Carste em Rochas Não Carbonáticas: contribuição ao estudo geomorfológico em cavernas de arenito da Amazônia Paraense (Karst in Non-Carbonate Rocks: contribution in geomorphological study in sandstones caves of the Paraense Amazon)

Luciana Martins Freire, Joselito Santiago de Lima, Cesar Ulisses Vieira Veríssimo, Edson Vicente da Silva

Resumo


A Geomorfologia Cárstica é um ramo das geociências que se dedica a investigar a natureza, a morfogênese e a morfodinâmica das cavidades naturais subterrâneas, as quais incluem diferentes denominações como cavernas, grutas, abrigos, etc., além de entender suas feições relacionadas. O termo carste surgiu relacionado a rochas carbonáticas (calcários, dolomitas), porém existem também cavernas desenvolvidas em rochas siliciclásticas (arenitos, conglomerados, argilitos), metassedimentares (quartzito, formação ferrífera), ígneas (granito, basalto), dentre outras. Na região Amazônica, rica em feições geomorfológicas resultantes da interação sistêmica de elementos da natureza, ocorrem muitas cavernas em arenitos. Como exemplo, tem-se a Província Espeleológica Altamira-Itaituba (estado do Pará), situada na faixa de contato dos domínios geológicos da Bacia Sedimentar do Amazonas e do Embasamento Cristalino do Complexo Xingu. Nesse sentido, o estudo proposto, com base na análise geossistêmica da paisagem, apresenta uma ampliação dos estudos sobre carste em rochas não carbonáticas, contribuindo para os estudos espeleológicos no Brasil. A estrutura geológica das cavernas da Província apresenta-se notadamente em arenitos friáveis da For¬mação Maecuru, pertencente ao Grupo Urupadi. Os processos que envolvem a formação das cavernas estão associados principalmente à ação mecânica da água (erosão hídrica), embora a ação química da água apresente pa¬pel fundamental na dissolução intergranular.

 

 

A B S T R A C T

The Karst Geomorphology is a branch of geosciences dedicated to investigate nature, genesis and formation processes of natural underground cavities, which include different denominations as caves, shelters, grottos, etc., and understand its related features. The term karst is related to carbonate rocks (limestones, dolomites), but there are also caves developed in siliciclastic rocks (sandstones, conglomerates, shales), metasedimentary (quartzite, iron formation), igneous (granite, basalt), etc. In the Amazon region, which is rich in geomorphological features resulting from systemic interaction of nature elements stand out caves in sandstones. For example, there is the Speleological Province Altamira-Itaituba (Pará state), located in the contact zone of the geological domains of the sedimentary basin of the Amazon and the crystalline basement of the Xingu complex. In this sense, the proposed study, based on the geosystemic analysis of the landscape, presents an amplification of the studies on karst in non-carbonate rocks, contributing to speleological studies in Brazil. The geological structure of the caves of the Province presents notably in friable sandstone of Maecuru Formation belonging to Urupadi Group. Processes involving the formation of the caves are mainly associated with the mechanical action of water (water erosion), although the chemical action of water present in the fundamental role on intergranular dissolution.

Keyswords:  Non-carbonate karst; Speleology; Amazon.


Palavras-chave


Carste não carbonático; espeleologia; Amazônia.

Texto completo:

PDF

Referências


Auler, A. S., 2006. Relevância de Cavidades Naturais Subterrâneas – Contextualização, Impactos Ambientais e Aspectos Turísticos. Relatório 01. Projeto BRA/01/039. Ministério de Minas e Energia. Secretaria Executiva, Brasilia. 166p

Andreychouk, V.; Dublyansky, Y; Ezhov, Y; Lysenin, G., 2009. Karst in the Earth’s Crust: its distribution and principal types. Poland: University of Silesia/ Ukrainian Academy of Sciences/ Tavrichesky National University-Ukrainian Institute of Speleology and Karstology.

Bertrand, G., 1972. Paisagem e Geografia Física Global - esboço metodológico. Caderno de Ciências da Terra 13, 1-27.

Bigarella, J. J.; Becker, R. D.; Santos, G. F., 1994. Estrutura e Origem das Paisagens Tropicais e Subtropicais: fundamentos geológicos-geográficos, alteração química e física das rochas e relevo cárstico e dômico. Editora da UFSC, Florianópolis.

CNC/SBE. Cadastro Nacional De Cavernas / Sociedade Brasileira De Espeleologia, 2017. CNC – Cadastro Nacional de Cavernas do Brasil. Disponível: http://cnc.cavernas.org.br. Acesso: 20 jun. 2017.

CECAV/ICMBIO. Centro Nacional De Pesquisa E Conservação De Cavernas, 2008. II Curso de Espeleologia e Licenciamento Ambiental. Brasília: CECAV/ICMBio.

ELETROBRÁS, Centrais Elétricas Brasileiras S.A, 2009. Aproveitamento Hidrelétrico Belo Monte: Estudo de Impacto Ambiental. Centrais Elétricas do Norte do Brasil (ELETRONORTE), Brasília.

Fabri, F. P.; Augustin, C. H. R. R., 2013. Fatores e processos envolvidos no desenvolvimento de formas cársticas em rochas siliciclásticas em Minas Gerais, Brasil. Revista Geografias 9, 1, 86-96.

Freire, L. M.; Veríssimo, C. U. V.; Silva, E. V; Pinheiro, R. V. L.; Lima, J. S., 2015. Consideração sobre o carste não-carbonático da Província Espeleológica Altamira-Itaituba (PA), Brasil. In: GORAYEB, P. S. S, LIMA, A. M. M. Contribuições à Geoecologia da Amazônia: Volume 9. SBG-Núcleo Norte, Belém, pp. 67-80.

Guareschi, V. D.; Nummer, A. V., 2010. Relevos cársticos em rochas não calcárias: uma revisão de conceitos. In: Figueiredo, L. C.; Figueiró, A. S. (Org.). Geografia do Rio Grande do Sul: Temas em debate. UFSM, Santa Maria, pp. 183-194.

Hardt, R., 2011. Da carstificação em arenitos. Aproximação com o suporte de geotecnologias. Tese (Doutorado). Rio Claro, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho.

Hardt, R.; Rodet, J.; Pinto, S. Dos A.F.; Willems, L., 2009. Exemplos Brasileiros de Carste em Arenito: Chapada dos Guimarães (MT) e Serra de Itaqueri (SP). Espeleo-Tema 20, 07-23.

Hardt, R; Pinto, S. A. F., 2009. Carste em Litologias não carbonáticas. Revista Brasileira de Geomorfologia 10, 99-105.

Karmann, I., 1989. Caracterização Geral e Aspectos Genéticos da Gruta Arenítica "Refúgio do Maroaga", Am-02. Espeleo-Tema 15, 9-18.

Kohler, H. C., 2007. Geomorfologia Cárstica. In: GUERRA, A. T. G.; E CUNHA, S. B. Geomorfologia, uma atualização de bases e conceitos. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, pp.309-329.

Massuqueto, L.L.; Guimarães, G.B.; Pontes, H.S., 2011. Geossítio do Sumidouro do Rio Quebra-Perna (Ponta Grossa, PR, Brasil): relevante exemplo de sistema cárstico nos arenitos da Formação Furnas. Espeleo-Tema 22, 99-110.

Morais, F.; Rocha, S., 2011. Cavernas em arenito no planalto residual do Tocantins. Espeleo-Tema 22, 127-137.

Morais, F.; Souza, L. B., 2009. Cavernas em arenito na porção Setentrional da Serra do Lajeado Estado do Tocantins, Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra 9, 1-13.

Ogden, A.E., 1981. Pseudo karst caves of Arkansas. Proceedings of the Eighth International Congress of Speleology 1-2, 766-768.

Pinheiro, R.V.L.; Maurity, C.W.; Pereira, E., 2015. Cavernas em arenito da Província Espeleológica Altamira Itaituba: dados espeleogenéticos com base no exemplo da Gruta das Mãos (PA), Amazônia, Brasil. Espeleo-Tema 26, 5-18.

Pontes, H. S.; Melo, M. S., 2011. Caverna da Chaminé, Ponta Grossa, PR, Brasil: Potencial espeleológico, recursos hídricos subterrâneos e riscos geoambientais. Espeleo-Tema 22, 111-126.

Projeto RADAMBRASIL, 1974. Levantamento de Recursos Naturais Volume 05: Folha SA22 Belém; geologia, geomorfologia, solos, vegetação e uso potencial da terra. Ministério das Minas e Energia – MME/DNPM, Rio de Janeiro.

Sallum Filho, W.; Karmann, I., 2007. Dolinas em Arenitos da Bacia do Paraná: evidências de carste subjacente em Jardim (MS) e Ponta Grossa (PR). Revista Brasileira de Geociências 37, 551-564.

Simmert, H., 2010. What is Pseudokarst? In: Proceedings of the 11th International Symposium on Pseudokarst, 97-100.

Sotchava, V. B., 1978. Por uma teoria de classificação de geossistemas da vida terrestre. Instituto de Geografia - USP, São Paulo.

Sotchava, V. B., 1977. O estudo de geossistemas. Instituto de Geografia - USP, São Paulo.

Spoladore, A., 2006. A Geologia e a Geoespeleologia como instrumentos de planejamento para o desenvolvimento do turismo - o caso de São Jerônimo da Serra / PR. Tese (Doutorado).Rio Claro, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho.

Spoladore, A.; Cottas, L. R., 2007. Ornamentos de cavernas areníticas. Anais do XXIX Congresso Brasileiro de Espeleologia - Sociedade Brasileira de Espeleologia, 289-295.

Suguio, K., 2010. Geologia do Quaternário e Mudanças Ambientais. Oficina de Textos, São Paulo.

Travassos, L.E.P., 2014. Carstologia e a pesquisa científica. Revista Territorium Terram 2, 2-14.

Urban, J., Oteska-Budzyn, J., 1998. Geodiversity of pseudokarst caves as the reason for their scientific importance and motive of protection. Geologica Balcanica 28, 163-166.

Vasques, M. L.; Rosa-Costa, L. T., 2008. Geologia e Recursos Minerais do Estado do Pará: Sistema de Informações Geográficas – SIG: texto explicativo dos mapas Geológico e Tectônico e de Recursos Minerais do Estado do Pará. Escala 1:1.000.000. CPRM, Belém.

Verissimo, C. U. V.; Spoladore, A., 1994. Gruta do Fazendão (SP-170): considerações geológicas e genéticas. Espeleo-Tema 17, 7-17.

Wernick, E.; Pastore, E. R. B.; Pires Neto, A., 1976. Cavernas em arenito. Notícia Geomorfológica 13, 55-67.

White, W. B., 1988. Geomorphology and Hydrology of Karst Terrains. Oxford University Press, New York.

Younger, P. L.; Stunell, J. M., 1995. Karst and pseudokarst : An artificial distinction? In Brown, A. G. (Ed), Geomorphology and Groundwater. John Wiley, Chichester. pp. 121-142.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v10.6.p1829-1845

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License