Pedodiversity and environmental degradation in the lower course of Acaraú river, Ceará State, Northeastern Brazil

Simone Ferreira Diniz, Vanda Claudino-Sales, Jose Falcao Sobrinho

Resumo


This article analyzes the pedodiversity that characterizes the low course of the Acaraú River, in the northwestern Ceará, northeastern Brazil, from the analysis of soil profiles performed in the fieldwork, and from the chemical, mineralogical and particle size analysis of soil samples in the laboratory. The soil typology update in the research area and physical characteristics indicate the occurrence of environmental degradation processes in the area. These situations result from the improper use of the soil in the low course of the river, which is accelerating erosion processes to various degrees, resulting in economic losses and in the risk of desertification.

 

Pedodiversidade e degradação ambiental no baixo curso do rio Acaraú, Ceará, Nordeste do Brasil

 

R E S U M O

O presente trabalho analisa a pedodiversidade que caracteriza a área do baixo curso do Rio Acaraú, situado no Noroeste do Estado do Ceará, Nordeste do Brasil, a partir da análise de perfis de solo realizados em campo, e da analise granulométrica, química e mineralógica de amostras dos solos em laboratório. Fez-se uma atualização da tipologia dos solos na área de pesquisa, bem como a identificação de características físicas que indicam a ocorrência de processos de degradação ambiental na área. Essas situações resultam do uso inadequado do solo no baixo curso do rio, o qual está acelerando processos de erosão em vários graus, resultando em perdas econômicas e risco de desertificação.

Palavras-chave: Pedodiversidade, Degradação Ambiental, Rio Acaraú, Nordeste do Brasil.


Palavras-chave


pedodiversity, Environemental Degradation; Acarau River; Northeastern Brazil

Texto completo:

PDF (English)

Referências


AB’SÁBER, A. N (1969). Participação das superfícies aplainadas nas paisagens do Nordeste brasileiro. Geomorfologia USP , vol. 19, p.1-38.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA) (2020) Monitor de Secas. http://monitordesecas.ana.gov.br/mapa?mes=4&ano=2020. Acessado em 12 de março de 2020.

BRANDÃO, R. L.; FREITAS, L.C.B (eds) (2014). Geodiversidade do Estado do Ceará. Fortaleza: CPRM.

CASTRO, S.S. ; COOPER, M. (2019). Fundamentos de Micromorfologia de Solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo - SBCS.

CASTRO, S.S.; HERNANI, L.C. (Orgs.) (2015) . Solos frágeis : caracterização, manejo e sustentabilidade. Brasília: Embrapa.

CLAUDINO-SALES, V. (2016). Megageomorfologia do Estado do Ceará . São Paulo: NEA.

CLAUDINO-SALES, V. (1993). Lagoa do Papicu: natureza e ambiente na cidade de Fortaleza, Ceará. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo.

COGERH (Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará (2019). Atlas de Recursos Hídricos do Estado do Ceará. http://atlas.cogerh.com.br/. Acesso em 20 de outubro de 2019

COLARES, M. C. S.; PINHEIRO, L. S.; MENESES, M. O. B.; MORAIS,J.O. (2016). Sedimentary characterization of the channel of Coreaú River?s estuary, Ceará State, Brazil. Arquivos de Ciências do Mar, v. 49, p. 5-12.

CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais.) (2019). Atlas Digital de Geologia e Recursos Minerais do Ceará. SIG Escala: 1:500.000. Fortaleza: CPRM.

CPRM (Serviço Geológico do Brasil) (2014). Mapa de Geodiversidade do Estado do Ceará. Escala 1.500.000. Fortaleza: CPRM.

DINIZ, S.F.; MOREIRA, C. A.; CORRADINI, F.A (2008). Susceptibilidade erosiva do baixo curso do Rio Acaraú-Ce. Geociências, vol. 27, p.355-367.

EMBRAPA (Centro Nacional de Pesquisa de Solos) (1999). Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Solos.

EMBRAPA (Centro Nacional de Pesquisa de Solos) (2006). Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Solos, 2ª ed.

FALCÃO SOBRINHO, J. MENDES, M. V. R. ; SILVA, E. V. ;COSTA FALCÃO, C. L (2017). Os recursos hídricos em ambientes geomorfológicos distintos do nordeste brasileiro. Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 13, p. 39-54.

FERNANDES, A. (1990). Temas fitogeográficos. Fortaleza: Stylus Comunicações.

FERNANDES, A.; BEZERRA, P (1990). Estudo fitogeográfico do Brasil. Fortaleza: Stylus Comunicações.

FIGUEIREDO, M.A. (1997). A cobertura vegetal do Ceará (Unidades Fitoecológicas). In: Atlas do Ceará. Governo do Estado do Ceará: Fortaleza: IPLANCE.

FUNCEME (Fundação Cearense de Metereologia) (2019). Indicadores de monitoramento para cheias no Vale do Rio Acaraú. http://www.hidro.ce.gov.br/hidro-ce-zend/app/pagina/show/179. Acessado 20 de setembro de 2019

IPECE (Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará) (2002). Atlas escolar do Estado do Ceará. Fortaleza: IPECE:

JANSSEN, P.; PIEGAY, H.; EVETTE, A. (2020). Fine‐grained sediment deposition alters the response of plant CSR strategies on the gravel bars of a highly regulated river. Applied Vegetation Science. doi: 10.1111/AVSC.12494

LEMOS, R.C., SANTOS, R. D (1976). Manual de método de trabalho de Campo. Rio de Janeiro: SBCS.

MAIA, G.G.0.; GASTÃO, F.G.C.;. PINHEIRO, L. S. (2018). Evolution of the coast line and associated impacts in coastal Ceará State, Northeast, Brazil. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 11, p. 1215-1225.

MELO, M.S; CLAUDINO-SALES, V.; PEULVAST, J.P.; SAADI, A.; MELLO, C.L. (2005). Processos e produtos morfogenéticos continentais. In: SOUZA, C.R.G.; SUGUIO, K.; OLIVEIRA, A.M.S.; OLIVEIRA, P.E. (eds). Quaternário do Brasil. São Paulo: Editora Holos, p. 332-345

MESQUITA, F. N. S. ; CARACRISTI, I.; DINIZ, S.F. ; SOUSA , M. C (2016). Análise Socioambiental do Médio Curso do rio Acaraú, Ce. Revista de Geociências do Nordeste, v. 2, p. 442,

MORAIS, J.O.; XIMENES NETO, A.R.; PESSOA, P.R.; SILVA; PINHEIRO, L.S. (2019). Morphological and sedimentary patterns of a semi-arid shelf, Northeast Brazil. Geo-Marine Letters, v. 1, p. 1-10.

MORO, M.F., MACEDO, M., MOURA-FE, M.M., COSTA, R.C. (2015) Vegetação, unidades fitoecológicas, e diversidade paisagística do Estado do Ceará. Rodriguesia, vol. 66 (33), p. 717-743.

PEULVAST, J.P.; CLAUDINO-SALES, V. (2005). Surfaces d’aplanissement et géodinamique. Géomorphologie: Relief, Processus, Environment, vol. 11(4), p. 249-274

STANFORD, J.P.; RIBEIRO, A.G.; BARROS, M.J.G.; FONSECA, R.A.(1981). Geologia - Potencial dos Recursos Hídricos. Projeto RADAMBRASIL. Folha AS. 24. Fortaleza. Rio de Janeiro: Ministério da Minas e Energia.

SILVA, F.E.R. ; FALCÃO SOBRINHO, J.; COSTA FALCÃO, C.L.; BRANCO, M.L.X.C. (2019) A água e sua importância para o sertanejo no ambiente semiárido cearense. Revista Equador, v. 8, p. 186-208.

VETTORI, L. (1969). Métodos de análise de solo. Rio de Janeiro: EMBRAPA.

XIMENES NETO, A.R.; MORAIS, O. J.; CIARLINI, C. (2018). Modern and relict sedimentary systems of the semi-arid continental shelf in NE Brazil. Journal of South American Earth Sciences, v. 83, p. 45.

ZANELLA, M.E (2005) . As características climáticas e os recursos hídricos do Estado do Ceará. In: Silva, J.B.; Dantas, E.W.C.; Meireles, A.J.A.(orgs). Ceará: um novo olhar geográfico. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, p.169-188.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.6.p2788-2801

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License