Achatina fulica na zona urbana de Maringá-PR: na perspectiva da análise ambiental (Achatina fulica in the urban area of Maringá-PR: from the perspective of environmental analysis)

Renan Valério Eduvirgem, Maria Eugênia Moreira Costa Ferreira

Resumo


A espécie Achatina fulica está presente em diversas partes do mundo adaptando-se as condições ambientais. Essa adaptabilidade é preocupante, pois a espécie transmite aos seres humanos o helminto nematódeo Angiostrongylus, tanto o costaricensis como o cantonensis. Em Maringá, cidade localizada na Região Sul do Brasil, o molusco está presente, e conta com mais de 780 reclamações realizadas pela população da existência da espécie nas residências urbanas. O objetivo desta pesquisa é compreender como ocorre a interação de Achatina fulica com as condições ambientais em que são encontrados na zona urbana do município de Maringá, no sentido de saber se as condições são favoráveis para sua permanência e reprodução. Bem como avaliar os riscos potenciais a saúde humana por meio dos questionários utilizados durante as entrevistas. Os procedimentos metodológicos demandaram da utilização de questionários para avaliação quali-quantitativa com a população; a coleta das coordenadas foi realizada com o Sistema de Posicionamento Global (GPS) Garmim Etrex. Para elaboração do mapeamento, utilizaram-se os softwares ESRI ArcGIS 10.1®, Quantum Gis 2.18.2 e Corel Draw X7® para finalização dos mapas; realizou a coleta de temperatura, umidade, luminosidade e altitude, por meio do aparelho multimedidor “Termo-higro-anemômetro-luxímetro-altímetro-barômetro-Kr875”; realizamos também análise de regressão logística utilizando o software SAS® University Edition. Ao final das análises, concluímos que Maringá possui as condições ambientais favoráveis à existência e reprodução da espécie. Quanto aos questionários identificamos que há roedores (ratos) em mais de 50% das residências, assim, aumentando as chances dos caracóis estarem contaminados, sendo um risco a saúde humana

 

 

A B S T R A C T

The Achatina fulica species is present in several parts of the world, adapting the environmental conditions. This adaptability is worrying because the species transmits to humans the helminth nematode Angiostrongylus, both costaricensis and cantonensis. In Maringá, a city located in the southern region of Brazil, the mollusk is present, and has more than 780 complaints made by the population of the species existence in urban dwellings. The objective of this research is to understand how the interaction of Achatina fulica happen with the environmental conditions which they are found in the urban area of the municipality of Maringá, in order to know if the conditions are favorable for their permanence and reproduction. As well as evaluate the potential risks to human health through the questionnaires used during the interviews. The methodological procedures required the use of questionnaires for qualitative and quantitative evaluation with the population; the coordinates were collected with the Global Positioning System (GPS) Garmin Etrex. To elaborate the mapping, it was employed the softwares ESRI ArcGIS 10.1®, Quantum Gis 2.18.2 and Corel Draw X7® for the maps completion; the collection of temperature, humidity, luminosity and altitude was performed by the multimeter "Thermo-hygro-anemometer-luxmeter-altimeter-barometer-Kr875"; logistic regression analysis was also performed using the software SAS® University Edition. In the end of the analyzes, was concluded that Maringá has the favorable environmental conditions for the existence and reproduction of the species. Regarding the questionnaires, it was identified rodents (rats) in more than 50% of households, thus, increasing the chances of snails being contaminated, being a risk to human health.

Key words: African giant snail, environmental analysis, logistic regression, afforestation.


Palavras-chave


Caracol gigante africano, análise ambiental, regressão logística, arborização

Texto completo:

PDF

Referências


Borrero, F. J., Breure, A. S., Christensen, C., Correoso, M., Ávila, V. M., 2009. Into the Andes: Three new introductions of Lissachatina fulica (Gastropoda, Achatinidae) and its potential distribution in South America. Tentacle, 17, 6-8.

Durço, E.; Vargas, T.; Silva, L.; Carraro, V. M., 2013. Conhecimento popular: impactos e métodos de controle Achatina fulica em Valença – RJ, Brasil. Biotemas. 1, 26, 189-196.

Golden software., 2010. Surfer for windows version 9.0. Colorado: Golden.

Hair, J. F.; Tatham, R. L.; Anderson, R. E.; Black, W., 1998. Multivariate data analysis. 5. ed. New Jersey: Prentice-Hall.

Hosmer, D.; Lemeshow, S., 1989. Applied logistic regression. New York: John Wiley & Sons.

IAPAR – Instituto Agronômico do Paraná. Cartas Climáticas do Paraná. 2000. Disponível em: . Acesso em: 02/04/2016.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. 1992. Rio de Janeiro.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de Clima do Brasil. 2002. Disponível em: . Acesso em: 31/07/2017.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE cidades. Disponível em: . Acesso em: 06/04/2018.

Leite, P.; Klein, R. M., 1990. Vegetação. In: IBGE. Geografia do Brasil: região Sul. v. 2. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, p. 113-150.

Lowe, S.; Browne, M.; Boudjelas, S., 2004. 100 of the world’s worst invasive alien species. A selection from the global invasive species databas. Disponível em: . Acesso em: 01/06/2016.

Mead, A. R., 1961. The giant African snail: a problem in economic malacology. Chicago: University of Chicago Press.

MMA - MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. 2006. Espécies exóticas invasoras: situação brasileira. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. – Brasília: MMA, 2.

Monteiro, C., 2003. A. TEORIA E CLIMA URBANO: Um projeto e seus caminhos. In: Monteiro, C. A. de F.; Mendonça, F. (Orgs). Clima Urbano. Ed. Contexto, 09-67.

Nakashima, P., 1999. Cartografia dos Sistemas Pedológicos do Noroeste do Paraná – distribuição e subsídios para o controle da erosão. Tese (Doutorado em Geografia Física) Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Nakashima, M. R., 2013. Gênese dos Nitossolos Vermelhos férricos na Bacia do Córrego Miringuava, em Maringá-PR. 129 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Oliveira, C. S., 2007. Alterações nos depósitos de glicogênio e conteúdo de glicose na hemolinfa de Achatina fulica bowdich, 1822 (mollusca, gastropoda), hospedeiro intermediário de Angiostrongylus, exposta ao látex de coroa de cristo Euphorbia splendens var. hislopii. 46 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Veterinárias, Parasitologia Animal). Instituto de Veterinária, Departamento de Parasitologia Animal, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ.

Paiva, C. L., 2004. Achatina fulica: praga agrícola e ameaça à saúde pública no Brasil. Disponível em: . Acesso em 02/06/2016.

Reis Nakashima, M. S., 1999. Análise dos processos erosivos e da fragilidade ambiental na Bacia do Rio Keller/PR. Tese (Doutorado em Geografia) Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Ross, J. L. S., 1994. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais antropizados. Revista do Departamento de Geografia, 8, 63-74.

Ross, J. L. S., 1996. Geografia do Brasil. Edusp.

Santos, N. R. Z. dos; Teixeira, I. F., 2001. Arborização de vias públicas: Ambiente x Vegetação. Instituto Souza Cruz, 1ª ed. Porto Alegre: Ed. Pallotti.

Teles, H. M. S; Fontes, L. R., 2002. Implicações da introdução e dispersão de Achatina fulica Bowdich, 1822 no Brasil. Boletim do Instituto Adolfo Lutz, 12, 1, p. 3-5.

Thiengo, S. C.; Faraco, F. A.; Salgado, N. C.; Cowie, R. H.; Fernandez, M. A., 2007. Rapid spread of an invasive snail in South America: the giant African snail, Achatina fulica, in Brasil. Biological Invasions, 9, 6, 693-702.

Tomiyama, K.; Nakane, M., 1993. Dispersal patterns of the giant African snail, Achatina fulica a (Ferussac) (Stylommatophora: Achatinidae), equipped with radio-transmitter. Journal of Molluscan Studies, 59, 3, 315-322.

Trpis, M., 1973. Ecological studies on the breeding of Aedes aegypti and other mosquitos in shells of the giant African snail Achatina fulica. Bulletin of the World Health Organization. 48, 4, 447-453.

Veloso, H. P.; Góes-filho, L., 1982. Fitogeografia brasileira - classificação fisionômicoecológica da vegetação neotropical. Boletim Técnico Projeto RADAMBRASIL – Série Vegetação, Salvador, 1, 1-80.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.07.p2391-2411

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License