Distribuição espaço-temporal do conforto térmico na malha cicloviária em Recife-PE

Rafael Silva Anjos, Ayobami Badiru Moreira, Tamires Gabryele de Lima Mendes, Tanelly Neriah Santos, Cleusa Aparecida Gonçalves Pereira Zamparoni, Ranyére Silva Nóbrega

Resumo


maioria dos casos, as condições do ambiente podem influenciar no condicionamento físico dos ciclistas, de acordo com o seu conforto térmico. Por isso, a proposta dessa pesquisa foi avaliar as condições de conforto térmico em toda a malha cicloviária em Recife, município situado no nordeste do Brasil. Para isso, foi necessário interpolar as médias mensais de umidade e temperatura do ar, nos horários de 6:00, 12:00 e 18:00, para posteriormente calcular a Temperatura Efetiva e produzir cartograficamente sua distribuição espacial. Foi identificado que o conforto térmico nas ciclofaixas estão relacionadas à hora, mês e localização geográfica das vias. Os resultados permitiram apontar que a sensação de calor leve nas ciclofaixas e ciclovias predominaram ao longo da série histórica. No entanto, outubro de 2015, às 6:00, apresentou sensações confortáveis em toda a malha cicloviária, enquanto janeiro de 2016 às 12:00 apresentou condições mais adversas para o ciclismo. Diante dos resultados analisados, propõe-se um planejamento urbano que leve em consideração o conforto térmico dos ciclistas assim como ações que promovam os cuidados necessários para os ciclistas em condições térmicas adversas, de acordo com o período e a área da prática do ciclismo.

 

Spatial-temporal distribution of cycling in Recife-PE

 

A B S T R A C T

Cycling is one of the sporting practices that is growing the most in urban spaces. Because it is practiced outdoors, in most cases, the conditions of the environment can influence the physical conditioning of cyclists, according to their thermal comfort. Therefore, the proposal of this research was to evaluate the thermal comfort conditions in the entire cycle network in Recife, a municipality located in northeastern Brazil. For this, it was necessary to interpolate the monthly averages of humidity and air temperature, at the times of  6:00, 12:00 and 18:00, to later calculate the Effective Temperature and produce cartographically its spatial distribution. It was identified that the thermal comfort in the cycle ranges are related to the time, month and geographical location of the tracks. The results allowed to point out that the sensation of light heat in the cycle ranges and cycle paths predominated throughout the historical series. However, October of 2015, at 6:00 am, presented comfortable sensations throughout the cycling network, while January of 2016 at 12:00 showed more adverse conditions for cycling. Considering the results analyzed, it is proposed an urban planning that takes into account the thermal comfort of cyclists as well as actions that promote the necessary care for cyclists in adverse thermal conditions, according to the period and the area of cycling practice.

Keywords: thermal comfort, cycle path, effective temperature.


Palavras-chave


conforto térmico, ciclovia, temperatura efetiva

Texto completo:

PDF

Referências


Ayoade, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos. 14ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010. 350 p.

Barros, H. R.; Lombardo, M. A. A relação entre ilhas de calor urbana, ocupação do solo e morfologia urbana na cidade do Recife. Revista Geonorte, Edição Especial 2, V.2, N.5, p.65 – 76, 2012.

Barwood, M. J.; Corbet, J.; Thomas, K.; Twentyman, P. Relieving thermal discomfort: Effects of sprayed L-menthol on perception, performance, and time trial cycling in the heat. Scandinavian Journal of Medicine Science Sports, 25, p. 211–218, 2015.

Deval, J. C. Le confort thermique en climate temperé. Revue Phys. Appl. 19, 1984, p. 513- 531.

Dwyer, D. B. The effect of environmental conditions on performance in timed cycling events. J Sci Cycling.Vol. 3(3), 17-22, 2014.

Garcia, L. P.; Rolim, L. R. S.; Duarte, E. C. Mortalidade de ciclistas no Brasil: características e tendências no período 2000 – 2010. Rev. Bras. Epidemiologia 16(4), p. 918-29, 2013.

IBGE. Cidades. Disponível em . Acesso em agosto de 2017.

INSERM. Activité physique, contextes et effets sur la santé. Les édition Inserm, Paris, 826 p. 2008.

Melo, V. A. Por uma história do conceito esporte diálogos com Reinhart Koselleck. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 32, n. 1, p. 41-57, setembro 2010.

Melo, R. J. E. S. Desportos de Natureza: reflexões sobre a sua defnição conceptual. Revista Exedra, nº 2, p. 93 – 104, 2009.

Melo, V. A.; Schetino, A. A bicicleta, o ciclismo e as mulheres na transição dos séculos XIX e XX. Estudos Feministas, Florianópolis, 17(1): 296, janeiro- abril/2009.

Moreira, E. B. M.; Galvíncio, J. D. Análise multitemporal da ilha de calor urbana na cidade do Recife, através de imagens do Landsat TM-5. Anais XIV Simpósio Brasileiro Remoto, Natal, Brasil, INPE, p. 1441-1448, 2009.

Nóbrega, R. S.; Vital, L. A. B. Influência da Urbanização sobre Microclima de Recife e Formação de Ilha de Calor. Revista Brasileira de Geografia Física 03, 2010, p. 151- 156.

Oke, T.R. Boundary layer climates. – 2nd ed. Londres: Menthuen e Co, 1987. p 272-302.

Palotta, M.; Herdies, D. L.; Gonçalves, L. G. G. Estudo das condições de tempo e conforto térmico no desempenho esportivo aplicado à maratona da cidade do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Meteorologia, v.30, n.2, 223 - 240, 2015.

Prefeitura Do Recife. Relatório da Malha Cicloviária existente da cidade. Disponível em . Acesso em agosto de 2017.

Prefeitura Do Recife. Rotas cicláveis. Disponível em < http://www2.recife .pe.gov.br /servico/rotas-ciclaveis?op=NTI1NQ> . Acesso em agosto de 2017.

Schulzen, E.; Daanen, H A. M.; Plews, D. J.; Siegel, R.; Laursen, P. Effect of Thermal State and Thermal Comfort on Cycling Performance in the Heat. Journal International Journal of Sports Physiology and Performance. p. 1-24. 2015.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.6.p2313-2324

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License