Tinha um "mas" no início da pergunta

Camilo Rosa Silva

Resumo


Este artigo enfoca usos do conector mas, considerado nas abordagens tradicionais como conjunção adversativa prototípica. Para tanto, recorre-se a fundamentos teóricos da Linguística Funcional Norte-Americana visando a descrever e analisar os usos do referido conector em amostras de entrevistas sociolinguísticas. Para a consecução desse propósito, são utilizados dados coletados no corpus O Linguajar do Sertão Paraibano (STEIN, 2012). O objetivo básico é identificar as nuanças ativadas nos contextos interrogativos nos quais o item introduz o gerenciamento do tópico discursivo. Nos referidos contextos, são acionadas subfunções discursivas diversas que em muito extrapolam as análises restritas ao valor semântico-gramatical do item.


Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, T. M. M. Observações sobre as conjunções no século XVI. In: Rosa Virgínia Mattos e Silva; Américo Venâncio Lopes Machado Filho. (Org.). O Português quinhentista: estudos lingüísticos. Salvador: Edufba/UEFS, 2002, v. 1, p. 161-193.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BYBEE, J.; PERKINS, R.; PAGLIUCA, W. The evolution of grammar: tense, aspect, and modality in the languages of the world. Chicago: Chicago Press, 1994.

BROWN, G; YULE, G. Discourse analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

CASTILHO, A. T. A língua falada no ensino de português. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2002.

CASTILHO, A. T. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012.

CUNHA, C. Gramática da língua portuguesa. 11. ed. Rio de Janeiro: Fename, 1986.

GIVÓN, T. On understanding grammar. New York: Academic Press, 1979.

GIVÓN, T. Syntax: a functional-typological introduction. Amsterdam: John Benjamins, v.2, 1990.

GIVÓN, T. The grammar of referential coherence as mental processing instructions. Linguistics, Berlin, 1992. p. 5-55.

GIVÓN, T. Functionalism and grammar. Amsterdam: John Benjamins, 1995.

GIVÓN, T. Syntax. V. I. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company. 2001.

HOPPER, P. Emergent Grammar. Proceedings of the Thirteenth Annual Meeting of the Berkeley Linguistics Society, 1987, p. 139-157

HOPPER, P. On some principles of grammaticalization. In: TRAUGOTT, E & HEINE, B. Approaches to grammaticalization, V.1, Amsterdan: Benjamins, 1991, p. 17-37.

HOPPER, P.; TRAUGOTT, E. Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

JUBRAN, C. A. S. Tópico discursivo. In Célia Jubran e Ingedore Kock (orgs.). Gramática do português culto falado. Campinas: Editora da Unicamp, 2006. P. 89-132.

NEVES, M. H. M. Que gramática estudar na escola? Norma e uso na língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2003.

NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP, 2000.

STEIN, C. C. O Linguajar do sertão paraibano. (Corpora urbano e rural). João Pessoa, EDUFPB, 2012.

TRAUGOTT, E. C. Grammaticalization and mechanisms of change. In Bernd Heine and Heiko Narrog (eds.). The Oxford handbooks of grammaticalization. Oxford handbooks online. 2011.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.