Controle Estrutural e Neotectônica na Dissecação do Relevo em Mares de Morros no Sudeste Brasileiro (Structural Control and Neotectonic in the River Dissection of the Relief of “Seas of Hills”, in Southeastern Brazil)

Rafael Gomes Siqueira, José João Lelis Leal de Souza, André Luiz Lopes de Faria, Elpídio Inácio Fernandes Filho

Resumo


A ação neotectônica afeta o perfil de equilíbrio dos rios, alterando a energia dos canais e influenciando diretamente no seu potencial de dissecação. Nesta pesquisa objetivou-se avaliar o controle estrutural, condicionado pelo regime climático úmido, na dissecação do relevo da Bacia Hidrográfica do Rio Glória, Minas Gerais. A área de pesquisa localiza-se em uma região de importantes dobramentos, falhamentos e escarpas para a paisagem tectônica do Brasil Oriental, com litologia caracterizada por complexos metamórficos e suítes intrusivas. A análise foi realizada com a aplicação de parâmetros morfométricos, tendo como suporte os Sistemas de Informação Geográfica. A relação de bifurcação, o Índice de Concentração da Rugosidade e o Índice Stream Lenght-Gradient permitiram identificar o controle estrutural sobre os cursos fluviais e alta rugosidade do relevo, atribuído à reativação estrutural de falhas Meso-Cenozoicas sobre as litoestruturas do Pré-Cambriano. Esses parâmetros também indicaram diferenças com áreas de história tectônica similar em clima mais seco, evidenciando o condicionante climático sobre a rede de drenagem e a estrutura. A aplicação dos parâmetros morfométricos a partir de técnicas e procedimentos em ambiente SIG mostrou-se eficiente para detectar as influências estruturais e climáticas na conformação do relevo, com potencial para aplicação no planejamento territorial de bacias hidrográficas.

 

 

 

A B S T R A C T

Tectonic phenomena affect the balance of river profile, changing the energy of channels and influencing the potential for dissection. This research aimed to evaluate structural control, conditioned by humid climate regime, on dissection of the watershed rio Glória relief, Minas Gerais. The area is located in a folding and faulting neotectonics landscape of eastern Brazil, with lithology characterized by complex metamorphic and intrusive suites. Morphometric parameters data were used, supported by the Geographic Information Systems. Bifurcation ratio, Concentration Index Roughness and Stream Lenght Index Gradient have identified control of the reactivation of Meso-Cenozoic faults on Precambrian rocks, with the presence of major tectonic anomalies in river courses and high roughness relief. These parameters also indicated differences with areas of similar tectonic history in drier climate, evidencing the climatic condition of the drainage network and structure. The application of morphometric parameters from techniques and procedures in a GIS environment proved to be efficient to detect structural and climatic influences in relief conformation, with potential for application in the territorial planning watershed.

Keywords: Bifurcation Ratio; Concentration Index Roughness; Stream Lenght Index Gradient.

 


Palavras-chave


Relação de bifurcação, Índice de Concentração da Rugosidade, Índice Stream Lenght-Gradient

Texto completo:

PDF

Referências


Ab’saber, A. N, 2003. Os Domínios de Natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. 4. ed. Ateliê Editorial, São Paulo.

Almeida, F. F. M.; Carneiro, C. D, 1998. Origem e evolução da serra do Mar. Revista Brasileira de Geociências 28, 135-150.

Alves, J.M.P; Castro, P.T.A., 2003. Influência de feições geológicas na morfologia da bacia do rio do Tanque (MG) baseada no estudo de parâmetros morfométricos e análises de padrões de lineamentos. Revista Brasileira de Geociências 33, 117- 124.

Bastos Júnior, E. M. B.; Siqueira, J.; Almeida, J. A. P., 2015. Aplicação do Índice de Concentração de Rugosidade (ICR) em uma região de pediplano sertanejo no semiárido nordestino, Nossa Senhora da Glória/SE. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 17, João Pessoa, Brasil. Anais...INPE, São José dos Campos, pp. 6030-6034.

Câmara, G.; Carvalho, M. S., 2004. Análise de Eventos Pontuais, in: Druck, S.; Carvalho, M. S.; Câmara, G.; Monteiro, A. V. M (Eds.). Análise Espacial de Dados Geográficos. EMBRAPA, Brasília, pp. 27-42.

Camargo, R. A., 2012. Avaliação da susceptibilidade à erosão e proposição de zoneamento estratégico com vistas à sustentabilidade da bacia hidrográfica do rio Piranga, MG. Dissertação (Mestrado). Viçosa, Universidade Federal de Viçosa.

Cardoso, C. A.; Dias, H. C. T.; Soares, C. P. B.; Martins, S. V, 2006. Caracterização morfométrica da bacia hidrográfica do rio Debossan, Nova Friburgo, RJ. Revista Árvore 30, 241-248.

Celarino, A. L. S; Ladeira, F. S. B., 2014. Análise morfométrica da Bacia do rio Pardo (MG e SP). Revista Brasileira de Geomorfologia 15, 471-491.

Christofoletti, A., 1980. Geomorfologia. 2. ed. Edgard Blucher, São Paulo.

______, 1981. Geomorfologia Fluvial v. 1. Edgard Blucher, São Paulo.

Clowes A; Comfort, P., 1987. Process and Landform: Conceptual Frameworks in Geography. Oliver & Boyd, Londres.

CODEMIG – Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, 2013. Mapa Geológico do estado de Minas Gerais. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2016.

Collares, E. G., 2000. Avaliação de alterações em redes de drenagem de microbacias como subsídio ao zoneamento geoambiental de bacias hidrográficas: Aplicação na bacia hidrográfica do rio Capivari. Tese (Doutorado). São Carlos, Escola de Engenharia, Universidade de São Paulo.

Couto, E. V.; Fortes, E.; Ferreira, J.H.D., 2013. Índices geomorfológicos aplicados a análise morfoestrutural da zona de falha do rio Alonzo – PR. Revista Brasileira de Geomorfologia 14, 287-297.

Crepani, E.; Medeiros, J. S.; Filho, P. H.; Florenzano, T. G.; Duarte, V.; Barbosa, C. C. F., 2001 Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento aplicados ao Zoneamento Ecológico-Econômico e ao Ordenamento Territorial. INPE, São José dos Campos.

Delgado, I.M; Souza; J.D; Silva, L.C; Filho, N.C.S; Santos, R.A; Pedreira, A.J; Guimarães, J.T; Angelim, A.A; Vasconcelos, A.M; Gomes, I.P; Filho, J.V.L; Valente, C.V; Perrotta, M.M; Heineck, C.A., 2003. Geotectônica Do Escudo Atlântico, in: Bizzi, L.A.; Schobenhaus, C.; Vidotti, R.M.; Gonçalves, J.H. (Eds.). Geologia, Tectônica e Recursos Minerais do Brasil: Textos, mapas e SIG. CPRM (Programa Levantamento de Recursos Minerais do Brasil), Brasilia, pp. 227-258.

DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral - Projeto RADAM BRASIL, 1983. Folhas SF 23/24 - Rio de Janeiro/Vitória, geologia, geomorfologia, pedologia vegetação e uso potencial da terra (Levantamento de Recursos Naturais, 32). Rio de Janeiro.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 1989. Súmula da 10. Reunião Técnica de Levantamento de Solos. EMBRAPA-SNLCS (Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos), Rio de Janeiro.

Etchebehere, M. L.; Saad, A. R.; Fulfaro, V. J.; Perinotto, J. A. J., 2014. Aplicação do Índice Relação Declividade-Extensão - RDE na bacia do rio do Peixe (SP) para Detecção de Deformações Neotectônicas. Revista do Instituto de Geociências – USP 4, 43-56.

Etchebehere, M. L.; Saad, A. R.; Santoni, G.; Casado, F. C.; Fulfaro, V. J., 2006. Detecção de prováveis deformações neotectônicas no vale do rio do Peixe, mediante aplicação de índices RDE em segmentos de drenagem. Geociências – UNESP 25, 271-287.

FEAM, Fundação Estadual do Meio Ambiente, 2010 (meio digital). Mapa de Solos do estado de Minas Gerais. Disponível em: http://www.dps.ufv.br/?page_id=742. Acesso em: 20 de fev. 2016.

Fonseca, B. M., 2010. O uso do Sistema de Informações Geográficas na análise morfométrica e morfológica de bacias de drenagem na serra do Espinhaço Meridional, MG. Dissertação (Mestrado). Belo Horizonte, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais.

Fonseca, B.M.; Augustin, C.H.R., 2014. Análise morfométrica de bacias de drenagem e sua relação com a estrutura geológica na serra do Espinhaço Meridional - MG. Revista Brasileira de Geomorfologia 15, 153-172.

França, G. V., 1968. Interpretação fotográfica de bacias e de redes de drenagem aplicadas a solos da região de Piracicaba. Tese (Doutorado). Piracicaba, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo.

Gomes, J. B. O., 2012. Morfometria e qualidade da água em microbacias do município de Guaçuí - ES. Dissertação (Mestrado), Vitória, Universidade Federal do Espírito Santo.

Hack, J. T., 1973. Stream-profile analysis and stream gradient index. Journal of Research of the U.S. Geological Survey 1, 421–429.

Horton, R. E. Erosional development of streams and their drainage basins - Hydrophysical approach to quantitative morphology, 1945. Bulletin of the Geological Society of America 56, 275-370.

Huggett, R. J., 2007. Fundamentals of Geomorphology. Taylor & Francis Group, New York.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1979. Mapeamento Topográfico Sistemático do Brasil, escala 1:50.000 (meio digital). Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2015.

Lima, I. M. M. F., 2013. Morfodinâmica e meio ambiente na porção centro-norte do Piauí, Brasil. Tese (Doutorado). Belo Horizonte, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais.

McKeown, F. A.; Jones-Cecil M.; Askew. B. L.; McGrath M. B, 1988. Analysis of stream-profile data and inferred tectonic activity, Eastern Ozark Mountains region. U. S. Geological Survey Bulletin 1807, 1-39.

Missura, R., 2013. Bacia do Riacho Pioré - PE: Análise Morfotectônica e Morfoestratigráfica. Tese (Doutorado). Recife, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Monteiro, K. A; Missura, R.; Silva, H. A.; Correa. A. C. B., 2010. Aplicação do Índice de Hack – ou RDE – ao rio Tracunhaém – PE. In: Congresso Argentino do Cuaternário y Geomorfologia, 4, Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, 12, Reunión sobre el Cuaternário de América del Sur, 2, La Plata, Argentina. Anais...ABEQUA, São Paulo, pp. 17-23.

Nascimento, E. R.; Neto, J. M. R.; Rebelo, A. M. A., 2010. Aplicação do Índice de Concentração da Rugosidade do relevo no entendimento do nível de exposição dos sistemas cársticos ocorrentes na região norte do município de Curitiba – PR. Revista Brasileira de Geomorfologia 11, 61-68.

Novo, E. M. L. M., 2010. Ambientes Fluviais, in: Florenzano, T. G. (Org.) Geomorfologia: Conceitos e Tecnologias Atuais. São Paulo: Oficina de Textos, São Paulo, pp. 219-232.

Pires, F. R. M., 1998. Arcabouço Geológico, in: Cunha, S. B.; Guerra, A. J. T (Org). Geomorfologia do Brasil. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, pp. 17-70.

Pissara, T.C.T.; Politano, W.; Ferraudo, A.S., 2004. Avaliação de características morfométricas na relação solo-superfície da bacia hidrográfica do córrego Rico, Jaboticabal (SP). Revista Brasileira de Ciência do Solo 28, 297-305.

Romanovski, Z., 2001. Morfologia e aspectos hidrológicos para fins de manejo da microbacia da Rua Nova, Viçosa-MG, para fins de manejo. Tese (Mestrado). Viçosa, Universidade Federal de Viçosa.

Sampaio, T. V. M., 2008. Parâmetros morfométricos para melhoria da acurácia do mapeamento da rede de drenagem – uma proposta baseada na análise da bacia hidrográfica do rio Benevente – ES. (Doutorado). Belo Horizonte, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais.

Sampaio, T. V. M.; Augustin, C. H. R. R., 2014. Índice de Concentração da Rugosidade: Uma nova proposta metodológica para o mapeamento e quantificação da dissecação do relevo como subsídio à cartografia geomorfológica. Revista Brasileira de Geomorfologia 15, 47-60.

Santos, A. R., 2001. Caracterização morfológica, hidrológica e ambiental da bacia hidrográfica do rio Turvo Sujo, micro-região de Viçosa, MG. Tese (Doutorado). Viçosa, Universidade Federal de Viçosa.

Seeber, L.; Gornitz, V., 1983. River profiles along the Himalayan arc as indicators of active tectonics. Tectonophysics 92, 335-367.

SEMAD - Secretaria do estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Mapa da Flora Nativa e dos Reflorestamentos de Minas Gerais, 2009 (meio digital). Zoneamento Ecológico Econômico do estado de Minas Gerais (ZEE-MG). Disponível em: < http://geosisemanet.meioambiente.mg.gov.br/zee/>. Acesso em: 10 jan. 2016.

SEMAD – Secretaria do estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, 2007. Plano de Manejo do Parque Estadual da serra do Papagaio. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2016.

Souza, L. F.; Sampaio, T. V. M. Aplicação do Índice de Concentração da Rugosidade à identificação de classes de dissecação do relevo: uma proposta de quantificação e automatização em ambiente SIG. In: Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação, 3, Recife, Brasil. Anais…UFPE, Recife.

Strahler, A. N., 1952. Hypsometric (area-altitude) analysis of erosional topography. Geological Society America Bulletin 63, 1117-1142.

Strahler, A. N., 1957. Quantitative Analysis of Watershed Geomorphology. Transactions American Geophysical Union 38, 913-920.

Teodoro, V. L. I.; Teixeira, D.; Costa, D. J. L.; Fuller, B. B., 2007. O conceito de bacia hidrográfica e a importância da caracterização morfométrica para o entendimento da dinâmica ambiental local. Revista Uniara 20, 137-154.

Tonello, K. C.; Dias, H. C. T.; Souza, A. L.; Ribeiro, C. A. A. S.; Leite, F. P., 2006. Morfometria da Bacia Hidrográfica da Cachoeira das Pombas, Guanhães – MG. Revista Árvore 30, 849-857.

Troiani F.; Della Seta M., 2008. The use of the Stream Lenght–Gradient index in morphotectonic analysis of small catchments: A case study from Central Italy. Geomorphology 102, 159-168.

Vervloet, R. J. H. M., 2009. Condicionantes morfológicos e estruturais na dinâmica fluvial da bacia hidrográfica do rio Benevente – Espírito Santo. Dissertação (Mestrado). São Paulo, Universidade de São Paulo, 2009.

Vieira, B.C.; Gramani, M.F., 2015. Serra do Mar: The Most Tormented Relief in Brazil. In: Vieira, B.C., Santos, L.J.C.; Salgado, A.A.R (Eds.). Landscapes and landforms of Brazil. Springer-Verlag, New York, pp. 285-297.

Villela, S.M.; Mattos, A, 1975. Hidrologia aplicada. McGRAW-Hill do Brasil, São Paulo.

Wohl, E., 2014. Time and the rivers flowing: Fluvial geomorphology since 1960. Geomorphology 216, 263-282




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.2.p532-546

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License