O lugar do intérprete de Libras em escolas da rede estadual do sul de Minas Gerais

Gabriela Serenini Prado Santos Salgado

Resumo


Resumo: Este artigo se propõe a apresentar a análise do discurso de uma intérprete de Libras, inserida na rede pública estadual de MG, a partir dos estudos bakhtinianos, estudos Surdos e sociolinguísticos da linguagem. A pesquisa qualitativa interpretativista, situa-se no escopo da Linguística Aplicada e possui viés etnográfico. Seu corpus é formado por recortes de uma entrevista semiestruturada realizada no ano de 2018, na cidade de Varginha/MG. A pesquisa mostrou que as funções do intérprete de Libras, dentro das escolas da rede estadual no sul de Minas Gerais, ainda não estão definidas e causam a desvalorização do profissional.


Texto completo:

PDF

Referências


BAGNO, M. A caverna implodida: por uma concepção não platônica de língua. In: BAGNO, M. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo, Parábola, p. 37-79, 2012

BAKHTIN, M. (V.) Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. LAHUD, M e VIEIRA, Y. F. 13.ed. 1ª reimpressão. São Paulo: Hucitec, 2012, p. 203 p.

______. Os gêneros do discurso. BEZZERA, P. (organização, Tradução, Posfácio e Notas da edição russa: BOTCHAROV.S). São Paulo: Editora 34, p. 11-69, 2016

BONI, V; QUARESMA, S. J. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC. v. 2, nº 1 (3), p. 68-80, jan/jul., 2005

BRASIL. Casa Civil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 18 de jun. de 2018

BRASIL. Casa Civil. Lei n.º 10.436. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Brasília: 2002. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 01 de set de 2017

BRASIL. Casa Civil. Decreto n.º 5.626. Regulamenta a Lei n.º 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei n.º 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília: 2005. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em: 01 de set de 2017

BRASIL. Casa Civil. Lei n.º 12.319. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS Brasília: 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12319.htm. Acesso em: 20 de set de 2017

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei 9.382. Dispõe sobre o exercício profissional e condições de trabalho do profissional tradutor, guia-intérprete e intérprete de Libras, revogando a Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. 2017. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?

codteor=1634551. Acesso em 18/12/2018

CAVALCANTI, M. Estudos sobre educação bilíngüe e escolarização em contextos de minorias lingüisticas no Brasil DELTA, vol. 15, nº especial, p. 385-417, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/delta/v15nspe/4023.pdf. Acesso em 18 de jun. de 2018

CAVALCANTI, M.; CÉSAR, A. L. Do singular para o multifacetado: o conceito de língua como caleidoscópio. In.: BORTONI-RICARDO, S. M; CAVALCANTI, M. (Orgs). Transculturalidade, Linguagem e Educação. Campinas, SP: Mercado das Letras, p. 45-66, 2007

COSTA, L. R. A questão da ideologia no Círculo de Bakhtin e os embates no discurso de divulgação científica da revista Ciência Hoje. Cotia: Ateilê/Fapesp, Vol. 1. p. 89-95; 132-138; 152-156, 2017

GESSER, A. LIBRAS? Que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola, 2009. 87 p.

______ O ouvinte e a surdez: sobre ensinar e aprender a LIBRAS. São Paulo: Parábola, 2012. 187 p.

LACERDA, C. B. F. de. Intérprete de Libras em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. Porto Alegre: Mediação, 2009. 96 p.

MONDADA, L.; DUBOIS, D. Construção dos objetos de discurso e categorização: uma abordagem dos processos de referenciação. In: CAVALCANTE, M. M.; RODRIGUES, B. B.; CIULLA, A. Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003

OLIVEIRA, G. M. de. Brasileiro fala português: monolinguismo e preconceito linguístico. Revista Linguasagem. 11 ed. UFSCAR: 2009. Disponível em: http://www.letras.ufscar.br/linguasagem/edicao11/artigo12.pdf. Acesso em 05 de set de 2017

SAUSSURE, F. Objeto da linguística. In: SAUSSURE, Ferdinand. Curso de linguística geral. São Paulo, Cultrix, p. 15-25, 1969

VOLÓCHINOV, V. N. (Do círculo de Bakhtin). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Org., Trad., Notas de GRILLO, S. e AMÉRICO, E. V. São Paulo: Editora 34, p. 91-102; 173-200, 2017






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.