Um corp´a´screver o amor

Janaina Rocha de Paula

Resumo


A partir da noção de biografema, definida por Roland Barthes, este texto pretende investigar o modo como o amor se apresenta na obra da escritora portuguesa Maria Gabriela Llansol. Trata-se de um amor que não se separa do corpo, alargando os seus domínios sem, contudo, se deter nos lugares de possessão dos afetos. Uma vida a escrever o amor, diariamente, o amor a ampliar os limites da vida.


Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. Sade, Fourier, Loyola. São Paulo: Martins Fontes, 2005, s/p.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. São Paulo: Editora 34, 1997. p.122-129.

HANNS, Luiz. Dicionário Comentado do Alemão de Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p.240-245.

LLANSOL, Maria Gabriela. Um beijo dado mais tarde. Lisboa: Rolim, 1985.

LLANSOL, Maria Gabriela. Um falcão no punho. 2. ed. Lisboa: Relógio D’Água, 1985.

LLANSOL, Maria Gabriela. Lisboaleipizig 1: o encontro inesperado do diverso, Lisboa: Edições Rolim, 1994.

LLANSOL, Maria Gabriela Llansol. O livro das comunidades. Lisboa: Relógio D´água, 1999.

LLANSOL, Maria Gabriela. A restante vida. Lisboa: Relógio D´água, 2001. p.15.

LLANSOL, Maria Gabriela. O espaço edénico – entrevista a João Mendes, jornal Público, 18 de janeiro de 1995. In: Na casa de julho e agosto. Lisboa: Relógio D’Água, 2003, p.146.

LLANSOL, Maria Gabriela. Contos do Mal Errante. Lisboa: Assírio & Alvim, 2004, p. 27.

LLANSOL, Maria Gabriela. Finita. Lisboa: Assírio & Alvim, 2005.

LOPES, Silvina Rodrigues. Teoria da des-possessão. Lisboa: Black son editores, 1988.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.