CAMINHADA ECO-LITERÁRIA EM CABO VERDE

Avani Souza Silva

Resumo


Turistas podem ser atraídos em Cabo Verde pelas manifestações artístico-culturais, ritmos e danças, culinária, esportes náuticos, e pela variada beleza da flora, fauna marítima e transparência das águas. Na Ilha de Santiago, o Mercado de Sucupira nos convida a passeios e compras, e o silêncio do Tarrafal, hoje Museu da Resistência, antigo campo de concentração para africanos nacionalistas e portugueses antifascistas, opositores do Estado Novo, chama a nossa atenção. Propomos analisar como a literatura cabo-verdiana constrói a identidade cultural e, assim, ajuda a promover um turismo cultural consciente: ou seja, por onde o turista passar em caminhadas ecológicas, lembranças da literatura irão pontuar seu caminho. Romances: ChiquinhoFlagelados do vento lesteHora di bai. 


Palavras-chave


turismo eco-literário; literatura cabo-verdiana; literatura e turismo, caminhada eco-literária.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ALMADA, José Luís Hopffer. O papel do milho na simbolização da identidade cultural do cabo-verdiano. In: VEIGA, Manuel (Org.). Cabo Verde: insularidade e literatura. Paris: Khartala, 1998, p. 63-80.

BAUMAN, Zygmunt. (2005). Identidade – Entrevista a Benedetto Vecchi. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

CANDIDO, Antonio. (1975). Formação da Literatura Brasileira. 5. ed. V. I. São Paulo: Martins Fontes, Itatiaia.

___. Direito à literatura. In: _____.Vários escritos. São Paulo: Duas cidades, 1995, p. 235-263.

_____. A literatura e a formação do homem. In: _____. Textos de Intervenção. São Paulo: Duas cidades, Editora 34, 2002, p. 77-120.

CARREIRA, António. Cabo Verde: formação e extinção de uma sociedade escravocrata (1460-1878). Bissau, Guiné-Bissau: Centro de Estudos da Guiné Portuguesa, 1972.

_____. Cabo Verde: Aspectos sociais, secas e fomes do século XX. 2. ed. Lisboa:: Ulmeiro, 1984.

CASTRO, Josué de. Geografia da fome: a fome no Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1948.

_____. Geopolítica da fome: ensaio sobre os problemas de alimentação e de população. São Paulo: Brasiliense, 1968.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. Trad. Hélder Godinho. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FERREIRA, Manuel. A aventura crioula ou Cabo Verde – uma síntese cultural e étnica. Prefácio de Baltasar Lopes. 2. ed. aumentada. Lisboa: Plátano, 1973.

_____. Hora di bai. (1980). São Paulo: Ática, 1986.

___. (Org.). Claridade – Revista de Arte e Letras. Edição Facsimilar. Lisboa: ALAC, 1986.

GLISSANT, Édouard. Introdução a uma poética da diversidade. Trad. Enilce Albergaria Rocha. Juiz de Fora, MG: UFJF, 2005.

HALL, Stuart. Da diáspora – identidades e mediações culturais. Trad. Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte, Brasil: UFMG; Brasília: UNESCO, 2003.

_____. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 5. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HERNANDEZ, Leila Maria Gonçalves Leite. Os filhos da terra do sol: a formação do Estado-Nação em Cabo Verde. São Paulo: Summus, 2002.

LOPES, Baltasar. Chiquinho. São Paulo: Ática, 1986.

LOPES FILHO, João. Cabo Verde – retalhos do quotidiano. Lisboa: Caminho, 1995.

_____. Contribuição para o estudo da cultura cabo-verdiana. Lisboa: Biblioteca Ulmeiro nº 15, 1983.

_____. Introdução à cultura cabo-verdiana. Praia, Cabo Verde: Instituto Superior de Educação, 2003.

LOPES, Manuel. Os flagelados do vento leste. 2. ed, Coleção Palavra Africana. Lisboa: Veja, 2001.

MAFFESOLI, Michel. O imaginário é uma realidade. Entrevista realizada por Juremir Machado da Silva, Paris, 20.03.2001. Revista FAMECOS, número 15, pp. 74-82, Agosto de 2001. Porto Alegre. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/viewFile/3123/2395

(Acesso em 10 de outubro de 2019)

MARTINS, Vasco. A música tradicional cabo-verdiana – I. A morna. Praia, Cabo Verde: Direcção-Geral do Patrimônio Cultural/Instituto Caboverdiano do Livro e do Disco, 1989.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita – a tecnologização da palavra. Tradução de Enid Abreu Dobránszky. Campinas, SP: Papirus, 1998.

OSÓRIO, Osvaldo. Cantigas de trabalho – tradições orais de Cabo Verde. Nota preliminar de Manue Veiga. Lisboa: Plátano, s.d.

QUEIROZ, Rachel. O quinze. Rio de Janeiro: José Olympio, 2016.

RAMOS, Graciliano. Vidas secas. Rio de Janeiro: Record, 2019.

ROMANO, Luís. Famintos – romance de um povo. Natal: Leitura, 1962.

SANTOS, Boaventura Sousa. Pela mão de Alice – o social e o político na pós-modernidade. 7. ed. Porto: Afrontamento, 1999.

SILVA, Avani Souza. (2015). Narrativas orais, Literatura Infantil e Juvenil e identidade cultural em Cabo Verde. Tese. Universidade de São Paulo. São Paulo. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8156/tde-05082015-145237/pt-br.php

Acesso em 31.10.2019.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2019.v2.n7.p186-211



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.