VOZES PÓSTUMAS ESQUECIDAS DO OUTRO LADO DA HISTÓRIA: A VARANDA DE FRANGIPANI, DE MIA COUTO

Diana Simões

Resumo


Em literatura, a morte é uma construção, a representação de um conceito abstrato. Num cenário mimético, os mortos são incapazes de falar e, certamente, incapazes de escrever livros. No entanto, vozes defuntas têm sido usadas durante séculos para contar histórias, desde a herança grega dos Diálogos dos Mortos, de Luciano de Samósata (século II d.C.), passando pelas Memórias Póstumas de Brás Cubas, do brasileiro Machado de Assis (1881), até aos nossos dias. Através da lente do fantástico, este artigo analisa o uso da narração póstuma ficcional no romance A Varanda do Frangipani, do autor moçambicano Mia Couto, que desafia as convenções narrativas de verisimilitude, ao apresentar uma figura impossível de qualificar de acordo com as leis naturais. Questiono o motivo pelo qual uma voz defunta é mais apropriada para contar uma determinada história, e contesto as limitações da definição de fantástico de Tzvetan Todorov, contrapondo-as com a abordagem mais abrangente de Rosemary Jackson ao fantástico enquanto um tipo de literatura capaz de transmitir mais precisamente o estranho sentimento de deslocalização em relação a certos sistemas políticos e sociais. Sublinho o potencial da narração póstuma enquanto meio de pôr a descoberto e debater temas contemporâneos relevantes de identidade pessoal, política e social, pois, enquanto figura transcendente, este defunto tem a autoridade de revelar a verdade e confessar segredos sobre a sua vida e a dos que o rodeiam. A morte proporciona uma plataforma segura para contar um lado da história das guerras vividas em Moçambique que tinha mantido em silêncio enquanto estava vivo, ao mesmo tempo que lhe permite adquirir postumamente conhecimentos sobre a realidade do seu país e da sociedade em que se insere.

Palavras-chave


narração póstuma; pós-colonialismo; fantástico.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBER, Jan, et al. Unnatural Narratives, Unnatural Narratology: Beyond Mimetic Models. Narrative, vol. 18, n. 2, p. 113-136, 2010.

ALBER, Jan; HEINZE, Rüdiger (Orgs.). Unnatural Narratives - Unnatural Narratology. Berlin & Boston: De Gruyter, 2011.

ASSIS, Machado. Memórias Póstumas de Brás Cubas.1881. Rio de Janeiro: Mogul Classics, 2014.

BENNETT, Alice. Afterlife and Narrative in Contemporary Fiction. Nova Iorque: Palgrave MacMillan, 2012.

BHABHA, Homi K. Of Mimicry and Man: The Ambivalence of Colonial Discourse. In The Location of Culture. Londres e Nova Iorque: Routledge, 1994. p. 85-92.

BRONFEN, Elisabeth. Over Her Dead Body: Death, Femininity and the Aesthetic. Londres e Nova Iorque: Routledge, 1992.

BRONFEN, Elisabeth; GOODWIN, Sarah Webster (Orgs). Death and Representation. Baltimore & London: Johns Hopkins University Press, 1993.

COUTO, Mia. A Varanda do Frangipani: Romance. Lisboa: Caminho, 1996.

---. Entrevista. Revista Época, 20 fevereiro 2009, http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,ERT56449-15254,00.html. Acesso a 17 março 2019.

---. Mia Couto e o Exercício da Humildade. Entrevista por Marilene Felinto. Revista Trópico, 22 julho 2002, http://p.php.uol.com.br/tropico/html/print/1393.htm. Acesso a 17 março 2019.

FREUD, Sigmund. The Uncanny. 1919. In: Writings on Art and Literature. Stanford: Stanford University Press, 1997. p. 193-233.

FUSS, Diana. Corpse Poem. Critical Inquiry, vol. 30, n. 1, p. 1-30, 2003.

HEINZE, Rüdiger. Violations of Mimetic Epistemology in First-Person Narrative Fiction. Narrative, vol. 16, n. 3, p. 279-297, 2008.

HOLLAND, Sharon Patricia. Raising the Dead: Readings of Death and (Black) Subjectivity. Durham e Londres: Duke University Press, 2000.

JACKSON, Rosemary. Fantasy: the Literature of Subversion. Londres e Nova Iorque: Methuen, 1981.

LAQUEUR, Thomas W. The Work of the Dead. Princeton e Oxford: Princeton University Press, 2015.

MAPOTE, William. Corrupção na Polícia Moçambicana Atribuída à Falta de Valorização da Classe. Voa Português, 11 agosto 2017, https://www.voaportugues.com/a/corrupcao-policia-mocambique/3982147.html. Acesso a 30 março 2019.

MOSER, Robert H. The Carnivalesque Defunto: Death and the Dead in Modern Brazilian Literature. Athens: Ohio University Press, 2008.

MUNGONGO, Tata Jitu. Ritos Fúnebres Banto. Estudos Banto, 5 maio 2009, http://estudosbanto.blogspot.com/2009/05/ritos-funebres-banto-1-morte-continua.html. Acesso a 4 fevereiro 2019.

OLIVEIRA, Luiz Carlos de; SOERENSEN, Claudiana. Relações Culturais e Busca Identitária na Obra A Varanda do Frangipani, de Mia Couto. Travessias, vol. 5, n. 2, p. 324-350, 2011.

OLIVEIRA, Pedro Aires. Decolonization in Portuguese Africa. In: Oxford Research Encyclopedia of African History, Oxford: Oxford University Press, 2017. p. 1-25.

PIMENTA, Fernando Tavares. Causas do Êxodo das Minorias Brancas da África Portuguesa: Angola e Moçambique (1974/1975). Revista Portuguesa de História, vol. 48, p. 99-124, 2017.

RIBEIRO, Orquídea Maria Moreira; MOREIRA, Fernando Alberto Torres. Mia Couto: Viajante e Afinador de Identidades. Navegações, vol. 10, n. 1, p. 30-35, 2017.

SAMÓSATA, Luciano de. Diálogos dos Mortos. Tradução de Henrique G. Murachco. São Paulo: Palas Atena, 2007.

SNAUWAERT, Erwin. El Narrador Póstumo: Figura Innatural e Instrumento de lo Fantástico. In: ZUBIATE, Gonzalo Portals; VASQUEZ, Elton Honores (Orgs). Actas del Coloquio Internacional: Fines del Mundo: Narrativas Fantásticas en Hispanoamérica – Coloquiofanperú 2012. Lima: El Lamparero Alucinado Ediciones, 2013, p. 185-195.

TODOROV, Tzvetan. The Fantastic: a Structural Approach to a Literary Genre. 1970. Londres: Press of Case Western Reserve University, 1973.

VERDERY, Katherine. The Political Lives of Dead Bodies: Reburial and Postcolonialist Change. Nova Iorque: Columbia University Press, 1999.

ZUMBROICH, Thomas J. Plumerias the Color of Roseate Spoonbills – Continuity and Transition in the Symbolism of Plumeria L. in Mesoamerica. Ethnobotany Research & Applications, vol. 11, p. 341-63, 2013.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2019.v2.n7.p158-185



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.