Classificação climática de Thornthwaite: uma proposta de adaptação para a região semiárida brasileira (Thornthwaite’s climate classification: an adaptation proposal for the Brazilian semiarid)

Marcelo Henriques da Silva Junior, Eliamin Eldan Queiroz Rosendo, Hamilcar José Almeida Filgueira, Francisco Jácome Sarmento, Bartolomeu Israel de Souza

Resumo


Os estudos mais tradicionais a respeito do tempo e do clima, geralmente analisam as variáveis que afetam mais diretamente a sociedade, tais como, precipitação pluviométrica, radiação solar e temperatura e umidade relativa do ar. Esses estudos evidenciam a necessidade de se compreender e estimar as condições do tempo e do clima da forma mais precisa e isso, normalmente é feito por meio de classificações climáticas. Este trabalho teve como objetivo a realização da classificação climática para a região semiárida brasileira, por meio da adaptação da metodologia de classificação desenvolvida por Thornthwaite em 1948. Foram utilizados os dados das 64 estações climatológicas instaladas na região, monitoradas pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Pelos resultados obtidos foi observado que a grande maioria das estações climatológicas utilizadas foi classificada como pertencente ao clima árido, destacando-se a presença de pouco ou nenhum suprimento de água, o que é compatível com as características da região. O método de Thornthwaite demonstrou-se eficaz como uma alternativa viável para a classificação climática do semiárido brasileiro, ressalvando-se a possibilidade de aperfeiçoamento por meio de novas adaptações para a região em questão.

 

 

 

A B S T R A C T

The more traditional studies of the climate and weather, usually analyze the variables that directly affect the society, such as, pluviometric precipitation, solar radiation, temperature and relative humidity. These studies highlight the necessity to understand, with more accuracy as possible, the conditions of the climate, which is usually done through climate classifications. This paper consisted in the realization of the climate classification of the Brazilian semiarid region, by the adaptation of the classification methodology developed by Thornthwaite in 1948. Climatological data available for the 64 weather stations of the National Institute of Meteorology (INMET) installed in this area was used. It was observed that the vast majority of the stations were classified as belonging to the arid climate, highlighting the presence of little or no water supply, which is compatible with the characteristics of the region. The Thornthwaite’s method proved to be effective as a viable alternative to climate classification of the Brazilian semiarid region, pointing out the possibility of improvement through new adaptations of the discussed region.

Keywords: climatology, meteorology, Brazilian semiarid region.


Palavras-chave


Climatologia, Meteorologia, Semiárido brasileiro.

Texto completo:

PDF

Referências


Ahlonsou, E., Ding Y., Schimel, D., 2001. The climate system: an overview. IPCC reports. Disponível: http://www.stopgreensuicide.-com/ch1introduction_wg1ar5_sod_ch01_all_final.pdf. Acesso: 15 maio 2016.

American Meteorological Society, 2012. Glossary of Meteorology. Disponível: http://glossary.ametsoc.org/wiki/Thermal_efficiency. Acesso: 10 maio 2016.

Ammann G., Wapple A., 2009. Climate change, human systems, and policy, in: Yotovaay, A. (Org), History, status and prediction of global climate change – Vol. I. Editora EOLSS, Paris, pp. 43-67.

Anjos, R. S., Bezerra, A. L., Nóbrega, R. S., 2016. Caracterização das chuvas através do satélite TRMM em Petrolândia-PE. Revista Brasileira de Climatologia [online] 18. Disponível: http://revistas.ufpr.br/revistaabclima/article/view/44652/28726. Acesso: 30 jun. 2016.

Barry, R. G., Chorley, R. J., 1978. Atmósfera, tiempo y clima, 2 ed. Omera S.A., Barcelona.

Belda, M., Holtanová, E., Halenka, T., Kalvová, J., 2014. Climate classification revisited: from Köppen to Trewartha. Climate Research 59, 1 – 13.

Belda, M., Holtanová, E., Halenka, T., Kalvová, J., 2015. Evaluation of CMIP5 present climate simulations using Köppen-Trewartha climate classification. Climate Research 64, 201 – 212.

BRASIL, 2005. Portaria n ° 89 de 17 de março.

Brovkin, V., 2002. Climate-vegetation interaction. J. Physique IV France [Online] 12. Disponível: http://www.pikpotsdam.de/~victor/brovkin_erca5.pdf. Acesso: 30 jun 2016.

Carter, D. B., Mather, J. R., 1966. Climate classification for environmental biology. Publications in Climatology 19(4), 305-395.

Costa, M. S., Lima, K. C., Andrade, M. M., Gonçalves, W. A., 2015. Tendências observadas em extremos de precipitação sobre a região Semiárida do Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física [online], 8. Disponível: http://www.revista.ufpe.br/rbgfe/index.php/revista/article/view/1440/855. Acesso: 15 maio 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. Censo Demográfico. Disponível: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso: 23 abr 2016.

INMET, Instituto Nacional de Meteorologia, 2015. Dados históricos. Disponível em: www.inmet.gov.br. Acesso: 17 fev 2016.

Khlebnikova, E. I., 2002. Classification of the climate of the Earth, in: Gruza, V. G. (Org), Environmental Structure and Function: Climate System – Vol. I. Editora EOLSS, Paris, pp. 229-245.

Köppen, W., 1936. Das geographische system der klimate. In: Köppen, W., Geiger, R. (Eds.), Handbuch der Klimatologie. Verlag von Gebrüder Borntraeger, Berlin, pp. 44.

Lydolph, P. E. 1985. The climate of the earth. Totowa, Rowman & Allanheld, New Jersey.

Mather, J. R., Yoshika, G. A., 1968. The role of climate in the distribution of vegetation. Annals of the Association of American Geographers 58(1), 29-41.

Mieruch, S., Noël, S., Bovensmann, H., Burrows, J. P., Freund, J. A., 2010. Markov chain analysis of regional climates. Nonlinear Processes in Geophysics 17, 651-661.

Moscati, M. C. L., Gan, M. A., 2007. Rainfall variability in the rainy season of semiarid zone of Northeast Brazil (NEB) and its relation to wind regime. International Journal of Climatology 27, 493-512.

Palmer, W. C., 1965. Meteorological drought. Weather Bureau Res. 45, 1-58.

Pereira, A. P; Angelocci, L.R.; Sentelhas, P.C. 2002. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas. Lavras: Agropecuária.

Rolim, Glauco de Souza, Camargo, Marcelo Bento Paes de, Lania, Daniel Grosseli, & Moraes, Jener Fernando Leite de. 2007. Classificação climática de Köppen e de Thornthwaite e sua aplicabilidade na determinação de zonas agroclimáticas para o estado de são Paulo. Bragantia, 66(4), 711-720. https://dx.doi.org/10.1590/S0006-87052007000400022

Rosendo, E. E. Q., Souza, B. I., Pires, A. L., Pedrosa, L. P. D., Filgueira, H. J. A., 2015. Chuvas extremas e desordenamento do território na construção do risco: um estudo de caso no município de Cabaceiras-Paraíba (Brasil). Revista Colombiana de Geografía 24, 189-203.

Silva, M. M., Ferreira, V. O., 2011. Análise comparativa do clima de Araçuaí, Pedra Azul e Itamarandiba, na porção mineira da bacia do rio Jequitinhonha. Caderno de Geografia [Online] 21. Disponível: http://periodicos.pucminas.br/index.php/geografia/article/view/2101/2631. Acesso: 30 jun 2016.

Silva, R. M. A., 2006. Entre o combate a seca e a convivência com o semiárido: transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento. (Tese de Doutorado). Brasília, UNB.

Thornthwaite, C. W. 1948. An approach toward a rational classification of climate. Geographical Review 38(1), 55-94.

Thornthwaite, C. W., 1943. Problems in the classification of climates. Geographical Review 33(2), 233-255.

Thornthwaite, C. W., Mather, J. R., 1955. The water balance. Publications in Climatology 8(1), 1-104.

USEPA. United States Environmental Protection Agency. Glossary of climate change terms. Disponível:https://www3.epa.gov/climatechange/glossary.html. Acesso: 16 Junho, 2016.

Whittlesey, D., 1960. O Conceito regional e o método regional. Boletim Geográfico 154, 5-36.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v10.6.p1760-1774

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License