Índice de anomalia de chuvas da Microrregião do Cariri Ocidental Paraibano

Renata Richelle Santos Diniz, Maria Leide Silva Alencar, Shayenny Alves de Medeiros, Hugo Orlando Carvallo Guerra, Julio Cesar Rodrigues de Sales

Resumo


A região semiárida do Brasil tem como particularidade a grande irregularidade na precipitação, comportamento esse decorrente de um conjunto de fatores, desde características geográficas, como também fenômenos atmosféricos. Por essa razão, o presente trabalho teve como objetivo analisar a variabilidade climática da microrregião do Cariri Ocidental Paraibano composto por 17 munícipios, através da utilização do Índice de Anomalia de Chuva (IAC) e correlacionar a classificação desse índice com a ocorrência, intensidade e influência do Fenômeno El Niño. Foram utilizados dados pluviométricos de um período de 21 anos (1999-2019) disponibilizados pela AESA (Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba) aplicados no cálculo do IAC que nos permitiu identificar a intensidade e duração dos períodos secos e úmidos da série, foram empregados também dados do El Niño, concedidos pelo Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) e Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE). As incidências de anomalias (negativas e positivas) de precipitação foram analisadas mensalmente e anualmente. A climatologia temporal da precipitação da microrregião do Cariri Ocidental paraibano mostrou que seu período chuvoso inicia-se no mês de janeiro a maio, em contrapartida o período seco ocorre entre os meses de junho a dezembro, sendo setembro tido como o mês mais seco. O mês de agosto contabilizou o maior número de vezes no qual foi classificado como mês úmido (17 vezes), e julho o mês que foi classificado como mais repetidamente seco (9 vezes). Ainda utilizando o cálculo do IAC, foi possível determinar a quantidade de anos secos (10 anos) e úmidos (11 anos), ressaltando que o ano de 2012 foi o único classificado como ano de seca extremamente alta, onde o mesmo foi classificado como um ano de El Nino de intensidade forte. Assim conclui-se a importância da metodologia empegada para o acompanhamento interanual da precipitação pluviométrica da região do Cariri Ocidental paraibano vindo a tornar esses dados obtidos extremamente úteis para uma melhor compreensão da interação do fenômeno atmosférico El Niño e o regime de chuvas da região semiárida.

Palavras- chave: IAC, Período Seco, Período Chuvoso, semiárido, climatologia.

 

Rain anomaly index of the Cariri Western Paraibano Microregion

 

A B S T R A C T

The semi-arid region of Brazil is characterized by the great irregularity in precipitation, a behavior that results from a set of factors, from geographical characteristics, as well as atmospheric phenomena. For this reason, the present work aimed to analyze the climatic variability of the micro region of Cariri Oeste Paraibano composed of 17 municipalities, using the Rain Anomaly Index (IAC) and correlate the classification of this index with the occurrence, intensity and influence of the El Niño Phenomenon. Rainfall data from a period of 21 years (1999-2019) made available by AESA (Executive Water Management Agency of the State of Paraíba) was used in the calculation of the IAC, which allowed us to identify the intensity and duration of the dry and wet periods of the series , data from El Niño, granted by the Center for Weather Forecasting and Climate Studies (CPTEC) and the Institute for Space Research (INPE), were also used. The incidence of precipitation anomalies (negative and positive) were analyzed monthly and annually. The temporal climatology of precipitation in the Cariri Western Paraiba micro-region showed that its rainy period starts in the month of January to May, in contrast the dry period occurs between the months of June to December, with September being the driest month. The month of August had the highest number of times in which it was classified as a wet month (17 times), and July the month that was classified as the most repeatedly dry (9 times). Still using the IAC calculation, it was possible to determine the number of dry (10 years) and wet (11 years) years, emphasizing that 2012 was the only year classified as an extremely high drought year, where it was classified as a El Nino year of strong intensity. Thus, we conclude the importance of the methodology used for interannual monitoring of rainfall in the region of Western Cariri in Paraíba, making these data extremely useful for a better understanding of the interaction of the atmospheric phenomenon El Niño and the rain regime of the semiarid region.

Keywords: IAC, Dry Period, Rainy Period, semiarid, climatology.


Palavras-chave


IAC, Período Seco, Período Chuvoso, semiárido, climatologia

Texto completo:

PDF

Referências


AESA – Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba, 2018. Disponível em: http//www.pb.gov.br/aesa. Acesso em: 10 jan. 2020.

Alves, J. J. A. 2009. Caatinga Do Cariri Paraibano. GEONOMOS 17(1), 19 - 25.

Alves, A.S., Araújo, L.E, 2015. Avaliação climática da precipitação da bacia hidrográfica do rio Camaratuba – PB. Revista Brasileira de Geografia Física [online], 08. Disponível: https://doi.org/10.26848/rbgf.v8.5.p1556-1568. Acesso: 25 jul. 2020.

Araújo, L. E.; Moraes Neto, J. M. De; Sousa, F. De A. S. 2009. Classificação da precipitação e da quadra chuvosa da Bacia do Rio Paraíba utilizando índice de anomalia de chuva (IAC). Ambi-Agua, v.4, p.93-110.

Araújo, L. E. de.; Silva, D. F da.; Moraes Neto, J. M. de.; Sousa, F. de A. S.de. 2007. Análise da variabilidade espaço- temporal da precipitação na bacia do rio Paraíba usando IAC. Revista de Geografia, Recife, v. 24, n. 1, p. 47-59. Disponível; http://periodicos.unesc.net/tecnoambiente/article/download/4381/pdf. Acesso: 20 jan. 2020.

Bezerra, J. R.A. 2016. A seca no Nordeste brasileiro: uma leitura do Jornal Folha de São Paulo. Temática, ano XII, n. 08.

Chargas Neto, P.; ARAÚJO, Lincoln, E. 2017. Avaliação espaço-temporal da precipitação da microrregião do brejo paraibano. Revista Brasileira de climatologia. Ano 13 – Vol. 21.Disponível: https://revistas.ufpr.br/revistaabclima/article/view/52904/33651. Acesso: 10 dez. 2019.

CPTEC- Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos. 2016. Monitoramento e previsão do fenômeno El-Niño e La-Niña. Disponível em: www.cptec.inpe.br/enos. Acesso em: 11 de jan. 2020.

Da Silva, D. F.; Araújo, L. E.; Kayano, M. T.; Sousa, F. De A. S. 2009. Avaliação dos impactos da variabilidade climática na distribuição pluviométrica da Bacia do Rio Mundaú através do IAC. In: Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos, v. 72. Santos: [S.n.].

Diniz, R. R. S. 2018. Avaliação dos efeitos do El Niño na pluviometria e nos sistemas hídricos do Cariri Ocidental Paraibano com a utilização de geotecnologia. Trabalho de Conclusão de curso / Renata Richelle Santos Diniz. - Sumé - PB: [s.n], Universidade Federal de Campina Grande.

Francisco, P. R. M.; Pereira, F. C.; Brandao, Z. N.; Zonta, J. H.; Santos, D.; Silva, J. V. N. 2015. Mapeamento da aptidão edáfica para fruticultura e zoneamento agropecuário do estado da Paraíba. Revista brasileira de geografia física, v. 8, n. 2, p. 377-390.

Freitas, M. A. S. 2004. A Previsão de secas e a gestão hidroenergética: o caso da Bacia do Rio Parnaíba no nordeste do Brasil. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE REPRESAS Y OPERACIÓN DE EMBALSES. Puerto Iguazú. Anais... Puerto Iguazú: CACIER. v. 1. p. 1-1.

Freitas, M. A. S. 2005. Um sistema de suporte a decisão para o monitoramento de secas meteorológicas em regiões Semiáridas. Revista Tecnologia, Fortaleza, v.19, n.1, p.84-95. Disponível: https://periodicos.unifor.br/tec/article/view/1175/4324. Acesso: 30 mai. 2020.

Gross, J. A.; Cassol, R, 2015. Ocorrências de índices de anomalia de chuva negativos no estado do Rio Grande Do Sul. Rev. Geogr. Acadêmica v.9, n.2, 21- 33.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2019. Cidades e Estados. Rio de Janeiro: IBGE. Acessível em: < https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados.html?view=municipio>. Acesso em 05 ago. 2020.

INPE- Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2018. Últimas Ocorrências de El Niños. . Acesso em 15 de agosto de 2018.

Nascimento, S.S.; Alves J.J.A, 2008. Ecoclimatologia do Cariri Paraibano. Revista Geográfica Acadêmica. V. 2 n. 3 (xii). P. 28-41, 2008b. ISSN 1678-7226.

Nóbrega, R. S.; Santiago, G. A. C. F.; Soares, D. B. 2016. Tendência do Controle climático oceânico sob a variabilidade Temporal da Precipitação no Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Climatologia [online], v. 18, p. 276–292. Disponível: https://revistas.ufpr.br/revistaabclima/article/view/43657/28724. Acesso: 12 jan. 2019.

Noronha, G. C.; Hora, M. A. G. M.; Silva, L. P, 2016. Análise do Índice de Anomalia de Chuva para a Microbacia de Santa Maria/Cambiocó, RJ. Revista Brasileira de Meteorologia [online], 31, Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/0102-778620140160. Acesso: 25 jul. 2020.

PDRH-PB. Plano Diretor de Recursos Hídricos do Estado da Paraíba. 1996. João Pessoa/PB: SEMARH/ Governo do Estado da Paraíba. (CD-ROM).

Santos, E. I.; Alencar, M. L. S. 2015. Efeitos do El Niño nas Variações Pluviométricas e nos Sistemas Hídricos de parte do Cariri Paraibano. XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. Brasília-DF, Anais.

Santos; P. E.; Correia, M. F.; Aragão; M. R. S.; Silva, F. D. Dos S. 2011. Eventos Extremos de Chuva e Alterações no Regime Hidrológico da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco: Uma Aplicação do Índice Rai (RAINFALL ANOMALY INDEX). Engenharia Ambiental - Espírito Santo do Pinhal, v. 8, n. 2, p. 315-330. Disponível: http://ferramentas.unipinhal.edu.br/engenhariaambiental/include/getdoc.php?id=1654&article=616&mode=pdf. Acesso: 11 jan. 2019.

SILVA, G. S.; SILVA, W. S.; SILVA, A. L.; ALMEIDA, N. V.; ARAÚJO, L. E. 2018. Análise da Precipitação da Microrregião do Cariri Oriental Paraibano. REGNE, Vol. 4, Nº 1. Disponível: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/download/13938/9799/. Acesso: 11 dez. 2019.

Sousa, A.M.L.; Rocha, E.J.P.; Vitorino, M.I.; Souza, P. J. O. P. DE; Botelho, M. N. 2015. Variabilidade espaço- temporal da precipitação na Amazônia durante eventos ENOS. Revista Brasileira de Geografia Física [online], v.8, 13-24. Disponível: https://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/233175/27060. Acesso: 30 jun. 2020.

UFSC. Universidade Federal de Santa Catarina, 2011. Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. Atlas brasileiro de desastres naturais 1991 a 2010: volume Paraíba /Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. Florianópolis.

ZEE- Zoneamento Ecológico e Econômico. Governo do Estado da Paraíba. 2011. Os Cariris Paraibanos- Recursos Hídricos, dos Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia. Disponível em: http://paraiba.pb.gov.br/meio-ambiente-dos-recursos-hidricos-e-da-ciencia-e tecnologia/zee/. Acesso em: 19 dez. 2017.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.6.p2628-2640

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License