Marisma, Manguezal (Mangue E Apicum): Ecossistemas De Transição Terra-Mar Do Brasil

Ana Paula da Silva, Janaína Barbosa da Silva, Elânia Daniele Silva Araújo

Resumo


As marismas são ecossistemas mais produtivos das zonas temperadas e subtropicais, este se desenvolve em áreas abrigadas onde o impacto das ondas é reduzido. Este ecossistema é complexo altamente resiliente e resistente se desenvolve dependendo de diversos fatores, entre os quais se destacam a topografia local, a amplitude das marés e o aporte de água doce. Já o manguezal ecossistema análogo à marisma tem um valor social amplo, visto que muitas pessoas vivem dos produtos desse ecossistema, dependendo desse ambiente para sobreviver. Sua importância ambiental evidencia-o como um verdadeiro “berçário” para diversas espécies que aí se encontram, contudo, taxas alarmantes alertam para a supressão das marismas, dos manguezais e dos apicuns. Tais situações exigem ações imediatas quanto ao desenvolvimento de programas capazes de incentivar e de suportar pesquisas ecossistêmicas, com propostas de planos de manejo, capacitação de recursos humanos técnicos e administradores, que além de cuidar da educação ambiental em seu sentido mais amplo também seja uma forma de conservação dos recursos costeiros. Dessa forma percebe-se a importância do estudo dos manguezais e de suas feições (Mangue e Apicum), já que estes são considerados como importante zona úmida costeira tropical, por permitirem uma constante troca de água, nutrientes, sedimentos e organismos, sendo este de grande valor ecológico, providenciando bens e serviços que atendem diretamente e indiretamente seres humanos e organismos costeiros. Reconhecendo a importância da dinâmica de destruição da vegetação neste importante ecossistema pretende-se assim intensificar ainda mais as pesquisas e ações de preservação nesses ecossistemas.

 

Salt Marsh, Mangrove (Mangrove And Salt Flats): Ecosystem Of Transitionearth Sea Of Brazil

A B S T R A C T

The river mouth areas, also known as the land-sea transition, occur on all continents of the Earth. When these environments present significant changes of exchange between the sweet and saline waters in the intertopic and subtropical bands, it can be said that there are two distinct ecosystems: marshes and mangroves. They occupy tropical, subtropical, and coastal areas. They go beyond productive ecological functions, shelter zones and animal habitats. Its environmental importance evidences them as a true "nursery" for several species found there, however, alarming rates warn of the suppression of marshes, mangroves and apicums. Such situations require immediate actions in the development of programs capable of encouraging and supporting ecosystemic research, with proposals for management plans, training of technical human resources and administrators, which, in addition to taking care of environmental education in its broadest sense, is also a form conservation of coastal resources. In this way, the importance of the study of mangroves and their features (Mangue and Apicum) can be perceived, since these are considered as important tropical coastal wetlands, since they allow a 8 constant exchange of water, nutrients, sediments and organisms, being this one of ecological value, providing goods and services that directly and indirectly serve human beings and coastal organisms. Recognizing the importance of the dynamics of vegetation destruction in this important ecosystem, we intend to further intensify research and preservation actions in these ecosystems

Keywords: Everglades, feature, nursery.


Palavras-chave


Berçário, feições, marismas

Texto completo:

PDF

Referências


Agostinho, A. A. et al., 2005. Conservação da Biodiversidade em águas Continentais do Brasil. Megadiversidade, 1.

Albuquerque, A. et al. A Proteção do Ecossistema Manguezal pela Legislação Ambiental Brasileira. GEOgraphia 17, 126-153, 2015.

Almeida, P. M. M.; Soares, M. L. G.; Kampel, M. 2008. 2008. Monitoramento de uma área de manguezal na região metropolitana do Rio de Janeiro através de técnicas de Sensoriamento remoto. AOCEANO – Associação Brasileira de Oceanografia, Fortaleza,

Almeida, B. M. et al. 2014. Questões Socioambientais. In: Alves, J. R. P. Manguezais: educar para proteger. Rio de Janeiro, RJ: FEMAR/ SEMADS, cap. 2, p. 19-34.

Alves, J. R. P. 2001. "Manguezais: educar para proteger." - Rio de Janeiro: FEMAR: SEMADS, 96 p.: il

Araújo, E. D. S.; Silva, J. B. 2014. Apicum do Estuário de Barra de Gramame-PB: Análises Espaço-temporal utilizando Sensoriamento Remoto. Campina Grande,

Barbier, E. B. et al. 2013. The value of wetlands in protecting southeast Louisiana from hurricane storm surges. PloS one, 8, e58715.

CIMA, 1991. Subsídios técnicos para elaboração do relatório nacional do Brasil para a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Brasília, Comissão Interministerial para a preparação da preparação a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, 172p.

Costa, D. F. S. 2010. Análise fitoecológica do manguezal e ocupação das margens do estuário hipersalino Apodi/Mossoró (RN, Brasil). Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Crepani, E.; MedeiroS, J.S de. 2003. Carcinicultura em apicum no litoral do Piauí: uma análise com sensoriamento remoto e geoprocessamento. Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 11, 1541-1548.

Dini-Andreote, F. et al. 2016. Reconstructing the genetic potential of the microbially-mediated nitrogen cycle in a salt marsh ecosystem. Frontiers in microbiology, 7, 902.

Duke, N. C. 1992. Mangrove floristics and biogeography. In: Robertson, A. I. E Alongi, D. M. (Ed.). Tropical mangrove ecosystems. (Coastal and estuarine series). Washington, USA: American Geophysical Union,

Hadlich, G. M. & Ucha, J. M. 2009.Apicuns: aspectos gerais, evolução recente e mudanças climáticas globais. Bahia. 2009. Revista Brasileira de Geomorfologia 10.

Lana, P. C. 2003. As marismas da Baía de Paranaguá: características gerais, modos de apropriação e implicações para a legislação ambiental. Desenvolvimento e Meio ambiente, 8, 11-23.

Lin, G., & Da Sl Sternberg, L. 1993. Hydrogen isotopic fractionation by plant roots during water uptake in coastal wetland plants. In: Stable isotopes and plant carbon-water relations, 497-510.

Maciel, N.C., 1991. Alguns aspectos da ecologia do manguezal. In: CPRH, 1991. Alternativas de uso e proteção dos manguezais do Nordeste. Recife, Companhia Pernambucana de Controle da Poluição Ambiental e de Administração do Recursos Hídricos. Série Publicações Técnicas, Nº003, 9- 37.

Marangoni, J. C., & Costa, C. S. B. 2010. Caracterização das atividades econômicas tradicionais no entorno das m––arismas no estuário da Lagoa dos Patos (RS). Desenvolvimento e Meio Ambiente, 129-142, Editora UFPR.

Medeiros, S. R. M. D., Carvalho, R. G. D., & Pimenta, M. R. C. 2014. A Proteção Do Ecossistema Manguezal A Luz Da Lei: 12.651/2012: Novos Desafios Para A Sustentabilidade Dos Manguezais Do Rio Grande Do Norte. Revista Geotemas. Rio Grande do Norte.

Meireles, A. J. de Andrade et al. 2007. Impactos ambientais decorrentes das atividades da carcinicultura ao longo do litoral cearense, nordeste do Brasil.

Melo, J. G. D. S. 2014. Registro das dinâmicas espaciais dos manguezais no baixo curso do Capibaribe. Recife.

MEA, Millennium Ecosystem Assessment. 2005. Ecosystems and Human Wellbeing: Synthesis. Washington, DC: Island Press. 137p.

Möller, I. et al. 2014. Wave attenuation over coastal salt marshes under storm surge conditions. Nature Geoscience, 7, 727.

Morais, R. D. 2014. Análise Espaço-Temporal da Vegetação de Mangue na Paraíba: Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento como Ferramentas de Coleta e Análises. Campina Grande.

Nanni, H. C; Segnini, R. C.; , 2005. A importância dos manguezais para o equilíbrio ambiental. II Simpósio Internacional de Ciências Integradas DA UNAERP. Santos.

Nascimento, S. A. 1999. Estudo da importância do “apicum” para o ecossistema manguezal. Aracaju: ADEMA,. 34p.

Oliveira, G. D. De; Mattos, K. M. da C. 2007. Impactos ambientais provocados pela indústria de camarão no município de Nísia Floresta (RN). Revista Gerenciais, 6, 183-188.

Pacheco, C. M. et al. 2016. O gênero Diploneis Ehrenberg ex Cleve (Bacillariophyceae) em marismas do sul do Brasil. Iheringia. Série Botânica., 71, 331-355,

Panitz, C. M. N. 1992. Ecological aspects of a saltmarsh ecosystem in Santa Catarina Island, Brazil. In: U. Seeliger (ed.), Coastal Plant Communities of Latin America. San Diego, California,

Passareli, S. L. 2013.Manguezais sob uma Perspectiva Social e Econômica: Percepção Ambiental e Valoração do Manguezal no Estuário do Rio Paraíba do Sul, Rio de Janeiro. Campos dos Goytacases,

Pereira, E. M., Farrapeira, C. M. R., & De Lyra Pinto, S. 2006. Percepção E Educação Ambiental Sobre Manguezais em escolas públicas da região metropolitana do Recife. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 17.

Pereira Filho, O. 2001. O homem do caranguejo. Trabalho final da disciplina de Sociedade e Meio Ambiente. Programa de PósGraduação em Ciência Ambiental. UFF. 6p

Schaeffer-Novelli, Y. 1987. Manguezais brasileiros: região sudeste-sul. P. 78. In: Anais do Simpósio da Costa Sul e Sudeste: síntese dos conhecimentos. Cananéia, SP: ACIESP. 2.

Schaeffer-Novelli, Y. 1995. Manguezal: Ecossistema entre a terra e o mar. Caribbean Ecological Research, 64p

Schaeffer-Novelli, Y. A. R. A. 1999. Grupo de ecossistemas: manguezal, marisma e apicum. São Paulo.

Schaeffer-Novelli, Y. 2005. Ecossistema manguezal: aspectos conceituais”. Ministério do meio ambiente. Secretária de qualidade ambiental nos assentamentos humanos. Brasília, DF.

Schaeffer-Novelli, Y. et al. 2016. Climate changes in mangrove forests and salt marshes. Brazilian Journal of Oceanography, 64, 37-52.

Schwambach, Estevão. 2015. Avaliação fitossociológica e definição de estágios sucessionais de remanescentes de vegetação nativa delimitados por imagens de satélite na região do Vale do Taquari–RS–Brasil. Lajeado.

Silva, J. B. 2012. Sensoriamento Remoto aplicado ao estudo do ecossistema manguezal. Tese se Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil,. 188p.

Soffiati, A. 2004. Manguezais e conflitos sociais no Brasil colônia. Encontro da ANPPAS,

Souza, C. P. 2012. Políticas públicas ambientais e gestão do ecossistema manguezal da Bacia do Pina–Recife/PE: análise do licenciamento ambiental do Sistema Viário Via Mangue. 195p.

Souza, C. A.; Duarte, L.F.A.; João, M.C.A. & Pinheiro, M. A. A. 2018. Biodiversidade e

conservação dos manguezais: importância bioecológica e econômica, Cap. 1: p. 16-56. In: Pinheiro, M.A.A. & Talamoni, A.C.B. (Org.). Educação Ambiental sobre Manguezais. São Vicente: UNESP, Instituto de Biociências, Câmpus do Litoral Paulista, 165 p

Spivak, A. C., Gosselin, K., Howard, E., Mariotti, G., Forbrich, I., Stanley, R., & Sylva, S. P. 2017. Shallow ponds are heterogeneous habitats within a temperate salt marsh ecosystem. Journal of Geophysical Research: Biogeosciences, 122, 1371-1384.

Vannucci, M.; 2002. Os manguezais e nós. 2° edição. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 244 p.

Yando, E. S. et al. 2016. Salt marsh‐mangrove ecotones: using structural gradients to investigate the effects of woody plant encroachment on plant–soil interactions and ecosystem carbon pools. Journal of Ecology, 104, 1020-1031.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.2.p727-742

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License