras, B.K.C., Tabarelli, M., Leal, I.R., Mello, F.Z.V., Peres, C.A., Iannuzzi,L., 2016. Spatial replacement of dung beetles in edge-affected habitats: biotic homogenization or divergence in fragmented tropical forest landscapes?. Diversity and Distributions [Online] 22. Disponível: 10.1111/ddi.12410. Acesso: 18 mai. 2020.

Forman, R.T.; Godron, M., 1986. Landscape ecology. New York: John Wiley. 619.

Goes, B.C.; Souza, P.G.; Ribaski, N.G., 2018. Zoneamento de fragmentos florestais prioritários para conservação em parques de Curitiba – Barigui, General Iberê de Mattos, São Lourenço, Tanguá e Tingui. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research [Online] 1. Disponível: http://www.brazilianjournals.com/index.php/BJAER/article/view/328. Acesso: 18 mai. 2020.

Gotardo, R., Pinheiro, A., Piazza, G.A., Kaufmann, V., Torres, E., 2019. Comparação entre variáveis microclimáticas de local aberto e florestal em um bioma da Mata Atlântica, sul do Brasil. Ciência Florestal 29, 1415-1427.

Goulart, A.A., EVERTON, P., Nucci, J.C., 2015. Fragmentação da vegetação de Cerrado, entre os Anos de 1984 e 2011 no Parque Estadual do Cerrado (Jaguariaíva-PR) e em sua Zona de Amortecimento. Revista Brasileira de Geografia Física [Online] 8. Disponível: 10.26848/rbgf.v8.3.p857-866. Acesso: 18 mai. 2020.

Harvey, C.A., Sáenz, J.C., 2008. Evaluación y conservación de biodiversidad en paisajes fragmentados de Mesoamérica. Editorial INBio, 620.

Henao, S., 1988. Introducción al manejo de cuencas hidrográficas. Universidad de Santo Tomás, Centro de Enseñanza Desescolarizada, Ediciones Usta, Bogotá. 395.

IEMA - Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, 2016. Plantio marca início de corredor ecológico em Cachoeiro de Itapemirim. Disponível: https://iema.es.gov.br/plantio-marca-inicio-de-corredor-ecologico-em. Acesso: 20 mai. 2020.

Maués, M.M., 2014. Economia e polinização: custos, ameaças e alternativas. Cap. 21. In: Rech, A.R.; Agostini, K.; Oliveira, P.E.; Machado, I.C. Biologia da Polinização. Ed. Cultural, Rio de Janeiro, 527.

Nascimento, E.R., Santos, J.L., Gouveia, S.F., 2016. Configuração dos remanescentes florestais em uma área da Mata Atlântica do nordeste do Brasil: orientando medidas de conservação em escala municipal. Scientia Plena [Online] 12. Disponível: http://dx.doi.org/10.14808/sci.plena.2016.081001. Acesso: 18 mai. 2020.

Nunes, A.P., Laps, R.R., Tomas, W.M., 2017. Aves e matas são interdependentes. Revista Ciencia Pantanal [Online] 3. Disponível: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/1080512. Acesso: 18 mai. 2020.

Pasa, C., 2016. A importância dos fragmentos florestais nas atividades de reprodução e fertilidade dos animais. FLOVET - Boletim do Grupo de Pesquisa da Flora, Vegetação e Etnobotânica [Online] 1. Disponível: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/flovet/article/view/4029. Acessso: 18 mai. 2020.

Patrício, M.B., Ferreira, J.H.D., Couto, E.V., 2019. The context of the size and distance of Atlantic Forest fragments in a small city in Southern Brazil. Acta Scientiarum Biological Sciences [Online] 41. Disponível: https://doi.org/10.4025/actascibiolsci.v41i1.46936. Acesso: 18 mai. 2020.

PMSRC. Prefeitura de São Roque do Canaã, Lei Nº 806, de 26 de setembro de 2017, Institui a política municipal de valorização e incentivo à agricultura familiar, à agroecologia e a agricultura orgânica no município de São Roque do Canaã. Disponível: http://legislacaocompilada.com.br/saoroque/Arquivo/Documents/legislacao/html/L8062017.html. Acesso: 20 mai. 2020.

Radaelli, E., 2016. Bacia do Santa Maria tem 16% de área degradada que agrava a seca. Disponível:

http://g1.globo.com/espirito-santo/agronegocios/noticia/2016/12/bacia-do-santa-maria-tem-16-de-area-degradada-que-agrava-seca.html. Acesso: 18 mai. 2020.

Reckziegel, R.O., Oliveira, R.C., 2011. Biodiversidade de Insetos em Fragmento Florestal em Cascavel, PR. Revista Eletrônica Científica Inovação e Tecnologia [Online] 1. Disponível: https://periodicos.utfpr.edu.br/recit/article/view/4095 Acesso: 18 mai. 2020.

Riboldi, L.C.O., Récio, L.V., Ferreira, I.J.M., Ferreira, J.H.D., Couto, E.V., 2017. Análise das Métricas de Ecologia de Paisagem em Fragmentos Florestais no Município de Salgado Filho/PR. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 8, 177-185.

Rodrigues, S.S., Salimon, C., Vital, S.R.O., 2017. Fragmentação florestal na Área de Proteção Ambiental de Tambaba, Paraíba, Brasil. Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza [Online] 1. Disponível: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v1i2.446 . Acesso: 18 mai. 2020.

Sá Volotão, C.F., 1998. Trabalho de análise especial - métrica do fragstats. Dissertação (Mestrado em Sensoriamento Remoto). São José dos Campos, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE. Disponível: http://www.dpi.inpe.br/cursos/ser431/trabalhos/fragstats.pdf. Acesso: 18 mai. 2020.

Sales, E.F., Araujo, J.B.S., Baldi, A., 2018. Sistemas Agroflorestais e Consórcios no Estado do Espírito Santo: relatos de experiências. INCAPER – Instituto Capixaba de Pesquisa e Extensão Rural, 22.

Sampaio, A.C.F., Germano, P.J.M.M.T., Angelis, B.L.D., Nocchi, M.J., 2018. Classificação ambiental dos fragmentos florestais da área rural do município de Maringá-PR, Brasil: primeiras etapas. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, Maringá [Online] 11. Disponível: https://doi.org/10.17765/2176-9168.2018v11n1p253-276. Acesso: 18 mai. 2020.

Santos, I.A., Aizen, M., Silva, C.I., (2014). Conservação dos polinizadores. In: Rech, A.R.; Agostini, K.; Oliveira, P.E.; Machado, I.C. Biologia da Polinização. Ed. Cultural, Rio de Janeiro, 527.

Santos, R.B., Menezes, J.A., Confalonieri, U., Madureira, A.P., Duval, I.B., Garcia, P.P., Margonari, C., 2019. Construção e aplicação de um índice de vulnerabilidade humana à mudança do clima para o contexto brasileiro: a experiência do estado do Espírito Santo. Saúde e Sociedade 28, 299-321. Disponível: https://doi.org/10.1590/s0104-12902019180431. Acesso: 20 mai. 2020.

Schaadt, S.S., Vibrans, A.C., 2015. O uso da terra no entorno de fragmentos florestais influencia a sua composição e estrutura. Floresta e Ambiente 22, 437-445.

Silva, A.L., Longo, R.M., Bressane, A., Carvalho, M.F.H., 2019. Classificação de fragmentos florestais urbanos com base em métricas da paisagem. Ciência Florestal [online] 29. Disponível: https://doi.org/10.5902/1980509830201. Acesso: 18 mai. 2020.

Silva, D.C., Pereira, J.M., Ortiz, D.C., Oliveira Filho, L.C.I., Pinto, L.V.A., Baretta, D., 2020. Edaphic fauna as a soil quality indicator in forest fragments and coffee growing area. Brazilian Journal of Development [online] 6. Disponível: https://doi.org/10.1590/2179-8087.009017. Acesso: 18 mai. 2020.

Silva, D.P., Barbieri, L.R., Ferreira, I.J., Ferreira, J.H.D., Couto, E.V.D., 2017. Efeitos da fragmentação florestal no município de Japurá-Paraná. Revista de Geografia, Meio Ambiente e Ensino 8, 186-195.

Silva, J.B., Vital, S.R.O., Chaves, J.R., 2016. Efeitos da fragmentação florestal na bacia do alto curso do rio Gramame, município de Pedras de Fogo (PB). Revista de Geociências do Nordeste [online] 2. Disponível: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/view/10645. Acesso: 18 mai. 2020.

Silvério Neto, R., Bento, M.D.C., Menezes, S.J.M.D.C.D., Almeida, F.S., 2015. Caracterização da cobertura florestal de unidades de conservação da Mata Atlântica. Floresta e Ambiente, 22, 32-41.

SICAR-Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural, 2020. Disponível: http://www.car.gov.br/publico/imoveis/index. Acesso: 23 mai. 2020.

Thiago, C.R.L., Magalhães, I.A.L., Santos, A.R., 2020. Identificação de Fragmentos Florestais Potencias para a delimitação de Corredores Ecológicos na bacia hidrográfica do Rio Itapemirim, ES por meio técnicas de Sensoriamento Remoto. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 13. Disponível: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.2.p595-612. Acesso: 18 mai. 2020.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.5.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License