Análise fitossociológica de fragmentos florestais da reserva extrativista do Rio Cajari, norte da Amazônia (Phytosociological analysis of forest fragments of the cajari river extractive reserve, northern amazon)

João da Luz Freitas, Raullyan Borja Lima e Silva, Adriano Castelo dos Santos, Francisco de Oliveira Cruz Júnior, Erick Silva dos Santos, Maurício Alves Sardinha

Resumo


O objetivo deste estudo foi analisar a composição florística, diversidade, distribuição diamétrica e estrutura horizontal de fragmentos florestais de terra firme e várzea no trecho médio da Reserva Extrativista do Rio Cajari, município de Mazagão, estado do Amapá. As florestas apresentaram relevante riqueza e diversidade florística. Registraram-se 1068 indivíduos com DAP ≥ 9,5 cm, distribuídos em 29 famílias, 68 gêneros e 84 espécies. A distribuição diamétrica das árvores apresentou-se em forma de “J” invertido, conforme tendência natural das florestas heterogêneas. As famílias Fabaceae, Lecythidaceae, Malvaceae, Chrysobalanaceae e Lauraceae foram as mais representativas em número de espécies, sendo que as espécies com maior valor de importância foram Swartzia polyphylla, Caryocar glabrum, Hevea brasiliensis, Vatairea guianensis e Virola surinamensis. A ampliação dos estudos na Resex é necessária tanto para o auxílio na criação de seu plano de manejo quanto para a subsistência das populações que vivem dentro e no seu entorno.


 

A B S T R A C T

 

The objective of this study was to analyze the floristic composition, diversity, diametric distribution and horizontal structure of forest fragments of firm ground and lowland in the middle section of the Extractivist Reserve of the Cajari River, municipality of Mazagão, state of Amapá. The forests presented significant richness and floristic diversity. There were 1068 individuals with DBH ≥ 9.5 cm, distributed in 29 families, 68 genera and 84 species. The diametrical distribution of the trees was inverted "J", according to the natural tendency of the heterogeneous forests. The families Fabaceae, Lecythidaceae, Malvaceae, Chrysobalanaceae and Lauraceae were the most representative in number of species, being that the species with greater value of importance were Swartzia polyphylla, Caryocar glabrum, Hevea brasiliensis, Vatairea guianensis and Virola surinamensis. The expansion of the studies in Resex is necessary both for the aid in the creation of its management plan and for the subsistence of the populations that live inside and in its surroundings.

 

Keywords: floristic composition, floristic diversity, species trees, horizontal structure.



Palavras-chave


Composição Florística; Diversidade Florística; Espécies arbóreas; Estrutura Horizontal.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, S.S. Silva, M.S., Rosa, N. A. 1995. Análise fitossociológica e uso de recursos vegetais na reserva extrativista do Cajari, Amapá. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi. Série Botânica 11, 61-74.

Alves, A. I., 1995. Descrição da reserva extrativista do rio Cajarí. In: MURRIETA, J.R.; RUEDA, M.P. União Mundial para a Conservação da Natureza-UICN. Reservas extrativistas. Reino Unido.

Amaral, I.L. Mattos, F. D. A., Lima, J. 2000. Composição florística e parâmetros estruturais de um hectare de floresta densa de terra firme no Rio Uatumã, Amazônia, Brasil. Acta Amazonica 30, 377-392.

APG III., 2009. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society [online] 161. Disponível: 10.1111/j.1095-8339.2009.00996.x.

Brummitt, R.K., Powell, C.E., 1992. Authors of Plant Names: A list of authors of scientific names of plants, with recommended standard forms of their names, including abbreviations. Royal Botanic Gardens, Kew, England.

Chaves, A.D.C.G.A, 2013. Importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. ACSA – Agropecuária Científica no Semiárido, 9, 43-48.

ColmanettI, M.A.A. Barboza, L.M. Shirasuma, R.T., Couto, H. T.Z. 2016. Phytosociology and structural characterization of woody regeneration from a reforestation with native species in southeastern Brazil. Revista Árvore 40, 209-218.

Drummond, J.A., Dias, T.C.A.C., Brito, D.M. C., 2008. Atlas das Unidades de Conservação do Estado do Amapá. Macapá: MMA/IBAMA-AP/GEA/SEMA.

Francez, L.M.B., Carvalho, J.O.P., Jardim, F. C.S., 2007. Mudanças ocorridas na composição florística em decorrência da exploração florestal em uma área de floresta de Terra firme na região de Paragominas, PA. Acta Amazônica 37, 219 – 228.

Felfili, J.M., Resende, R.P., 2003. Conceitos e métodos em fitossociologia. Comunicações Técnicas Florestais 5, 68.

Higuchi, N., Santos, J., Jardim, F.C.S., 1982. Tamanho de parcelas amostrais para inventários florestais. Acta Amazonica [online] 12. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/1809-43921982121091.

Kew Monocot World Checklist. Orchidaceae. Disponível: www.kew.org/wcsp. Acesso: 22 out. 2012.

Missouri Botanical Garden Tropicos. Plant Tropics. Disponível: http://www.tropicos.org. Acesso: 30 set. 2015.

Margalef, R., 1972. Homage to Evelyn Hutchinson, or why there an upper limit to diversity. Trans. Connect. Acad. Arts Sci., 44, 211-235.

Mueller-Dombois, D., Ellenberg, H., 1974. Aims and methods of vegetation ecology. John Wiley& Sons, New York.

Neves, E.S., Wadt, L.H., Guedes, M.C., 2016. Estrutura populacional e potencial para o manejo de Bertholletia excelsa (Bonpl.) em castanhais nativos do Acre e Amapá. Scientia Forestalis [online] 44. Disponível: dx.doi.org/10.18671/scifor.v44n109.02.

Oliveira, A.N., Amaral, I.L., 2004. Florística de uma floresta de vertente na Amazônia Central, Amazonas, Brasil. Acta Amazônica 34, 21-34.

Péllico Neto, S., Brena, D.A., 1993. Inventário florestal. UFPR, Curitiba.

Pereira, L.A., Sobrinho, F.A.P., Costa Neto, S.V., 2011. Florística e estrutura de uma mata de terra firme na reserva de desenvolvimento sustentável Rio Iratapuru, Amapá, Amazônia Oriental, Brasil. Floresta [online] 41. Disponível: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v41i1.

Pereira, L.A., Sena, K.S., Santos, M.R., Costa Neto, S.V., 2007. Aspectos florísticos da Flona do Amapá e sua importância na conservação da biodiversidade. Revista Brasileira de Biociências – Nota Científica 5, 693 – 695.

Queiroz, W.T., 1998. Técnicas de amostragem em inventário florestal nos trópicos. FCAP, Belém.

Santos, E.S., Aparício, P.S., Silva, T.L., Freitas, J.L., 2013. Estrutura da espécie Virola surinamensis (Rol.) Ward na floresta estadual do Amapá- FLOTA/AP. Revista de Biologia e Ciências da Terra 13, 48 – 61.

Souza, A.L. & Soares, C.P.B., 2013. Florestas Nativas: estrutura, dinâmica e manejo. Editora UFV, Viçosa. 322 p.

Shepherd, G.J., 1995. FITOPAC 1: Manual do usuário. Unicamp, Campinas. 78 p.

Schmidt, C.H., 2012. Os sistemas de gestão transescalar de áreas protegidas no Amapá e Norte do Pará e as efetivas oportunidades para participação comunitária. B.goiano.geogr [online] Disponível: 10.5216/bgg.v32i1.18957.

Spiegel, M.R., 1976. Estatística. McGraw-Hill, São Paulo.

Vieira, D.S., Gama, J.R.V., Oliveira, M.L.R., Ribeiro, R.B.S., 2015. Análise estrutural e uso múltiplo de espécies arbóreas em florestas manejadas no médio vale do rio Curuá-Una, Pará. Revista Floresta 45, 465 - 476.

Zoneamento Ecológico Econômico. ZEE., 2008. Macrodiagnóstico do Estado do Amapá: primeira aproximação do ZEE/ Equipe Técnica do ZEE – AP, 3. ed. rev. ampl. IEPA, Macapá.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v10.6.p1875-1888



      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License