Zonas Climáticas Urbanas em Cidade de Pequeno Porte

João Paulo Assis Gobo, Bruno Henrique Bibiano, Emerson Galvani

Resumo


Esta pesquisa está baseada na análise de dados primários coletados no município de Espírito Santo do Pinhal - SP, com a finalidade de identificar diferentes Urban Climate Zones (UCZ) e suas relações com o vapor d’água atmosférico. Para isso, utilizou-se seis mini estações meteorológicas instaladas a um metro do solo que coletaram a temperatura e umidade relativa do ar em diferentes setores da cidade e em um setor rural durante três dias antes e três dias depois de cada efeméride do ano de 2012. Por meio de equações obteve-se a umidade absoluta desses setores. Foi possível identificar que os contrastes térmicos e higrométricos estão diretamente relacionados aos atributos climáticos, a morfologia das construções, e os fatores naturais, como a vegetação, e não necessariamente tem maior intensidade no setor mais urbanizado. A maior diferença térmica encontrada foi de 6,8° C numa madrugada de inverno entre a zona rural e um bairro nobre. Todavia, identificou-se fortes evidências de que os micro climas estão subordinados aos sistemas atmosféricos de escala regional, e podem se tornar de difícil identificação em condições atmosféricas muito instáveis.

 

 

Urban Climate Zones and Small City

 

A B S T R A C T

This research is based on the analysis of primary data collected in the city of Espírito Santo do Pinhal - SP to identify different Urban Climate Zones (UCZ) and their relationships with atmospheric water vapor. For this purpose, six mini meteorological stations were installed, one meter from the ground that collected the temperature and relative humidity of the air in different sectors of the city and in a rural sector for three days before and three days after each ephemeris of the year 2012. The absolute humidity of these sectors was obtained by means of equations. It was possible to identify that thermal and hygrometric contrasts are directly related to climatic attributes, the morphology of buildings, and natural factors, such as vegetation, and not necessarily more intense in the more urbanized sector. The greatest thermal difference was found to be 6.8°C in the winter dawn between the countryside and a noble neighborhood. However, strong evidence has been found that micro climates are subordinate to regional-scale atmospheric systems, and may become difficult to identify under very unstable atmospheric conditions.

Keywords: Urban heat island, Espírito Santo do Pinhal, Absolute humidity, Urban Climate, Thermal Field.


Palavras-chave


Espírito Santo do Pinhal, Umidade Absoluta, Clima Urbano, Campo Térmico

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, W.S., Mariano, Z.F., 2015. A distribuição espacial da temperatura e umidade relativa do ar máxima e mínima absoluta: um estudo de caso em Iporá/GO. Revista Formação 2, 192-221.

Alcoforado, M. J., Andrade H., 2006. Nocturnal urban heat island in Lisbon (Portugal): Main features and modelling attempts. Theoretical and Applied Climatology 84, 151-159.

Amorim, M.C.C.T., Dubreuil, V., Quenol, H., Sant'anna Neto, J.L., 2009. Características das ilhas de calor em cidades de porte médio: exemplos de Presidente Prudente (Brasil) e Rennes (França). Confins (Paris) 7, 1–16.

Amorim, M.C.C.T., 2013. O clima urbano a partir do sensoriamento remoto e de registros da temperatura do ar. In: XIV Encuentro de Geógrafos da América Latina: reencuentro de saberes territoriales latinoamericanos. Anais. Lima/Peru: UGI. XIV, pp. 1–18.

Amorim, M.C.C.T., Dubreuil, V., 2017.Intensity of Urban Heat Islands in Tropical and Temperate Climates. Climate 5, 91-104.

Amorim, M.C.C.T., 2018. Spatial variability and intensity frequency of surface heat island in a Brazilian city with continental tropical climate through remote sensing. Remote Sensing Applications: Society and Environment 9, 10-16.

Araujo, E.D.S., Silva, J.B., Machado, C.C.C., 2016. Identificação de Ilhas de Calor na Cidade de Campina Grande-PB utilizando Sensoriamento Remoto. Rev. Bras. Geogr. Física 9, 614–626.

Barbosa, R.V.R.; Vecchia, F.A.S., 2009. Estudos de ilha de calor urbana por meio de imagens do Landsat 7 Etm+: estudo de caso em São Carlos (SP). Rev. Minerva 6, 273–278

Barros, H.R., Lombardo, M.A., 2012. A Relação entre ilhas de calor urbana, ocupação do solo e morfologia urbana na cidade do Recife. Rev. Geonorte. Ed. Espec. 2, 65–76.

Barry R.G., Chorley R.J., 2013. Atmosfera tempo e clima. ed.9, Bookman, Porto Alegre.

Cardoso, R., Dorigon, L., Teixeira, D., Amorim, Amorim, M.C.C.T., 2017. Assessment of Urban Heat Islands in Small- and Mid-Sized Cities in Brazil. Climate 5, 14-1-13.

Dorigon, L.P., Amorim, M.C.C.T., 2013. Estrutura térmica da superfície de Paranavaí/PR através do Landsat 7. Cad. Prud. Geogr. 2, 110–129.

Ellefsen, R., 1990. Mapping and measuring buildings in the urban canopy boundary layer in ten US cities. Energy & Buildings 16, 1025-1049.

Feitosa, S.M.R., Gomes, J.M.A., Moita Neto, J.M., Andrade, C.S.P., 2011. Consequências da urbanização na vegetação e na temperatura da superfície de Teresina – Piauí. Rev. Soc. Bras. Arborização Urbana 6, 58–75.

Hutcheon, R.J., Johnson, R.H., Lowry, W.P., Black, C.H., Hadley, D., 1967. Observations of the urban heat island in a small city. Bull. Am. Meteorol. Soc., 48, 7–9.

Gobo, J.P.A., Alves, R.R., Silveira, T.S., Onça, D.S., Monteiro, L.M., Wollmann, C.A., Galvani, E., 2017. A influência do vento regional na sensação térmica de pedestres em espaços urbanos abertos: estudo de caso do vento norte em Santa Maria-RS. Revista Ra'e Ga Espaço Geográfico em Análise 40, 110-129.

Gobo, J.P.A., Galvani, E., Wollmann, C.A., 2018a. Influência do clima regional sobre o clima local a partir do diagnóstico de abrangência espacial e extrapolação escalar. Revista Brasileira de Climatologia 22, 210-228.

Gobo, J.P.A., Galvani, E., Wollmann, C.A., 2018b. Subjective human perception of open urban spaces in the Brazilian subtropical climate. Climate 6, 1-12.

Kopec, R., 1970. Further observations of the urban heat island in a small city. Bull. Amer. Meteor. Soc. 51, 602–606.

Masiero, E.; Souza, L.C.L., 2013. Variação de umidade absoluta e temperatura do ar intraurbano nos arredores de um corpo d'água. Ambient. Constr. 13, n.4, 25-39.

Oke, T.R., 2004. Initial Guidance to obtain representaive meteoerological observations at Urban Site, Instruments and Observing Program. IOM Report, 81.

Oke, T.R., 2006. Towards better scientific communication in urban climate. Theoretical and Applied Climatology 84, 179–190.

Ortiz, G. F.; Amorim, M.C.C.T., 2013. Índice de vegetação por diferença normalizada (NDVI), temperatura da superfície e do ar na cidade de Tarumã/SP. In: XIV Encuentro de Geógrafos de América Latina: reencuentro de saberes territoriales latinoamericanos. Anais… Lima/Peru: UGI. XIV, p.1–20.

Porangaba, G.F.O., Teixeira, D.C.F., Amorim, M.C.C.T., 2017. Procedimentos metodológicos para análise das ilhas de calor em cidades de pequeno e médio porte. Revista Brasileira de Climatologia 21, 225-247.

Ugeda Junior, J.C., 2013. Correlação entre a temperatura da superfície e temperatura do ar na cidade de Jales-SP. in: Amorim, M.C.C.T., Sant'anna Neto, J.L., Monteiro, A., (Org.), Climatologia Urbana e Regional: questões teóricas e estudos de caso. São Paulo: ed. Outras Expressões 1, 291–316.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.6.p2066-2079

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License