Apicum do estuário de Barra de Gramame-PB: Análises físicas e químicas (The Use of Space-Temporal Geostatistics in the Prediction of Maximum Air Temperature)

Elânia Daniele Silva Araújo, Janaína Barbosa da Silva, Thais de Santana Oliveira, Neiva Marion Guimarães de Santana, Maria Bethânia Galvão dos F. Freire

Resumo


O Apicum é uma área arenosa que apresenta uma característica de solo exposto, geralmente por ser desprovida de vegetação devido à alta salinidade. Ocorrendo em áreas de borda interna do manguezal, são ambientes de transição entre os sedimentos de encostas e os sedimentos de manguezais. As Análises desses ambientes são essenciais ao entendimento das dinâmicas espaciais do ecossistema manguezal. Com objetivo de reiterar essa importância que o apicum oferece ao manguezal, essa pesquisa buscou analisar os sedimentos de apicum de Barra de Gramame-PB. Assim, procedeu-se a caracterização da área de estudo, trabalho de campo para coleta dos sedimentos e análises físicas e químicas em laboratório. Nas análises físicas, identificou-se para a cor uma semelhança entre os pontos com cores mais claras nas primeiras camadas e mais escuras nas mais profundas devido a presença de matéria orgânica. A granulometria apresentou constituição tipicamente arenosa, baixos teores de silte e um alto hidrodinamismo. Nas análises químicas, destacou-se a salinidade de dois pontos com um maior teor como resposta a microtopografia da área. Obtiveram-se também baixos teores de Matéria Orgânica e Carbonato, dessa maneira o apicum pôde ser classificado como arenoso. Sua importância se destaca em poder impedir a redução da área ocupada pelos manguezais, proveniente do aumento do nível médio relativo do mar.


Palavras-chave


Manguezal, sedimentos, hidrodinâmica.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, A. G. B. M., 2015. Pedogênese e evolução De Solos De Apicum Em Clima Tropical Semiárido. Tese (Doutorado). Fortaleza, UFC.

Antiqueira, J. A. F., Calliari, L. J. 2005. Características Sedimentares da desembocadura da Laguna dos Patos. Porto Alegre. Gravel. 3, p. 30-46.

Aucan, Jerome. Ridd, Peter V. 2000. Tidal asymmetry in creeks surrounded by saltflats and mangroves with small swamp slopes. Australia. Marine Geophysics Laboratory, School of Computer Science, Maths and Physics, James Cook,. 9p.

Bigarella, J.J. 2001. Contribuição ao estudo da planície litorânea do Estado do Paraná. Brazilian Archives of Biologyand Technology, Jubilée.. p.65-110.

Camargo, M. G. 2006. Sysgran: Um sistema de código aberto para análises granulométricas do sedimento. Revista Brasileira de Geociências 36, p. 371-378, jun. 2006.

Campos, Rogério Costa. 2001. Determinação da cor do solo e sua utilização na predição dos teores de hematita. Dissertação de Mestrado apresentada. Escola superior de agricultura Luiz de Queiroz. Piracicaba. 71p.

Crepani, Edison; Medeiros, José Simeão de. 2003. Carcinicultura em Apicum no Litoral do Piauí: Uma Análise com Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento. INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. P.9.

Dias, Graciele Mousinho; Araújo, Elânia Daniele Silva; SILVA, Janaina Barbosa. 2011. Turismo no Estuário de Barra de Gramame-conde/PB. In: I Encontro de Ecologia da Paraíba-ENECO. Rio Tinto. p.11.

Folk, R. L; Ward. W. C. 1957. Brazos River Bar: a study in the significance of grain size parameters. Journal of Sedimentary Petrology. 27(1). p.3-26.

Hadlich, Gisele Mara; Celino, Joil José; Ucha, José Martin. 2010. Diferenciação físico-química entre apicuns, manguezais e encostas na Baía de todos os santos, Nordeste do Brasil. Revista Geociências. 29. p. 633-64.

IBAMA, 2005 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis. Diagnóstico ambiental dos Manguezais e Apicuns.

Maracajá, Felipe Araújo Rocha. 2014. Análise Espaço Temporal da zonação de Mangue de Barra de Gramame – PB: Utilizando imagens de satélite. Monografia de Graduação. Universidade Federal de Campina Grande. 22p.

Marques, A.G.B.; Ferreira, T.O.; Nóbrega, G.N.; Romero, R.E.; Souza Junior, V.S.; Meireles, A.J.A.; Otero, X.L. 2014a Soil genesis on hyper Saline tidal flats (apicum ecosystem) in a tropical semiarid estuary (Ceará, Brazil). Soil Research.

Marques, A.G.B; Ferreira, T.O.; Cabral, R.L.; Nóbrega, G.N.; Romero, R.E.; Meireles, A.J.A.; Otero, X.L. 2014b. Hypersaline tidal flats (Apicum ecosystems): The weak link in the tropical wetlands chain. Environmental Reviews.

Nascimento, S. 1993. Estudo da importância do “apicum” para o ecossistema de manguezal. Relatório Técnico Preliminar. Relatório Técnico Preliminar. Sergipe .27p.

Oliveira, Thaís de Santana; Barcellos, Roberto Lima. 2013. Caracterização sedimentológica e geoquímica do apicum do sistema estuarino do rio Itapessoca, Goiana, Pernambuco, Brasil. Tropical Oceanography. 41. p. 82.

Pellegrini, J. A.C.. 2000. Caracterização da planície hipersalina (apicum) associada a um bosque de mangue em Guaratiba, Baía de Sepetiba, Rio de Janeiro- RJ. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo. 114p.

Santana, Neiva Marion Guimarães de. 2013. Apicuns de Barra de Catuama-PE: Análise Espaço Temporal e Características Físicas e Químicas dos Sedimentos. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco. 76p.

Schaeffer-Novelli, Yara. 1999. Situação atual do grupo de ecossistemas: “Manguezal, Marisma e Apicum” Incluindo os principais vetores de pressão e as perspectivas para sua conservação e usos sustentável. São Paulo. 119p.

Schmidt, Anders Jensen; Bemvenuti, Carlos Emílio; Diele, Karen. 2013. Sobre a definição da zona de apicum e sua importância ecológica para populações de caranguejo-uçá Ucides cordatus (Linnaeus, 1763). Bol. Técn. Cient. CEPENE, v. 19, n. 1, p. 9-25,

Silva, Janaína Barbosa da. 2012. Sensoriamento Remoto Aplicado ao Estudo do Ecossistema Manguezal em Pernambuco. Tese (Doutorado) UFPE

Suguio, K. 1973. Introdução à sedimentologia. São Paulo. 317p.

Turk. L. J. 1973. Hydrogeology of the Bonneville Salt Flats, Utah. Water-Resources Bulletin 19. Utah. 88p.

Ucha, José Martin; Hadlich, Gisele M.; Celino, Joil José. 2008. Apicum: Transição entre solos de encostas e de Manguezal. Revista ETC. p.58.

Ucha J. M., Santana P. S. S., Barreto E. do N., Vilas-Boas G. da S. & Gomes A. S. R. 2003. Estudos preliminares sobre a gênese dos apicuns no Estado da Bahia. In: International Conference Mangrove. Salvador. 9p.

Ucha, J.M.; Hadlich, G. M. 2006. Características e formação de apicuns na Baía de Todos os Santos, BA. In: VI Simpósio Nacional de Geomorfologia/ Regional Conferenceon Geomorphology. Goiás. p.10.

Vila Nova, Fátima Verônica Pereira. 2013. Geoquímica dos solos e as espécies arbóreas do ecossistema manguezal: estuário do rio Maracaípe, Ipojuca/PE, Brasil. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco. 90p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.1.p112-123

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License