Estudo da variabilidade pluviométrica do semiárido cearense e seu efeito sob os açudes Orós e Castanhão

Sâmia de Sousa Rocha, João Roberto Façanha de Almeida

Resumo


Os grandes períodos de seca e as fortes chuvas são características da variabilidade pluviométrica da região do semiárido do estado do Ceará e para melhor caracterizar tais acontecimentos existem diversos métodos. Dentre eles, o Índice de Anomalia de Chuvas (IAC) que foi aplicado neste trabalho e teve como base a série histórica publicada no portal HidroWeb da Agência Nacional das Águas (ANA) durante o período de 1969 a 2019. O enfoque do estudo se deu na região das bacias do Alto Jaguaribe e Médio Jaguaribe, onde se localizam, respectivamente, os açudes Orós e Castanhão. Com isto, calculou-se o IAC para sete postos pluviométricos identificando os anos secos e úmidos e os classificando de acordo com a intensidade. Posteriormente, realizou-se através do método de Pearson a correlação entre o IAC e a variação dos níveis volumétricos dos açudes. Com este trabalho conclui-se que houve uma proporção entre a quantidade de anos secos e úmidos na região, pois, em ambas bacias foram identificados 27 anos secos e 24 anos úmidos. O menor IAC encontrado foi de -4,55 em 1993 na região do Médio Jaguaribe e o maior foi de 6,77 em 1985 no Alto Jaguaribe. Observou-se também que a correlação se mostrou mais forte no açude Orós do que no Castanhão, ou seja, o fator precipitação influenciou de forma mais direta o aporte hídrico do açude Orós.

Palavras-chave


Variabilidade pluviométrica, Semiárido, IAC.

Referências


Albuquerque, E.L.S., Souza, M. J. N., Medeiros, C. N. de., Sousa, F. J. de; Lima, K. A. de. 2014. Perfil Geossocioeconômico: Um olhar para as Macrorregiões de Planejamento do estado do Ceará. Fortaleza, IPECE.

BRASIL. Agência Nacional de Águas - ANA. Sistema de Informações Hidrológicas, 2020. Disponível em:

_______. Departamento Nacional de Obras contra as Secas - DNOCS. Disponível em:. Acesso em: 28 mai. 2019.

_______. Fundação Joaquim Nabuco. Seca de 2012 a 2017 no semiárido foi a mais longa na história do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2019.

_______. Sistema de Acompanhamento de Reservatórios. Disponível em: . Acesso: 20 out. 2019.

CEARÁ. Companhia de Gerenciamento dos Recursos hídricos - COGERH. Portal Hidrológico do Ceará. Disponível em . Acesso em 09 fev. 2019.

Campos, José Nilson B. 2014. Secas e políticas públicos no semiárido: ideias, pensadores e períodos. Estud. av. São Paulo, v. 28, n. 82, p. 65-88.

Cirilo, J.A. 2019. Políticas públicas de recursos hídricos para o semi-árido. Estudos Avançados. n. 22(63), 61-82, 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 de jun.

Cortez, Helder S., Lima, G.P., Sakamoto, M.S. 2019. A seca 2010-2016 e as medidas do Estado do Ceará para mitigar seus efeitosno Nordeste e seus impactos. Parc. Estrat. Brasília-DF, v. 22, n. 44, p.83-118, jan-jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 jun.

Costa, J. A.,; Da Silva, D.F. 2017. Distribuição espaço-temporal do Índice de anomalia de chuva para o Estado do Ceará. Revista Brasileira de Geografia Física - RBGF, v,10, n. 04. Disponível em: . Acesso em: 03 abr. 2019.

Costa, J. A., Rodrigues, G. P. 2017. Space-time distribution of rainfall anomaly index (RAI) for the Salgado Basin, Ceará State – Brazil. Ciência e Natura, v. 38, n.3, p. 627-634.

Da Silva, D. F.; Galvíncio, J.D.; Nóbrega R.S. 2011. Influência da variabilidade climática e da associação de fenômenos climáticos sobre sub-bacias do rio São Francisco. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, nº 19, p. 46-56. Disponível em: < https://www3.ufpe.br/tropoclima/images/pdf/djane.pdf>. Acesso em: 21 de jun. 2016.

Da Silva, D. F., Kayano, M. T., Sousa, F. A. S., Araújo, L. E. 2009. Análise da precipitação na Bacia do RioMundaú Usando IAC. UNOPAR Científica. Ciências Exatas e Tecnológicas 7, 12-29.

Dancey, C. P., & Reidy, J. 2006. Statistics without Mathematics to Psychology: Using SPSS for Windows. Porto Alegre: Artmed.

Freitas, M. A. S. 2005. Um sistema de suporte à decisão para o monitoramento de secas meteorológicas em regiões semiáridas. Revista Tecnologia, Fortaleza, v. suplem, p.84-94. Disponível em: Acesso em: 21 jun. 2019.

Gondim Filho, Joaquim G.C., Vieira, Vicente P. P. B. 2006. Água doce no semiárido. In: Rebouças, A. C.; Braga, B.; Tundisi, J. G.(org.). Água doces no Brasil: Capital ecológico, uso e conservação. 3.ed., São Paulo: Escrituras Editoras, cap.15, p.481-505.

Lucena, Daisy Beserra; Gomes Filho, Manoel F.; Servain, Jacques. (2011). Avaliação do impacto de eventos climáticos extremos nos oceanos pacífico e atlântico sobre a estação chuvosa no nordeste do Brasil. Rev. bras. meteorol., São Paulo, v. 26, n. 2, p. 297-312 Disponível em: . Acesso em: 03 abr. 2019.

Marengo, J. A., Alves, L. M., Beserra, E., Lacerda, F. 2011. Variabilidade e mudanças climáticas no semiárido brasileiro, in: Medeiros, S. de S., Gheyi, H.R., Galvão, C. de O., Paz, V.P da S. Recursos Hídricos e Regiões Áridas e Semiáridas. Campina Grande: INSA, pp. 383- 416.

Martins, Cinthia M.S., Da Silva, B.C., Pons, Nívea A. D. 2019. Estimativa de cheias em bacias hidrográficas com base em previsões de precipitação por conjunto. Revista Brasileira de Geografia Física - RBGF, v.12, n. 05.

Nascimento, F.J.S.C., Medeiros, P.H.A. 2017. Zoneamento da magnitude e da variabilidade temporal dos escoamentos como indicador do potencial de regularização de vazão através de açudes. Revista Water Resources and Irrigation Management, v.6, n.2, p.115-129.

Nobre, Paulo., Oyama, Marcos D., Oliveira, G. S., Tomasella, Javier. 2011. Impacto de mudanças climáticas globais na hidrologia do semiárido do Nordeste brasileira para o final do século XXI. In: Medeiros, S. de S., Gheyi, H.R.,




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.6.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License