A faculdade de direito de São Paulo e a avaliação do sotaque paulistano

Victor Carreão

Resumo


A escolha de São Paulo para ser o lar da Faculdade de Direito foi contestada por conta do sotaque paulista(no), classificado, na época, como o dialeto “mais errado” do Brasil - durante os debates da constituinte de 1823. Mais de um século depois, essa mesma variedade dialetal tem algumas de suas variantes de fala observadas em grandes telejornais. De forma a melhor entender essa trajetória, verificamos, em relatos de viajantes do início do século XIX e em gramáticas da época, o prestígio de diferentes traços linguísticos paulista(no)s e como se associavam às áreas urbanas da cidade.


Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, A. O Dialecto Caipira. Editora O Livro: São Paulo, 1920.

BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico – o que é, como se faz. 15 ed. Loyola: São Paulo, 2002.

BRASIL. Coleção das Leis do Império do Brasil - Decretos, Cartas Régias e Alvarás - 1823 (1887). Disponível em . Acesso em: 28 abr. 2018.

______. Coleção das Leis do Império do Brasil - Atos do Poder Legislativo - 1827 (1878). Disponível em . Acesso em 28 abr. 2018.

BRISO, C. B. A história das estradas paulistas. Veja São Paulo, Cidades. 18 set. 2009. Disponível em: < https://vejasp.abril.com.br/cidades/a-historia-das-estradas-paulistas/ >. Acesso em 09 mai. 2018.

BURTON, R. F. Explorations of the highlands in Brazil. Volume II. Londres: Tinsley Brothers, 1869.

CARNEIRO RIBEIRO, E. Serões Gramaticais. Bahia: Livraria Catilina, 1890.

COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO (SABESP). Dossiê: sistemas de Esgotamento Sanitário. São Paulo: Espaço das águas, 2008.

DER (DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM). Histórico de rodovias. Disponível em: < http://www.der.sp.gov.br/Website/Acessos/Institucional/HistoricoRodovias.aspx >. Acesso em 09 mai. 2018.

DOURADO, E. M. B. As Regiões Metropolitanas do Estado de São Paulo. Rev. adm. saúde; 7(29): 138-146, out.-dez. 2005.

GOMES, S. M. C. Gramáticas e o ensino das línguas no Brasil Império. História do Ensino de Línguas no Brasil, n. 4, 2010. Disponível em: < http://www.helb.org.br/index.php/revista-helb/ano-4-no-4-12010/140-gramaticas-e-o-ensino-das-linguas-do-brasil-imperio >. Acesso em 28 abr. 2018.

IBGE (INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA). Tabelas. Disponível em: < http://smul.prefeitura.sp.gov.br/historico_demografico/tabelas.php >. Acesso em 10 mai. 2018.

KERSWILL, P.; TRUDGILL, P. (2005) The birth of new dialects. In: AUER, P.; HINSKENS, F.; KERSWILL, P. (eds.) Dialect change: convergence and divergence in European languages. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 196-220.

LABOV, W (1972). Sociolinguistic Patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press. [Padrões Sociolinguísticos. Trad.: Marcos Bagno; Marta Scherre e Caroline Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008.]

LAMBERT, W.E.; HODGSON, R. C.; GARDNER, R. C.; FILLENBAUM, S. Evaluational reactions to spoken language. Journal of Abnormal and Social Psychology, v. 60, n.1, pp. 44-51, 1960.

MACIEL, M. de A. Grammatica descriptiva baseada nas doutrinas modernas. 3a edição augmentada com muitas notas e resumos synopticos. Rio de Janeiro e Paris: H. Garnier Livreiro-Editor, 1902 [1894].

MARCÍLIO, M. L. A cidade de São Paulo: povoamento e população (1750-1850). 1ªed São Paulo: Pioneira – EDUSP, 1974.

MATOS, O. N. A cidade de São Paulo no século XIX. Revista de história, n. 21-22, ano VI, São Paulo, jan./jul. 1955.

MAWE, J. Viagens ao interior do Brasil. 1ªed. Belo Horizonte - São Paulo: Itatiaia – Edusp, 1978.

MENDES, C. M. O falar do Jornal Nacional: produção e recepção de um sotaque de natureza ideológica. Monografia de graduação, Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.

POLACHINI, B. S; DANNA, S. M. D. G. Dados sintáticos do português brasileiro em gramáticas brasileiras oitocentistas. Estudos Linguísticos, 45 (1): p. 192-202, 2016.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Área Urbanizada 1872. Disponível em: < http://smul.prefeitura.sp.gov.br/historico_demografico/img/mapas/urb-1872.jpg >. Acesso em 01 mai. 2018.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Área Urbanizada 1915/1929. Disponível em: < http://smul.prefeitura.sp.gov.br/historico_demografico/1920.php >. Acesso em 01 mai. 2018.

RAMOS, J. M. Avaliação de dialetos brasileiros: o sotaque. Revista de Estudos da Linguagem. Belo Horizonte: UFMG. jan.-jun. 1997.

RIBEIRO, D. O Povo Brasileiro: A formação e o sentido de Brasil. (1ª ed.).São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

RIBEIRO, J. C. Grammatica Portugueza. São Paulo: Typographia de Jorge Seckler, 1881.

ROBL, A. Influência tupi no português popular do Brasil. Letras, (34) 155-179, 1985.

ROCHA, I. P. A Demografia Escrava em São Paulo em 1829: análise comparativa de estudos demográficos. Ciência et Praxis, v. 2, n.3, 2009.

RODRIGUES, A. N. O dialeto caipira na região de Piracicaba. São Paulo: Àtica, 1974.

SAID ALI, M. Gramática Histórica da Língua Portuguesa. São Paulo: Edições Melhoramentos, [1931] 1964.

SAINT-HILAIRE, A. M. Voyage dans les provinces de Saint-Paul et de Sainte-Catherine. Tome Premier. Paris: Arthus Bertrand, 1851a.

SAINT-HILAIRE, A. M. Voyage dans les provinces de Saint-Paul et de Sainte-Catherine. Tome Second. Paris: Arthus Bertrand, 1851b.

SIEGEL, J. Second Dialect Acquisition. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

TOLEDO, R. P. A capital da solidão: Uma história de São Paulo das origens a 1900. São Paulo: Objetiva, 2012.

TRUDGILL, P. Dialects in Contact. New York: Basil-Blackwell, 1986.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.